Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Brasil perde Dominguinhos, o “rei da sanfona”

foto do site oficial de Dominguinhos

foto do site oficial de Dominguinhos

Após prolongada doença, faleceu no Hospital Sírio Libanês em São Paulo, Dominguinhos, o “rei da sanfona”, aos 72 anos, em decorrência de complicações infecciosas e cardíacas.

Conheça este cantor e sanfoneiro brasileiro, considerado um dos principais nomes do forró, e assista vídeos de suas apresentações:

foto do site oficial de Dominguinhos

foto do site oficial de Dominguinhos

DOMINGUINHOS

segundo a Wikipedia

José Domingos de Morais (Garanhuns, 12 de fevereiro de 1941 – São Paulo, 23 de julho de 2013), conhecido como Dominguinhos, foi um instrumentista, cantor e compositor brasileiro. Exímio sanfoneiro, teve como mestres nomes como Luiz Gonzaga e Orlando Silveira. Teve em sua formação musical influências de baião, bossa nova, choro, forró, xote e jazz.

Biografia

José Domingos de Moraes nasceu no interior de Pernambuco, na cidade de Garanhuns, em 12 de fevereiro de 1941. Oriundo de família humilde, seu pai, mestre Chicão, era um conhecido sanfoneiro e afinador de sanfonas. Dominguinhos interessou-se por música desde cedo, começando a aprender sanfona com seis anos de idade, quando ganhou um pequeno acordeão de oito baixos e chegou a se apresentar em feiras livres e portas de hotéis em troca de algum dinheiro junto com seus dois irmãos, com quem formava o trio Os Três Pinguins. Praticava o instrumento por horas a fio, e logo tornou-se proficiente nas sanfonas de 48, 80 e 120 baixos, e acabou por tornar-se músico profissional ainda garoto.

Em 1950, aos nove anos de idade, conheceu Luiz Gonzaga quando tocava na porta do hotel em que este estava hospedado. Luiz Gonzaga se impressionou com a desenvoltura do menino e o convidou a ir ao Rio de Janeiro. Dominguinhos o fez em 1954, então com treze anos de idade, acompanhado do pai e dos dois irmãos, indo morar em Nilópolis. Ao encontrar-se com Luiz Gonzaga no Rio, este deu-lhe de presente uma sanfona e o integrou à sua equipe de músicos, e Dominguinhos passou a fazer shows pelo Brasil e participar de gravações.

Sua reputação como músico e arranjador cresceu e ele aproximou-se de músicos do movimento bossa nova. Fez trabalhos junto a inúmeros músicos de renome, como Gilberto Gil, Maria Bethânia, Elba Ramalho e Toquinho, e eventualmente acabou por consolidar uma carreira musical própria, englobando gêneros musicais diversos como bossa nova, jazz e pop.

Falecimento

Dominguinhos estava internado no hospital Sírio Libanês em São Paulo e morreu às 18h do dia 23 de julho de 2013 após sofrer complicações infecciosas e cardíacas. O músico faleceu após perder uma batalha que durou 6 anos contra um câncer de pulmão.

Vídeo 1 – Dominguinhos interpreta “Eu só quero um xodó” (sua composição e uma das mais populares)

Xodó é um adjetivo carinhoso para chamar uma pessoa que se gosta.

Vídeo 2 – Dominguinhos canta  Caminhoneiro com Paula Fernandes

* Caminhoneiro = camioneiro ou motorista de camião (PT)

Vídeo 3 – Dominguinhos canta Asa Branca com Shank no programa de 100 anos de música popular brasileira em 1999, com apresentação de: José Wilker, Almir Chediak, Gilberto Gil, Ricardo Cravo Albin, Elba Ramalho, com arranjos de Edson Frederico e regência de Eduardo Lages.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 23/07/2013 por em Dominguinhos e marcado , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.342.443 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Em Macau, três novos livros de dois autores em língua portuguesa

Em Macau, três novos livros de dois autores em língua portuguesa

O livro de poemas “Pétalas ao Vento” lançado a título póstumo de José Maria Bártolo e outras recentes obras do Manuel V. Basílio, “Sítios com Histórias”, em dois volumes, foram lançados oficialmente em 5 de Novembro de 2021. A sessão de lançamento realizada no Instituto Internacional de Macau-IIM, foi presidida por Rufino Ramos, seu secretário-geral […]

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Foi graças a um dvd distribuído por um dos seus filhos, que possibilitou ao Projecto Memória Macaense – PMM montar diversos vídeos filmados por Hércules António que nos trazem velhas e memoráveis lembranças daquela Macau antiga que mora no coração dos macaenses e daqueles que tiveram vivência no território. Os vídeos publicados no YouTube nos […]

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

No livro “Meio Século em Macau” de J. J. Monteiro (José Joaquim Monteiro) composto por dois volumes, nas últimas páginas do Volume II estão as letras da canção “Macau (linda)”, que infelizmente não temos a gravação e nem se sabe se houve, talvez nos arquivos pessoais de algum macaense ou familiares. Trata-se de uma música […]

%d blogueiros gostam disto: