Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

Macau ou Aomen, eis a questão

Foto de Wong San publicada no Jornal Tribuna de Macau

Protesto contra a pretensão de troca do nome de Macau para Aomen, no Largo do Senado. Foto de Wong San publicada no Jornal Tribuna de Macau

Um grupo, lá sei quem, talvez de chineses, iniciou um movimento no Facebook querendo mudar o nome de Macau para Aomen. Até no GPS aparecia Aomen no lugar de Macau.  Daí, aparecem uns ativistas, também chineses, em defesa do nome de Macau.  Em comunicado enviado à imprensa de Macau, estes membros do grupo “Consciência de Macau” declararam: “o nome ‘Macau’ representa a fusão de culturas ocidentais e orientais que torna a nossa cidade única entre outras cidades chinesas. Qualquer alteração do nome sem o nosso consentimento constitui um insulto para a identidade dos residentes de Macau”.

Fecho os olhos e imagino um conto de ficção, em que um grupo de chineses defendem o legado português. Mas é verdade! Bonito. Pena que o grupo talvez não existisse ainda quando virou meia-noite no dia da transição, momento em que, tristemente assistimos a destruição de símbolos portugueses em vários prédios públicos.  Quem sabe eles teriam tentado impedir, dentro do conceito acima.

Aomen, em mandarim, a língua oficial da China, refere-se a Macau.  Em cantonense, o chinês falado em Macau, Hong Kong, e principalmente no Sul da China, Macau é chamado de Ou Mun.  Naturalmente e compreensivelmente, o chinês não chama Macau de Macau. Muitos nem saberiam pronunciar. Mas, oficialmente e para o mundo, querer que se troque o nome de Macau por Aomen, desculpem-me, é sacanagem.  Ainda bem que não conta com apoio governamental, embora talvez haja uma ala radical, que bem conhecemos, que querem mesmo exterminar o legado português.

Embora, eu aqui, do outro lado do mundo, não conheça este grupo “Consciência de Macau”, nem Jason Lao e Scott Chiang (foto) que apareceram carregando cartazes com o nome Aomen riscado, no ato realizado no Largo do Senado nesta semana.  No entanto, é louvável a atitude deles e os termos do comunicado acima.  Meu reconhecimento!

Quem nasceu em Macau ou Hong Kong, sabe que os chineses residentes destas duas cidades ex-coloniais têm orgulho próprio, e se diferenciam dos seus patrícios além das fronteiras.  Temem o avanço da influência do Continente, o que se faz sentir gradativamente, parte influenciado pelos milhões de pessoas que vão lá fazer turismo, motivo de aflição dos residentes.  É quase que um turismo selvagem.  O dialecto cantonense está ameaçado e quem sabe vai ter o mesmo destino do patuá ao longo de anos em Macau, assim parodiando.

A propósito, sabiam que Aomen é o nome de uma ilha a 12 kms noroeste da ilha de Bikini, Atol de Bikini, nas Ilhas Marshall no Oceano Pacífico? Isto soube da Wikipedia, e na pesquisa no Google vi que existe um site chamado Aomen Tv que trata logo de explicar que é de Macau.

Conforme consta do Jornal Tribuna de Macau e do Hoje Macau, o grupo rebelde e contrário ao legado português já recuou, em vista das iniciativas do “Consciência de Macau”, e o termo Aomen já foi alterado nas páginas do Facebook. Macau voltou!

Particularmente, não achei nada a respeito, mas fico feliz que pelo menos esta batalha foi ganha. Fiquem atentos que outras virão! Pois imaginem só, passaríamos a ser aomenenses ou aomenistas. Este blog seria chamado de Crônicas Aomenenses, ou Projecto Memória Aomenense, ou os jornais seriam, Jornal Tribuna de Aomen ou Hoje Aomen. Ou quem sabe, as Casas de Macau seriam Casas de Aomen. Sinceramente, simplesmente ridículo e hilariante! Vamos parar logo com isso, ò turma rebelde do Facebook. Cresçam!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 13/02/2014 por em Nome Macau e marcado , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 881.084 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de Macau de Todos os Tempos (01)

Nesta postagem do que poderia chamar de uma série “Memórias de Macau de Todos os Tempos”, remetendo-me a um vídeo que publiquei no YouTube (vide no final), publico umas fotos antigas recolhidas ao acaso do meu extenso acervo, ora já publicadas no site (inativo) do Projecto Memória Macaense, ou não, e também já republicadas por […]

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

No almoço especial do Ano Novo chinês realizado na Casa de Macau de São Paulo em 18 de Fevereiro de 2018, o macaense José Noronha, 83 anos, andava a mostrar uma foto antiga para algumas pessoas que tinham mais ou menos a sua idade. Procurava ele matar as saudades dos velhos tempos em Macau. Macaense […]

%d blogueiros gostam disto: