Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Na Indonésia a ilha de Flores mantém resquícios de colonização portuguesa há 500 anos

Ilha das Flores Indonesia (05)

Uma postagem no Facebook chamou atenção para a reportagem da RTP (Rádio e Televisão Portuguesa) sobre a ilha de Flores, na Indonésia, com o título “No maior país muçulmano do mundo existe uma ilha católica onde ainda se reza em português“. Neste link, poderão ver um vídeo onde mostra a população católica, que afirma ter boa convivência com os muçulmanos, a rezarem a “Ave Maria” em português, mesmo após os portugueses terem deixado esta possessão há mais de 200 anos e que é vizinha de Timor-Leste.

A imaginar se isto poderia um dia acontecer com Macau, 200 anos depois após a transição, com uma minúscula comunidade ainda a rezar o Pai Nosso e Ave Maria em português, em uma igreja católica, exemplo, a Paróquia de São Lourenço.

Vamos ver o que apurei sobre a ilha em pesquisa na web.

Imagem de Wikimedia Commons - Flores Bena traditional village.jpg

Vila de Bena, em Flores – fonte: Wikimedia Commons

Ilha de Flores (Indonésia) – conforme a Wikipedia

Flores é uma ilha da Insulíndia. Faz parte das Pequenas Ilhas de Sonda, um arco insular com uma área estimada de 14.300 km² estendendo-se para leste da ilha Java na Indonésia. Flores está localizada a leste de Sumbawa e Komodo, e a oeste de Lomblen (ou Lembata) e do Arquipélago Alor. A sudeste fica Timor. A sul, além do estreito de Sumba, fica Sumba e a norte, para lá do Mar das Flores, fica Celebes (ou Sulawesi). Foi possessão portuguesa desde do século XVI a XIX, tendo sido cedida aos holandeses em 1856 juntamente com as restantes ilhas de Sonda.

Fonte: Wikimeda Commons - COLLECTIE TROPENMUSEUM Ruines van een Portugees fort uit de 16e eeuw op Poelau Ende Midden-Flores TMnr 10001790.jpg

O que sobrou do antigo forte português – Fonte: Wikimeda Commons – COLLECTIE TROPENMUSEUM Ruines van een Portugees fort uit de 16e eeuw op Poelau Ende Midden-Flores TMnr 10001790

Geografia

A costa ocidental da ilha é um dos poucos lugares do mundo, para lá da ilha de Komodo, onde vive o dragão-de-komodo em estado selvagem. Outro animal endémico é o rato-gigante-de-flores. No passado, a ilha teria abrigado cegonhas cuja altura equivaleria à de um homem adulto.

Em Setembro de 2003 foram descobertos esqueletos fósseis de uma espécie de hominídeo, previamente desconhecida, na gruta Liang Bua na parte ocidental da ilha. O Homo floresiensis, também conhecido pelo nome carinhoso de hobbit, aparenta ser uma versão pequena do Homo erectus com aproximadamente um metro de altura.

Cultura

Em Flores falam-se diversas línguas, todas elas da família das Línguas austronésias. No centro da ilha, nos distritos de Ngada e Ende, encontra-se aquilo que é conhecido como a cadeia de dialectos do centro de Flores (do inglês Central Flores Dialect Chain ou Central Flores Linkage). Dentro desta área existem pequenas diferenças linguísticas em quase todas as localidades. São identificáveis pelo menos seis línguas diferentes. Estas são, de oeste para este: Ngadha, Nage, Keo, Ende, Lio e Palu’e, que é falada na ilha do mesmo nome ao largo da costa norte de Flores. Seria possível adicionar a esta lista ainda o So’a e o Bajawa, embora os antropólogos os considerem dialectos da língua Ngadha.

Os comerciantes e missionários Portugueses estabeleceram-se nesta ilha no século XVI, principalmente nas regiões de Larantuka e Sikka. A sua influência é ainda hoje discernível no falar e na cultura de Sikka.

Estátua de Jesus em Maumere, Flores - fonte: Wikimedia Commons

Estátua de Jesus em Maumere, Flores – fonte: Wikimedia Commons

Religião

A população de Flores é católica na sua quase totalidade, consequência de em Larantuca ter sido fundada uma das primeiras missões abertas pelos dominicanos portugueses, em finais do século XVI.

Todos os anos é celebrada a Semana Santa, que mantém a terminologia portuguesa e muitos dos costumes específicos da celebração desta cerimónia em Portugal. Grande parte da população católica sabe ainda hoje rezar em português antigo, apesar de o falar correcto da língua portuguesa já se ter perdido na região. Muitas destas tradições são mantidas pela Confraria de Nossa Senhora do Rosário que ao longo de quatro séculos presiste, continuando a chamar-se Confreria Reinha Rosari.

Na Indonésia 89% dos cerca de 250 milhões de habitantes são muçulmanos. A ilha das Flores entre os cerca de um milhão de habitantes, 85% são católicos.

* fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Flores_(Indon%C3%A9sia)

MAIS INFORMAÇÕES SOBRE A ILHA DE FLORES

 O blog East Timor Linguistics reproduz o texto de autoria dos padres Gregorius Olapito Wuwur e Paulus Tolang sobre a situação da língua portuguesa na ilha de Flores, que foi publicado no  Boletim de Estudos Crioulos. Suplemento de Papia, n°1, 1994, Brasilia. A postagem é de Davi Albuquerque, veja:

“O padre Gregorius Olapito Wuwur SVD (Góris), natural dos arredores de Larantuka, deu algumas informações sobre os resquícios de português ainda encontráveis na ilha de Flores, sobretudo em Larantuka e Maumere (Sikka). Trata-se basicamente de reminiscências lexicais, muitas delas relacionadas com o catolicismo. A língua de Gregorius é o lamahólot, e é nela que são usados esses itens lexicais. O padre Paulus Tolang também ajudou com seu depoimento. Ele é da ilha de Alor onde, segundo seu depoimento, se falam 54 línguas. A sua língua materna é o snáing”.

Segue o texto integral Resquicios de Portugues na ilha de Flores (Indonésia) de Pe. Gregorius Olapito Wuwur e Pe. Paulus Tolang:

1. Introdução

No ano de 1512 os portugueses chegaram à Indonésia e começaram a colonização. Mas a colonização dos portugueses na Indonésia durou pouco tempo porque os holandeses os expulsaram. Os portugueses chegaram na Indonésia por Jakarta – Makasar – Ternate e Tidore (nas Molucas). Depois disso, eles foram para a região de Flores (Solor, Larantuka e Maumere) e Timor. Eles ficaram nesta região muito tempo, mas depois o rei Hassan Hudin com os muçulmanos, de Makasar, os expulsaram, e eles foram para Oecusse (Timor). De Oecusse eles foram para Dili (Timor Leste). Por isso, até hoje existem algumas palavras portuguesas ainda em uso na região.

2. Palavras portuguesas na língua indonésia

Só umas poucas palavras entraram na língua indonésia. Por exemplo:

bangku ‘banco’

bibliotek ‘biblioteca’

gereja ‘igreja’

jendela ‘janela’

kapela ‘capela’

katedral ‘catedral’

meja ‘mesa’

minggu ‘domingo’

paroki ‘paróquia’

pasear ‘passear’

3. Expressões portuguesas usadas na região de Larantuka e Maumere (em lamahólot e snáing):

a. Dias da semana (usados até hoje):

Segunda-fera, tersa-fera, kwarta-fera, kinta-fera, sesta-fera, sábadu, domingo.

b. Nomes próprios:

Da Silfa, Da Gomes, Joanes Ribéra, Pârera, Da Cuña, Da Lopez, Carvalo, De Rosari, De Ornai, Rita.

c. Relação familiar:

Tio/tia, cuñadu/cuñada, pa (pai), ma (mãe), nina (menina), siñu Da Gomes (senhorzinho Gomes, no sentido de pequeno ou de carinho), nina Da Gomes (senhorita Gomes, no mesmo sentido).

d. Catolicismo:

Prosesi (procissão), Reña Rosari (santa padroeira de Larantuka), Tuang Mâ (Nossa Senhora), Tuang Deo (Deus), San Domingu, San Juan, konféria (confraria), gereja (igreja), katedral, kapela, paroki, cruz, promesa, kristang (cristão), missa, paji (padre), tuang paji (teu padre, senhor padre).

e. Termos do dia-a-dia:

pasear, jandela, meja, bangku, kadéra, garfu, sâpátu, almari (armário), sem (sem), nyora (senhora), statua (estátua), berok (barco), minyoka (minhoca), redaku, sândál (sandália), ose (você), senyor (senhor: para pessoas que têm autoridade ou para os mais velhos), espada, kamija (camisa), mamonti (prato cheio, como um “monte”), tésta.

Em Timor Leste, muitas pessoas usam a língua portuguesa na conversação do dia-a-dia. Aproximadamente 50% das palavras são portuguesas, mas misturadas com palavras do tetum (língua da região). Mas, na ilha de Flores, só na região de Larantuka e Maumere ainda se usam palavras portuguesas. Especificamente em Larantuka, o grupo da Konféria sempre usa a língua portuguesa nas orações e no seu boletim.

*Fontes: http://easttimorlinguistics.blogspot.com.br/2011/05/lingua-portuguesa-em-flores-indonesia.html

veja também http://easttimorlinguistics.blogspot.com.br/2011/05/lingua-portuguesa-na-indonesia.html

e estes: – Páscoa portuguesa numa ilha indonésia no http://www.publico.pt/portugal/noticia/pascoa-a-portuguesa-numa-ilha-indonesia-1589535

Ilha de Flores, Indonésia com história no http://www.almadeviajante.com/viagens/indonesia/flores.php

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 707,179 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: