Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Macau: planta de 1792 comentada

Macau em 1792, como era  a sua planta? Ainda não havia aterros, com certeza, e como era pequena!  O livro “Cem Anos que Mudaram Macau” num quadro comparativo de seis plantas de 1792 a 1954 com a de 1991 nos dá uma visão da evolução da cidade.

Nesta postagem, publicamos a planta de 1792 com o texto de introdução deste trabalho:

do livro

CEM ANOS QUE MUDARAM MACAU

uma edição do Governo de Macau – 1995

autores – Sérgio Infante, Rogério Beltrão Coelho, Paula Alves, Cecília jorge (os agradecimentos deste blog)

ESTUDO COMPARATIVO DE SEIS PLANTAS SIGNIFICATIVAS DO DESENVOLVIMENTO URBANO DE MACAU: 1792,1834,1889,1912,1927,1954

Os edifícios e sítios que aparecem mais vezes referenciados nas seis plantas que comparamos com a de 1991 são os seguintes:

—   Referenciadas em todas as plantas (edificações militares e religiosas): Forte de S. Paulo do Monte; Forte de N.S. da Guia; Forte do Bom Parto; Convento de S. Francisco; Capela
de N. S. da Penha.

—   Referenciadas em cinco das plantas (denota-se a importância da comunidade chine­sa, reflectida nas duas referências a templos antigos a ela pertencentes): Ilha Verde; Templo de Lin Fong; Porta do Cerco; S. Paulo ( verifi­cando-se que em 3 delas são referenciadas ia as ruínas e não o colégio); a Sé; o Colégio de S. José; a Praia Grande; o Forte de S. Francis­co; Forte de S. Tiago da Barra; o Pagode da Barra.

—   Com referência em quatro plantas (a importância da comunidade chinesa, reflectida na referência a uma povoação e a um templo seu): Fortaleza deMong Há; Povoação de Mong Há; Pagode de Mong Há; Forte de D. Maria; Praia de Cacilhas, Senado; Convento de S. Clara; S. Lourenço; Convento de S. Agostinho.

Clicar para aumentar

(Clicar para aumentar) Tradução: Uma planta da Cidade e Porto de Macau, uma colónia portuguesa localizada no extremo sul do Império Chinês. Escala de 1.500 jardas inglesas (1.371,60 metros)

PLANTA DE 1792

A denotar um conhecimento preciso do território na zona ocupada pela cidade de então, cujo traçado é bastante fiável, o mesmo não se verificando em toda a área fora da linha de muralhas, com particular incidência na zona central e nascente, onde as imprecisões se tornam muito grandes, dificultando a tarefa de interpretação dessas áreas.

Macau aparece-nos com a configuração primitiva, sem nenhuma anexação ao mar.

A cidade estende-se entre a Colina da Barra/Penha e a Fortaleza do Monte e respectivos panos de muralha, que se prolongam para nascente e sul até à baía da Praia Grande e para poente até à Porta de S. António — a denominada plataforma Sul.

Fora destes limites, só existem zonas de ocupação chinesa, o Forte da Guia e a zona do Hospital dos Leprosos/S. Lázaro (fora de portas, embora próxima da Porta de S. Lázaro).

A comunidade chinesa devia ter bastante importância dada a referência a três templos chineses e à representação de aglomerados locais (lotes com escalas mínimas) junto aos referidos templos, ou junto à costa, em zonas de praia (Baía da Praia Grande adjacente ac Forte do Bom Parto; Praia da Areia Preta; e Praia do Patane); de destacar também, pela dimensão, o aglomerado fora de portas, junto ao templo de Mong Há.

O traçado-base da cidade de então manteve-se até finais dos anos 80 com pequenas modificações e adensamentos da malha primitiva.

Dos pólos da cidade são referenciados 13 pólos religiosos, 8 militares, 3 chineses, 2 estatais, 4 locais de praia, 5 locais vários, de onde se denota a importância dos pólos religiosos na estrutura citadina.

Desses pólos religiosos, 3 são igrejas paroquiais (referenciadas mas não delimitadas); 2 são colégios, sendo o de S. José bastante maior; 4 conventos (os maiores S. Domingos e S. Clara) e 4 capelas, das quais só S. Lázaro e a Penha estão claramente definidas, e sendo esta última a única excêntrica relativamente à ocupação humana da cidade. E interessante assinalar que esta planta inclui a primeira referência ao Hospital de S. Lázaro.

Salvo S. António, todos os edifícios religiosos se localizam no eixo central e nascente apoiada nas vias mais importantes, verificando-se que os núcleos militares abrangem a mesma área.

Quanto aos pólos militares, quatro são de defesa da linha de costa (nascente/sul) e estão virados para o Mar da China e para entrada do Porto Interior (a Rada); um outro defende o território ( o do Monte, com a sua linha de muralha). Deixam assim só duas entradas, por terra, na cidade: S. Lázaro e S. António. As portas de S. Lázaro, S. António e S. Pedro surgem referenciadas de forma clara nesta planta, que assinala também pela primeira vez, e com grande definição a área ocupada pelo núcleo da igreja da Madre de Deus e Colégio de S. Paulo.

O Forte da Guia, posicionado no local mais alto da Península, controla o mar e a terra, e os tufões. Quanto a dimensões, a fortaleza do Monte é sem dúvida a maior, seguida da de S. Tiago e da Guia.

Os edifícios civis do Senado e da Alfândega são os únicos indicados nesta planta, situando-se este último na zona costeira poente.

Um núcleo de edifícios importantes aparece destacado dos restantes na Baía da Praia Grande.

Das quatro praias indicadas, e com a excepção da do Manduco, todas vêm assinaladas pelo seu tamanho, sendo duas referenciadas como Praia Pequena e uma como Praia Grande, tendo esta última designação passado a nome próprio até à actualidade.

Anúncios

3 comentários em “Macau: planta de 1792 comentada

  1. José Freire
    20/09/2013

    Gostei. Onde posso encontrar o livro?

    • José Freire, agradeço a visita e o comentário. Comprei o livro na Livraria Portuguesa em Macau há muito tempo. Não saberia dizer se ainda há exemplares para venda, pois resido no Brasil e nem sei quando visitarei Macau novamente. Talvez algum contacto seu em Macau pudesse ajudar-te. Infelizmente a Livraria não tem website, o que também me faz falta, pois poderia comprar mais livros como antigamente. Coisas incompreensíveis na modernidade!

      • José Freire
        20/09/2013

        Ogd. Vou pedir a um amigo que por lá está que procure.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 19/08/2013 por em Planta de 1792 e marcado , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 696,944 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: