Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

A culinária japonesa consegue o que a macaense almeja pela Unesco

Culinaria japonesa apresentacao

Mais uma culinária consegue ser reconhecida pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) como Patrimônio Cultural Intangível: a japonesa, de nome Washoku. O reconhecimento foi oficializado em 4 de Dezembro de 2013.

Três fatores foram considerados primordiais para esta classificação pelos especialistas da entidade: 1) O respeito aos sabores naturais dos insumos; 2)  apresentação visual; e 3) a saúde, já que é sabido que a culinária japonesa faz bem à saúde.  A Unesco considera que o Washoku é “uma expressão da diversidade cultural e comprovando a criatividade humana”.

Outras culinárias reconhecidas como Patrimônio Cultural Intangível são: a gastronomia francesa, a culinária mexicana tradicional, a dieta mediterrânea da Grécia, Espanha, Itália e Marrocos, o kashkak turco e agora, o washoku japonês. A gastronomia macaense está na fila para obter este reconhecimento.

Enquanto que outro item cultural de Macau, o Teatro em Patuá, também é candidata ao mesmo título, o Japão já obteve o reconhecimento em três das suas apresentações teatrais. proclamadas como Obras Primas do Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade,  que são: 1) Nôgaku ou Noh, musical clássico que data deste o século XIV; 2) Teatro Kabuki, que existe desde 1603 e é conhecida pela estilização de seu drama e pela elaborada maquiagem suada por alguns de seus executores; e 3) Bunraku, conhecida também como ningyo joruri que é um teatro de fantoches, bonecos, que data desde 1684.

Pelo visto, o caminho para que estes dois itens culturais macaenses, que têm origem desde os tempos da Macau sob administração portuguesa, têm um longo trajeto e árdua tarefa a cumprir, para alcançar o tão almejado reconhecimento pela Unesco. Vamos aqui torcer para sejam bem sucedidos, dure o tempo que for necessário.

O que é Patrimônio Cultural Intangível?

O Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade, também chamado Património Cultural Intangível da Humanidade é uma distinção criada em 1997 pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura para a proteção e o reconhecimento do patrimônio cultural imaterial, abrangendo as expressões culturais e as tradições que um grupo de indivíduos preserva em respeito da sua ancestralidade, para as gerações futuras.

Definição: “a totalidade das criações baseadas em tradição de uma comunidade cultural expressa por um grupo ou por indivíduos e reconhecidas como refletindo as expectativas de uma comunidade na medida em que reflete a sua identidade cultural e social”.

É amplamente reconhecida a importância de promover e proteger a memória e as manifestações culturais representadas, em todo o mundo, por monumentos, sítios históricos e paisagens culturais. Mas não só de aspectos físicos se constitui a cultura de um povo.

Há muito mais, contido nas tradições, no folclore, nos saberes, nas línguas, nas festas e em diversos outros aspectos e manifestações, transmitidos oral ou gestualmente, recriados coletivamente e modificados ao longo do tempo. A essa porção intangível da herança cultural dos povos, dá-se o nome de patrimônio cultural imaterial.

São exemplos de patrimônio imaterial: os saberes, os modos de fazer, as formas de expressão, celebrações, as festas e danças populares, lendas, músicas, costumes e outras tradições.

A cada dois anos são escolhidos os bens a partir das candidaturas apresentadas pelos países signatários da Convenção para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial. A primeira lista de bens inscritos foi divulgada em 2001, seguida por outras duas, em 2003 e 2005, totalizando 90 bens imateriais inscritos.  Mais 76 elementos foram adicionados em 30 de setembro de 2009, durante a quarta sessão do Comitê. (Wikipedia)

* fontes e imagem: http://www.portalnikkei.com.brhttp://www.istoejapao.com, e Wikipedia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 893.479 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de Macau de Todos os Tempos (02)

Imagens que trazem saudosas lembranças daquela Macau que não existe mais, mas que permanece viva na nossa memória e nas fotografias a seguir publicadas de forma aleatória, a procurar dar uma descrição a confirmar ou corrigir. O que vale mesmo é o que se diz – recordar é viver! As fotos são dos anos 50 […]

Memórias de Macau de Todos os Tempos (01)

Nesta postagem do que poderia chamar de uma série “Memórias de Macau de Todos os Tempos”, remetendo-me a um vídeo que publiquei no YouTube (vide no final), publico umas fotos antigas recolhidas ao acaso do meu extenso acervo, ora já publicadas no site (inativo) do Projecto Memória Macaense, ou não, e também já republicadas por […]

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

%d blogueiros gostam disto: