Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Ela é destaque no Encontro Macau 2013

Foto do Jornal Ponto Final (Macau)

Iana Assumpção. Foto do Jornal Ponto Final (Macau). Tradução da camiseta (camisola): “Fique calmo e converse em patuá (de Macau)”

“Carioca da gema” e “macaense da gema” de 21 anos, já diretora cultural e esportivo da Casa de Macau do Rio Janeiro, Iana Assumpção ganha destaque na imprensa de língua portuguesa de Macau e nas conversas do grupo “Conversa entre a Malta” no Facebook. Isto por ocasião do Encontro das Comunidades Macaenses Macau 2013.

Generosos adjetivos “a diva da malta” ou “Hou Leng Nui (moça bonita, em chinês)”, ou ainda “uma jovem lindíssima e super simpática ao jeito de uma Miss Mundo“, palavras escritas por “Falamau” da Silva, deixam a Iana a exclamar no seu comentário-resposta “OMG (Oh my God=ó meu Deus) que fardo estão a meter-me pá“.

Iana, nascida no Brasil, fruto de mistura entre macaense e brasileiro, é neta do “Acaio” d’Assumpção que é natural de Macau. Ganhou destaque pelos depoimentos nas entrevistas e na sua intervenção no colóquio promovido pela Associação dos Macaenses-ADM, que visou abordar o polêmico tema “Identidade Macaense”.  Tema esse que constantemente é abordado em Macau e nos diversos meios de comunicação, mas que nunca se chega a uma conclusão plausível ou genericamente aceita. Uma identidade que tem época e origem, e que vai se adaptando à medida da evolução da vida e das vivências, mais ainda, após a transição de Macau para a China. Uma adaptação de teoria nem sempre aceita por parcela dos filhos da terra. Uma coisa para se falar por horas e incontáveis páginas.

Acho que não são só macaenses os que nascem e vivem em Macau. Há muita gente da diáspora que ama Macau e que faz por merecer fazer parte desta cultura, que a promove. São macaenses também, mesmo não tendo nascido lá”, assim diz Iana ao jornal Ponto Final. “O diferencial faz-se em casa. Em casa é que se passa a cultura, tem de ter uma base da família. O meu avô e a minha mãe é que me passaram essa cultura macaense que eu defendo com unhas e dentes”, complementa neste outro trecho da entrevista.

Procurando explicar a falta de participação de jovens nas atividades das Casas de Macau, Iana diz ao Ponto Final “a maioria dos mais velhos, bisavós e tetravós acabaram falecendo, e os avós e pais não estão passando esse interesse”. “Eu vejo que a casa do Rio [de Janeiro] está correndo sério risco, então eu tento divulgar o mais possível. Mas é difícil atrair os jovens a quem os pais não passaram essa cultura.”. Mesmo com este depoimento, por algumas atividades vistas em fotos no site da Casa do Rio, até que se tem visto número razoável de jovens em algumas festas, algo raro nos dias de hoje, a exemplo de São Paulo.

O Jornal Tribuna de Macau assim interpretou a sua fala: “a tentativa de encontrar uma definição “é prejudicial” porque “restringe” a identidade em vez de a tornar “ainda mais aberta”. Lamentou também a “falta de incentivo dos macaenses mais velhos” para atrair “gente mais nova”. “Acho que têm medo de perder o lugar que construíram, penso que é uma questão cultural, uma visão oriental, que respeito, mas hoje a comunidade macaense é cada vez mais pequena e se não passar o testemunho para os jovens vai-se perder, porque a maioria dos jovens não estão interessados”, lamentou.

A sua fala tem gerado comentários da “malta” tais como “papiou ui di bem (falou muito bem, em patuá)”, ou esse “um exemplo a seguir…pelos jovens. Parabéns beleza”, e esse “linda e inteligente….ui di (muito) capaz….”.  Outro comentário no grupo “Conversa entre a Malta”, na mesma publicação diz enfaticamente “muitos dos macaenses que nascem e vivem em Macau são menos “macaenses” do que os que estão fora que vivem e sentem mais Macau  … Se todos os que sentem o “ser macaense” nas veias contribuíssem um pouco e deixassem de lado outros assuntos sem interesse, então a ‘UNIÃO FAZ A FORÇA’. E se houver apoio do Governo tanto melhor!”.  Este blog preferiu omitir os nomes respeitando a privacidade dos membros do grupo.

Pela sua juventude, na flor dos 21 anos, a Iana ousou falar o que estava enrustido no seu coração. Infelizmente, o enfoque dado no tema é a pura realidade da nossa complexa e polêmica “comunidade macaense”, mas se abordado nesta postagem “vai longe … muito longe“.  Assim, Iana, parabéns pelas palavras e o seu destaque no Encontro das Comunidades Macaenses 2013, e com certeza muito sucesso fará na festa do II aniversário do grupo no Facebook “Conversa entre a Malta” na próxima sexta-feira.  Aproveito para dar os parabéns ao grupo CEAM pela comemoração que certamente participaria e faria cobertura para o blog se tivesse viajado para Macau, e à Iana, quem sabe, se bobear, vão te colocar a faixa de “Miss Encontro Macau 2013” … hehehe!

Iana de calças vermelhas no colóquio Identidade Macaense

Iana de calça vermelha no colóquio Identidade Macaense.  Foto Jornal Tribuna de Macau. Uma menininha no meio de muitos “gente grande”,  o que provoca reflexão  sobre as suas  ousadas palavras. Um “espelho” da nossa comunidade macaense. Eu, você, nós, envelhecidos, temos que ceder espaço aos mais jovens, ou até aos não tão jovens, ou os menos velhos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 671,750 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Viajar ao passado de Macau, dos belos tempos dos anos 60 e 70, é o que nos proporciona o vídeo “Macau 70”, produzido pela RTP Rádio e Televisão Portuguesa. A comemorar 70 anos, a RTP disponibilizou no seu website os arquivos para consulta ‘on-line‘ e Macau está presente numa das suas seções. Na apresentação do […]

%d blogueiros gostam disto: