Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

“Bastiana” canção tradicional de Macau interpretada por Sete Lágrimas

Sete Lágrimas - foto da página oficial no Facebook

Sete Lágrimas – foto da página oficial no Facebook, com Filipe Faria, Rui Silva, Tiago Matias e Sérgio Peixoto

A canção que bem representa aquela Macau dos velhos tempos dos nossos pais e avós é “Bastiana”. Pouco ouvimos dela, e nem sabemos o seu autor. Cantada em patuá, dialecto de Macau, foi gravada em CD pelo Coral Dinamene, e agora, grata surpresa, graças a uma postagem no grupo “Conversa entre a Malta” no Facebook, vim a descobrir esta bela versão de mais longa duração.

O vídeo publicado no You Tube pelo Auditório Vita do consort Sete Lágrimas, de Lisboa em Portugal, traz como título “Música no Claustro III – Sete Lágrimas: Bastiana (tradicional Macau)”, tem duração de 4m.27s.  Sensível, muito linda (gira), perfeitamente desenvolvida com variantes de interpretação, teve a sua execução aumentada para uma música que originalmente dura pouco mais de um minuto. Quero imaginar-me assistindo a apresentação naquelas antigas igrejas, castelos portugueses ou em prédios históricos.  Deve ser coisa de arrepiar e de forte emoção.

BASTIANA
Quin quêrê amôr, Bastiana,
Prêcisa considérá
Amôr nunca sam brinco, Bastiana,
Pêgá torná largá
Quin quêrê pâ iôo, Bastiana,
Tánto ancusa lôgo dá
Apa, mútchi, côco, Bastiana
Pipis, cátuapá
Iôo quêrê pâ vôs, Bastiana,
Vôs quêrê pâ ôtro;
Dêus lôgo cástigá, Bastiana,
Fazê vosso ôlo tôrto.
Arvrê di papaia, Bastiana,
Pê já nàcê rabo,
Vêlo, velo olá rapariga, Bastiana
Boca còrê babo

Sob a direcção artística de Filipe Faria e Sérgio Peixoto, Sete Lágrimas é um dos mais inovadores consorts europeus, especializados em música antiga e contemporânea, que procura, a cada programa, o diálogo entre a ancestralidade e a contemporaneidade da arte musical e explora a ténue fronteira entre a música erudita e as tradições seculares

Fundado no ano 2000, em Lisboa, sob o nome L’Antica Musica, apresenta-se pela primeira vez em 2001 com a estreia nacional e integral do “Primeiro Livro de Madrigais para Duas Vozes”, de Thomas Morley (1595).

A convite do Centro Cultural de Belém (CCB) alcança o estatuto de Consort Associado da Temporada 2011/2012 com a apresentação de três concertos no Pequeno Auditório desta prestigiada instituição, para além de dois concertos do Festival “Dias da Música” de 2012.

* fonte: partes do texto de apresentação do Sete Lágrimas extraídas da sua página no Facebook:  https://www.facebook.com/setelagrimas/info

foto da página oficial do Sete Lágrimas no Facebook

foto da página oficial do Sete Lágrimas no Facebook

Texto de apresentação do vídeo no You Tube pelo Auditório Vita:

“As grandes navegações portuguesas dos séculos XV e XVI e o processo de expansão colonial subsequente abriram novos caminhos de comunicação e de intercâmbio cultural entre a Europa e o mundo, nos quais Portugal foi indiscutivelmente pioneiro. Não se tratou – importa sublinhá-lo sem equívocos – de um processo idílico e harmonioso de mero diálogo intercultural: foi marcado, como todos os colonialismos em todas as épocas da História da Humanidade, pela violência, pela agressão militar, pela ocupação territorial, pela exploração económica, pelo tráfico de escravos, pela intolerância religiosa. Mas desde cedo evidenciou, por outro lado, da parte dos colonizadores portugueses, uma curiosidade pela diferença cultural que contrasta com o hermetismo das matrizes civilizacionais de outros imperialismos europeus posteriores, como o francês, o holandês, ou em particular o britânico. A elevada taxa de miscigenação étnica que desde logo marcou as sociedades coloniais portuguesas, consequência prática, é verdade, de uma reduzida presença de mulheres europeias nas primeiras expedições, mas ao mesmo tempo sinal de um desejo menos reprimido pelo preconceito racial, foi acompanhada de uma vontade evidente de provar as cozinhas locais e os seus ingredientes exóticos, do fascínio pelos motivos decorativos dos tapetes, cerâmicas e porcelanas de cada região, da tentação de experimentar canções e danças com ritmos e melodias diferentes e sedutores. A dominação colonial portuguesa procurou, certamente, impor em cada território ocupado uma matriz idêntica à das práticas artísticas e culturais do Reino, em particular as associadas ao Catolicismo, mas não só soube adaptar essa matriz aos materiais específicos disponíveis em cada zona como não hesitou em incorporar em si mesma muitas das facetas das expressões artísticas com que se foi deparando, terra a terra, continente a continente. De todas as potências coloniais europeias, Portugal foi sem qualquer dúvida aquela em cuja Cultura se integraram mais influências asiásticas, africanas e sul-americanas, e o império colonial português revelou-se assim um espaço de intensa circulação, interacção e fusão de modelos culturais.”

* Site oficial do Sete Lágrimas: http://www.setelagrimas.com/programas/diaspora.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 723,128 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: