Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Macau: Gravuras do Palácio do Governo, Palacete Santa Sancha e Escola Leng Nam

Completando a postagem do dia 10 passado, publico outras três gravuras de prédios históricos de Macau do livro <CEM ANOS QUE MUDARAM MACAU>, edição do Governo de Macau – 1995, dos autores: Sérgio Infante, Rogério Beltrão Coelho, Paula Alves e Cecília Jorge.

Os textos são do livro e se referem à situação no ano de 1995, quando Macau ainda era um território sob administração portuguesa.  Foi devolvido para a China em Dezembro de 1999, após a presença de Portugal por cerca de 440 anos:

Palácio do Governo

Palácio do Governo

PALÁCIO DO GOVERNO

MANDADO construir pelo Barão de Cercal, em 1849, num dos pontos mais belos da Rua da Praia Grande, segundo projecto do arquitecto macaense José Agostinho Tomás de Aquino.

Após a morte do Barão de Cercal a viúva não consegue saldar dívidas à banca e o palácio é adquirido pelo governador Joaquim José da Graça, em hasta pública, em 1881, pela quantia de 21 mil patacas.

Em 1883, o governador Thomaz de Sousa Roza transfere a residência oficial do antigo Palácio do Governo (também na Praia Granae no local onde hoje se ergue o edifício dos Tribunais) para o palácio dos barões de Cercal, situação que se mantém, com algumas excepções, até 1937, quando, por iniciativa do governador Tamagnini Barbosa, Santa Sancha passa, definitivamente, a residência dos governadores de Macau.

Actualmente (em 1995), o Palácio da Praia Grande é a sede do Governo nele funcionando a Assembléia Legislativa e o Conselho Consultivo do governador. A tardoz do Palácio foi construído, em 1994, um novo edifício onde estão instalados os gabinetes dos secretários-adjuntos.

No primeiro andar está instalado o gabinete do governador, a Sala dos Retratos (onde se encontram os retratos de 41 governadores desde meados do século passado) e a Sala Azul (decorada com azulejos portugueses, mobília no estilo D. João V e tapeçarias a partir de duas pinturas de Almada Negreiros e de uma de João Botelho).

Do palácio faz parte um jardim de traça ocidental.

O palácio que, desde a sua construção, sofreu várias alterações, foi completamente restaurado em 1983 tendo-se afastado, significativamente, da traça original. É monumento classificado.

Palácio de Santa Sancha

Palacete de Santa Sancha

PALACETE DE SANTA SANCHA

HÁ dúvidas acerca da data de construção do palacete de Santa Sancha, cuja autoria é atribuída ao arquitecto macaense José Agostinho Tomás de Aquino, embora a hipótese mais provável seja o ano de 1846. O primeiro proprietário de que há conhecimento foi Manuel Duarte Bernardino, tendo o palacete passado, por penhora, em 1855, para a posse do 1º Barão e 1º Visconde de Cercal, Alexandrino António de Melo.

Com a morte do Barão de Cercal, em 1877, a transmissão da propriedade passa pelos tribunais mas, em 1882, a posse transita para a viúva D. Carlota Josefa de Melo que, por morte, em 1892, a deixa a sua neta Pamela Francisco de Melo. Um ano depois esta vende o palacete, por oito mil patacas, a um inglês negociante de ópio, Herbert Dent.

Dent morre em 1921 e o palacete fica, por dois anos, para seu filho William. Em 1923, o governador Rodrigo Rodrigues adquire a propriedade para o Estado.

No ano seguinte, em 1924, o edifício é completamente reconstruído sofrendo profundas alterações na traça original. As obras custaram 24.500 patacas.

Antes de passar, definitivamente, em 1937, para residência oficial dos governadores (que o tinham utilizado até 1932), o palacete de Santa Sancha teve diversas utilizações, designadamente Hospital Infantil (1934-36) e Museu Comercial e Etnográfico Luís de Camões (1936-37).

O palacete está situado na Colina da Penha (na zona antigamente conhecida por Tanque do Mainato), delimitado pelas Calçada da Praia, Estrada de Santa Sancha e Estrada da Penha.

O edifício tem dois pisos e está construído em alvenaria rebocada e pintada. Da propriedade faz parte um jardim de traçado ocidental e um mirante que dá para a baía da Praia Grande.

Escola Leng Nam

Escola Leng Nam

ESCOLA LENG NAM

SITUADA na Estrada dos Parses, junto ao Centro Hospitalar Conde de S. Januário, a Escola Leng Nam está instalada no antigo palacete do advogado macaense Francisco Xavier Anacleto da Silva – a Vila Alegre -, cujo projecto data de 1917, embora a construção só tenha sido concluída em 1921. Conta-se que numa das suas viagens a Xangai (onde, tal como a Pequim e a Cantão, se deslocava  frequentemente  para  dar assistência jurídica aos portugueses residentes na China) o advogado e sua mulher apreciaram de tal forma um palacete na concessão estrangeira que o fotografaram e mandaram construir uma réplica num dos sítios mais aprazíveis de Macau.

A escola Leng Nam, que funcionava em Cantão, está instalada na Vila Alegre desde 1936 (quando o palacete já pertencia à Caixa Econômica Postal), ano em que se muda para Macau, fugindo, professores e alunos, às consequências do conflito sino-nipónico. Aqui se manteve até à actualidade (1995) sem alterar a traça arquitectónica do edifício.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.464.206 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Hoje, 24 de Junho de 2022, comemora-se 400 anos de “A Maior Derrota dos Holandeses no Oriente” na sua tentativa de tomar Macau dos portugueses. Até a transição de soberania de Macau, de Portugal para a República Popular da China, em 20 de Dezembro de 1999, a data era comemorada como “DIA DE MACAU” ou “DIA DA […]

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

%d blogueiros gostam disto: