Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

Misticismo: os chineses perante a morte e o Além

misticismo.chines.1O tema dispensa palavras minhas.  Leia e conheça melhor as crenças deste povo chinês que se espalha pelo mundo, e sempre as leva consigo aonde quer que seja. Um artigo da macaense Cecília Jorge de 1992, merecidamente republicada 20 anos e meio depois, que mesmo pelo tempo decorrido, não envelhece, pois são crenças milenares sem prazo para extinção.

macau.ama.21

DAR DE COMER ÀS ALMAS PENADAS

de Cecília Jorge – Revista Macau – edição de Agosto de 1992

*fotos da Revista, salvo do autor identificadas – escrito em português-Portugal

Há muito de misticismo, de mistério e de receio no confronto dos seres racionais com os conceitos de morte acerca do “outro mundo”. A atitude dos chineses perante a morte e o Além é uma das suas facetas mais ricas e talvez a menos conhecida dos ocidentais

A morte, temida quando encarada como algo que pode surgir de forma prematura, repentina e violenta, é também algo que os chineses, a partir de uma certa altura, passam a aceitar como a natural etapa seguinte numa vida plena, de missões cumpridas. E talvez por isso é que na China a longevidade parece ter um significado mais profundo, do que o da simples continuidade, chegando a ser venerada na imagem de um velho de longas barbas e testa descomunal, com um cajado na mão e o pêssego da imortalidade na outra.

O profundo receio de uma antecipação dessa passagem para o Além, de malefícios provocados por almas que, precisamente por terem sido forçadas a partir de forma imprevista e violenta, se tornaram nefastas, leva os chineses de Macau e Hong- Kong, quando supersticiosos bastante, a cumprir as suas obrigações aqui na terra e a evitar dissabores com o Além.

Estas serão algumas das explicações para a permanência hoje, nestas paragens, de um anacronismo como o luet-Làn Tchit, vulgarmente conhecido pela “Festividade das Almas Penadas” (Kuei Tchit), ou mesmo, para os menos respeitosos, a dos “Diabos Esfaimados”.

É entre 30 de Julho e 27 de Agosto, que decorre este ano o sétimo mês lunar, e quem em Macau não ande distraído vê pequenos fogaréus um pouco por toda a cidade e ilhas, sobretudo ao lusco-fusco. à porta de casa, nos passeios, à beira das estradas. São imensas as pilhas de pivetes de incenso e de velas de cera vermelha, as oferendas de fruta e arroz cozido, rebentos de soja. bolos … e de cédulas emitidas pelo Banco do Inferno com a efígie dos soberanos infernais e muitos zeros a seguir aos cifrões.

Trata-se de acudir às almas penadas, espíritos errantes de todos aqueles que, acidentados, assassinados, ou suicidas, caíram numa desgraça ainda maior porque além da morte prematura ou violenta, partiram deste mundo sem deixar quem, deste lado, cuidasse do seu bem-estar e sustento.

misticismo.chines.2

Não lhes podendo valer um descendente (e se for varão será a suprema felicidade ! ) ou abandonados pelos familiares e mesmo afilhados ou amigos, contam agora com os corações compassivos (e apreensivos) daquelas que – pois que de mulheres, habitualmente, se trata -, se prestem a aligeirar-lhes a estada na zona neutra entre este e o outro mundo. Porque, a confiar-se na tradição, ai dos que não “morreram de olhos fechados”, com as contas e partilhas feitas, caixão e sepultura prontos, ritual fúnebre, e a pasta entregue a outrem. As almas ficam a expiar angústias, culpas e desculpas, de transmigração em transmigração, sem direito à reincarnação gradual e sucessiva que atinge o termo em qualquer coisa superior e indefinível quando se esgota o seu karma..

Esse processo é, por vezes, engenhosamente ultrapassado pela alma penada, porque delas naturalmente se trata, no fenómeno do t’âi-san (literalmente “trocar de corpo”) em que a distraída vítima, só tardiamente se dá conta de que “morreu” e que alguém se passeia agora, feliz, no seu corpo. A situação não tem paralelo de espécie alguma com as assustadoras possessões demoníacas típicas das cenas do terror ocidental, já que o novo inquilino não é necessariamente maligno, nem faz cenas…

Voltando a ver a questão do ponto de vista chinês e partindo do princípio que morrer é apenas transpor uma porta que só se abre para um lado e que a vida continua nos mesmos moldes que neste, as necessidades básicas das almas são as mesmas : alimentação, vestuário, abrigo, transportes, companhias e serventias, e mesmo dinheiro e ouro em lingotes … tudo em papel. O que vale é a imagem, o faz-de-conta.

É que, no início da viagem, é preciso pagar as passagens da travessia na barca do Inferno (ou do Purgatório). E se a fortuna for grande e os pecados a condizer, serve também para amaciar os carcereiros das celas que as espera, na expiação dos pecados. E nunca se sabe se ele não fará jeito durante os julgamentos nas várias instâncias dos tribunais nos Infernos (que são mais de uma dúzia…, cada um com o seu governante, e muitos deles com direito a efeméride assinalada no calendário das festividades lunares).

Ponderadas as faltas cometidas na vida terrena, e descontadas as razões atenuantes, as almas são condenadas a torturas e a períodos mais ou menos longos de encarceramento. Depois, podem ser reenviadas para terra, a reincarnar outro ser vivo (e não necessariamente humano) consoante o merecimento, sendo-lhes dada outra oportunidade de reabilitação. Aguardam a vez e renascem. Não roubam o corpo a ninguém…

misticismo.chines.5

misticismo.chines.4

Mas seria muito improvável que os chineses há muito residentes em Macau, por muito tradicionalistas e crentes que ainda sejam, mantivessem intacta toda essa crença na complicada estrutura de Infernos, castigos e reabilitação das almas, tal como caíram em desuso os horripilantes castigos preconizados pela moral confucionista aos que fossem acusados de impiedade filial, de adultério, de desonestidade, ou de muito simplesmente não cumprirem a palavra.

Respeitam hoje escrupulosamente os ritos devidos a quem morre, e caberá sempre aos filhos “servir adequadamente os pais em vida, e sepultá-los adequadamente na morte”. A crença na geomancia, fung-sôi, dá primordial importância à escolha da sepultura dos ascendentes.

Mas o chinês que parte requer ainda uma atenção regular, que vai sendo responsabilidade herdada de geração em geração, sendo essa uma das melhores explicações para a importância, ainda não totalmente ultrapassada, da procriação de filhos varões: são eles que transmitem o patronímico e asseguram a eternização do clã.

misticismo.chines.6Os ascendentes directos, os mais populares e os que, distinguindo-se em vida, contribuíram para o prestígio familiar, recebem homenagens especiais, permanentes e diárias no altar caseiro. As suas fotografias ou as tabelas onde se convencionou residir o seu espírito encontram-se ali em destaque, e deles se espera protecção ou pelo menos intercessão junto dos poderes divinos. Dia e noite ilumina o altar uma candeia votiva, ou lâmpada avermelhada, junto aos pratinhos com fruta e jarras de flores, enquanto pivetes são acesos ao romper e ao pôr do sol.

Foi, aliás, esse ritual que, no século XVII despoletou a guerra dos ritos, levando a Santa Sé a considerar sacrílego o “culto dos antepassados” e a proibi-lo aos cristãos chineses. Foi também esse, um dos cultos que os governantes chineses baniram após 1949 .

E no entanto, com o peso dos milénios, continua a assumir proporções singulares em Macau e Hong-Kong — e nas comunidades dos denominados chineses ultramarinos, por esse mundo fora. Dizem respeito aos antepassados as mais importantes festividades assinaladas no calendário lunar, como sejam o Cheng Meng (ou “Suprema Claridade”) o Tchông leong, também conhecido por “Duplo Nove”; e no Ano Novo Lunar, ou “Festividade da Primavera” parte dos rituais é-lhes dedicada.

Além disso, quase todo o sétimo mês lunar é destinado aos cultos exorcistas e de apaziguamento das almas, embora haja distinção assinalável entre o espírito superior do antepassado e a alma penada, o kuai.

E voltamos assim ao princípio. Se a alma de quem parte requer atenção, quem a não recebe está insatisfeita, irrequieta, ressabiada … vingativa, até. Por comiseração, ou como medida de precaução, toca a todos fazer os possíveis para a apaziguar.

Os cantonenses, abrem mesmo nessa altura excepção numa mentalidade centrada exclusivamente na família e no clã, e estendem a sua prodigalidade às almas penadas dos anónimos que, diz a tradição, recebem nessa altura permissão dos guardiães das profundezas, para vaguear pelo mundo, sobretudo na véspera do décimo quinto dia da sétima lua (12 de Agosto). Vêm esfaimadas, e são, na grande maioria, malignas, invejosas e vingativas, capazes de muita baixeza e tropelias e ameaçam quem tenha o azar de nelas inadvertidamente tropeçar, já que, como todo o diabo que se preze, são invisíveis.

macau.ama.28

Dizem os mais supersticiosos que os locais a evitar nessa altura são todos aqueles onde ocorreram acidentes mortais, e isso, até para um leigo é fácil descobrir, pela profusão de pivetes, velas e restos de comida colocados em sítios ilógicos.

Mas há associações budistas e taoístas que tratam de garantir os rituais e cerimoniais exorcizantes, aplacando, também no mar, as angústias dos afogados e dos espíritos malignos que ali habitam.

Às festividades costumava presidir a imagem, em papel, de Tai Si Vóng, o “Soberano Supremo dos Infernos” que, velava por que o banquete fosse farto e todos a ele tivessem acesso. Mas, de pincel e caderno em riste, anotava as faltas de quem se tivesse portado mal nestas curtas férias… e fazia a chamada, para que todos eles regressassem às profundezas, na altura devida, uma vez satisfeitas as saudades da Terra.

O hábito perdeu-se e hoje, permanece apenas o siu-i, literalmente, “queima de vestuário” (e outras oferendas de papel). O fogo se encarregará de transportar para o outro lado a essência oferecida a quem já não se pode materializar.

macau.ama.15

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 723,128 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: