Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

António Estácio e o livro “Na Roda de Amigos”, isto foi há 20 anos

Chamou-me atenção o título no Jornal Tribuna de Macau, edição de 27/09/2013 – ANTÓNIO ESTÁCIO “NA RODA DE AMIGOS”, sem perceber a anotação “Há 20 Anos”, tanto que, cheguei a pensar que o livro do amigo Estácio estava a ser relançado.

O texto do artigo a relembrar acontecimentos ocorridos há 20 anos atrás dizia: “amanhã, dia 28 pelas 18, na Livraria Portuguesa, é lançado mais um livro de António Estácio: “Na Roda de Amigos”. Despretensioso e afável como o seu autor, o livro apresenta poemas referentes a situações e personalidades de Macau, sempre tratadas com graça e elegância. O próprio António Estácio os classifica de “passatempo divertido”, até porque muitos são novas “letras” de fados e canções célebres, permitindo assim que sejam cantados “em roda de amigos”. Daí aliás, o nome dado à obra, que se apresenta numa edição cuidada e enriquecida com desenhos de Zilhão de Barros. É de esperar que muitos amigos (dos que soube conquistar ao longo de 21 anos consecutivos de residência em Macau) compareçam amanhã na “roda” da Livraria Portuguesa, dando a António Estácio o abraço que merece.”

(clicar nas imagens abaixo para ampliar)

O livro teve tiragem inicial de 300 exemplares em Setembro de 1993, e como reforço, mais 200 em Dezembro do mesmo ano.  Foi uma “produção independente” do autor, que bem que poderia ter tido apoio da administração portuguesa de Macau, pois eram fartas publicações patrocinadas, embora nem para todos.  Na verdade o Estácio bem que agradece no livro a colaboração de diversos amigos, entre eles, a destacar Jorge Mesquita, José Cândido Rodrigues, Leonel Barros, Nuno Rodrigues e U Tit Kuong.

No Preâmbulo, o autor faz a seguinte apresentação:

“Sempre senti uma forte relação entre a poesia e a música. Por isso as considero formas de expressão com uma complementaridade natural. Se, por um lado, a música complementa o poema, permitindo-lhe adquirir uma maior expressão e sonoridade, quando devidamente musicado, por outro, parece-me pacífica a força intrínseca do poema como sustentáculo da música. A dificuldade reside em saber casar ambas.

Desde há anos que me dedico a um exercício, que consiste em criar uma estrutura paralela para certos trechos musicais, mais ou menos, conhecidos. Em versos busco um novo suporte para determinado tipo de música, de preferência fados e de entre estes os de Lisboa, sem esquecer canções regionais e temas brasileiros.

Durante o período em que cumpri o serviço militar, esse exercício serviu-me para melhor matar o tempo.

Nem sempre a poesia e a música seguiram lado a lado.

No período compreendido entre 1983 e 1985, a primeira foi dominante e absorvente, com a regular colaboração prestada ao semanário “Tribuna de Macau”, na coluna do “Estrófico”.

A partir de 1988, voltei a conciliá-las, tendo os poemas, na sua maior parte, sido condicionados pela música de muitos fados. Através deles tentei retratar acontecimentos, gentes e aspectos da vida do Território. São o meu contributo para a localização, muito embora alguns estejam já ultrapassados. Devem pois ser entendidos no tempo. Alguns desses poemas são musicáveis e foram apresentados em reuniões de amigos, ajudando a animar habituais convívios.

Tenho plena consciência que a sua criação não foi, nem poderia ter sido, dadas as minhas limitações, um trabalho sério. Foi, quando muito, pelo menos para mim, um passatempo divertido.

O facto, porém, de alguns desses poemas terem vindo a público, rompendo o círculo da privacidade a que estavam votados, levou-me a aceder à sugestão de os publicar.

Aos meus Amigos dedico esta compilação na esperança que a sua leitura lhes permita recordar agradáveis momentos que juntos passámos, em roda de amigos.

Aliás, foi esta particularidade que gerou o título do presente trabalho, vindo a público precisamente quando completo vinte e oito anos de Macau (28.09.1993).”

Agradecendo o autor, António Júlio Emerenciano Estácio, português de Guiné-Bissau e engenheiro técnico agrário de profissão, que há 8 anos atrás gentilmente enviou-me um exemplar e cujos poemas têm contribuído para algumas postagens, publico três deles com desenhos de Leonel de Barros>

Estátua Ferreira do Amaral. Desenho de Leonel de Barros

Estátua Ferreira do Amaral. Desenho de Leonel de Barros

A ESTÁTUA

– O Ferreira do Amaral,

No seu cavalo montado,

Foi um herói nacional,

No bronze imortalizado.

– Numa postura elegante

A estátua permaneceu

Como presença marcante

Na praça que a acolheu.

Era bem a expressão

Da força e do poder

Com a determinação

Da vontade de vencer.

– Na Revolução Cultural (1)

Quiseram-na derrubar

Mas Ferreira do Amaral

Resistiu sem vacilar.

– Mas um dia o Lou Ping,

Ao falar para os jornais,

Disse ser chegado o fim

Dos símbolos coloniais.

– Foi o recado entendido

Para o Ferreira do Amaral

E um plano foi urdido

Para o levar para Portugal.

– Foi precedida a remoção

Duma revolta incontida.

Gerou-se até discussão

Nem sempre bem entendida.

– Sem qualquer dignidade

Foi a estátua apeada

Não podendo, é na verdade,

A História ser negada.

– Não respeitar valores

Pertença de outro país,

É próprio dos ditadores

E um presságio infeliz.

Macau aos 08.11.92 – (1)Em 1966

Templo A-Má. Desenh de Leonel de Barros

Templo A-Má. Desenho de Leonel de Barros

A DEUSA A MÁ  

– Em tempos que já lá vão

Houve um dia um tufão

Foi um grande temporal,

Muitos barcos se afundaram

Pois poucos aguentaram

A força do vendaval.

– Numa pobre embarcação

Decidira o capitão

Certa jovem transportar,

E quando o barco aportou

Em santa se transformou

Lançando um divino olhar.

– Nessa pequena enseada

Numa encosta abrigada

Ergue-se o templo de A Má,

Lugar de culto e oração

Para a população,

É o mais velho que há. 

– Aliás, em seu redor,

Voltado ao Porto Interior,

Foi que Macau nasceu,

Tendo desde a fundação

Tido logo a protecção

Que a deusa lhe concedeu.

– Com telhados recurvados

Os pavilhões separados

Aos poucos foram crescendo,

Nos altares queima-se incenso

Que liberta um cheiro intenso

E vai tudo enegrecendo.

– Em dias de Ano Novo

Enche-se o templo de povo

Há oferendas e orações,

Todos vão bater cabeça

Não há ninguém que se esqueça

De lá ir queimar panchões.

– Os rudes homens do mar

Entram nele para rezar

Com enorme devoção,

Pois desde os tempos remotos

Foram eles os mais devotos

De entre a população.

– E nunca vão para o mar

Sem para o tempo voltar

A sua embarcação,

Queimando panchões na proa

À deusa que os abençoa

Dando a sua protecção.

Macau aos 02.01.93

Desenho de Leonel de Barros

Desenho de Leonel de Barros

A ARMAÇÃO DE PESCA

– No Bom Parto, junto à marginal,

Havia, mesmo em frente à Fortaleza,

Uma rudimentar, mas funcional

Armação de pesca chinesa,

– Suspensa por quatro bambus compridos

A rede podia ser erguida ou baixada

Por meio de velhos cabos corroídos

Que partiam de ao pé da amurada.

– Quando a armação era erguida

O pescador, munido dum ganapão, (1)

Apanhava os peixes de seguida.

Hoje, já não existe a armação,

Pois o abrigo ardeu e foi abandonado

Estando o conjunto desactivado.

Macau aos 19.04.92

(1) Saco, de rede apertada, na ponta de uma cana comprida

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 723,128 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: