Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

Fernando Ramalho, dos melhores do hóquei de Macau nos anos 30/40

Artigo redigido por “Zeca” em 1983 e publicado na Gazeta Macaense, na época dirigida por Leonel Borralho, tendo Francisco Borralho como director-adjunto, cita Fernando Ramalho como “um (para não dizer o maior) dos maiores avançados centros macaenses no hóquei em campo”, isto nos anos 30/40. Vejamos:

Equipa de hóquei de Macau em 1938

Equipa de hóquei de Macau em 1938

FERNANDO RAMALHO

Quem, desde jovem, teve a curiosidade de acompanhar sempre as tardes brilhantes do Hockey Clube de certeza terá de se recordar de um dos mais completos jogadores macaenses — o Fernando Ramalho.

Recordamos quando íamos, todos os domingos, ao Campo da Caixa Escolar observar o Hockey Clube e começámos a admirar o RamaIho pela sua classe, as suas tintas e a sua colocação. Foi, sem dúvida alguma um (para não dizer o maior) dos maiores avançados centros macaenses no hóquei em campo.

Vamos recordar o ano de 1938. O Hockey Clube ia defrontar-se contra a equipa dos indianos da «Rajputana». Se não estamos em erro e se a memória não falha. O Hockey Clube apresentou a seguinte linha: Almada; Rigoberto Rosário e Armando Basto; José dos Santos Ferreira, Alex  Airosa e Laertes da Costa; Frederico Nolasco; Alberto Airosa; Fernando Ramalho, Amílcar e Hugo Rosário.

O desafio, tanto em pormenores técnicos como na velocidade, foi dos melhores que vimos. O perigo rondava a ambas as balizas. De repente os indianos, num ataque extremamente rápido, marcam o primeiro golo apesar da inútil tentativa de defesa do Almada.

Os rapazes de Macau reagem à procura do empate que aparece aos 20 minutos depois num lindo centro do Frederico que Ramalho aproveita para bater o guarda-redes indiano. Foi extraordinária a ovação do público.

Na segunda parte a toada foi repetida no tocante à velocidade. Os guarda-redes têm brilhantes intervenções. Há um canto curto. O canto é convertido — Airosa pára a bola com a mão e Ramalho faz o golo da vitória.

Foi a vitória mais festejada do Hockey Clube pois todos conheciam e sabiam a classe e a fama dos jogadores macaenses.

Vamos ver em 1938 o Ramalho no interport contra a fortíssima equipa de Hong Kong. Diga-se que, antigamente, a selecção de Hong Kong era composta de ingleses, alguns portugueses e indianos. Tinha óptimos valores individuais. É claro que faltava-lhes o conjunto. Macau, como sempre, era representada pelo Hockey Clube. Nesse jogo saímos aborrecidos pois Macau tinha perdido por 0-1 e o Ramalho nâo teve a sorte e nem a oportunidade de aplicar a sua forte e estupenda esticada. No entanto a vingança reservou-se para o ano de 1940 embora em 1939 o jogo fosse em Hong Kong e o resultado fosse de um empate a uma bola. Em 1940 quase foram as mesmas equipas que se bateram. Mas Ramalho jogou a extremo esquerdo deixando o lugar para o Pedrinho Ângelo que nessa tarde fez uma magnífica exibição. A linha avançada de Macau parecia uma máquina a trocar os passes e a abrir espaços.  3-1 foi pouco pois Macau merecia muito mais.

Ainda vamos a ver o Ramalho nos anos da guerra actuando como extremo esquerdo e a fazer grandes desafios nos interports não oficiais. No final recordamos vê-lo num desafio contra a «Navy» uns meses após os ingleses terem recapturado Hong Kong. O Hockey Clube nessa altura tinha já o Ritchie como avançado-centro. Mas o Ramalho ainda jogou e patenteou ao público jogadas extraordinárias e ainda soube aplicar o seu forte «back hand» fazendo três golos a favor de Macau que venceu pela margem de 8-0.

Como jogador foi extraordinário e como desportista exemplar. Muitas tardes de glória deu ele ao público que muitas vezes aplaudiu as suas jogadas.

Nunca mais ouvimos falar nele mas na verdade foi um dos mais completos jogadores do Hockey macaense.

Zeca

Equipa dos indianos da «Rajputana»

Equipa dos indianos da «Rajputana»

* Extraído do recorte de jornal do acervo do saudoso Rigoberto Rosário (pai) citado no artigo, e gentilmente cedido por Rigoberto “Api” Rosário Jr. Meus agradecimentos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 893.551 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de Macau de Todos os Tempos (02)

Imagens que trazem saudosas lembranças daquela Macau que não existe mais, mas que permanece viva na nossa memória e nas fotografias a seguir publicadas de forma aleatória, a procurar dar uma descrição a confirmar ou corrigir. O que vale mesmo é o que se diz – recordar é viver! As fotos são dos anos 50 […]

Memórias de Macau de Todos os Tempos (01)

Nesta postagem do que poderia chamar de uma série “Memórias de Macau de Todos os Tempos”, remetendo-me a um vídeo que publiquei no YouTube (vide no final), publico umas fotos antigas recolhidas ao acaso do meu extenso acervo, ora já publicadas no site (inativo) do Projecto Memória Macaense, ou não, e também já republicadas por […]

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

%d blogueiros gostam disto: