Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

“Cerca de 70% dos jovens da comunidade macaense já não falam português”

Artigo publicado no Jornal Tribuna de Macau traz uma revelação pública de Miguel Senna Fernandes de algo já sabido, ou que se percebia, a respeito da língua portuguesa em Macau: “cerca de 70% dos jovens da comunidade macaense já não falam português“.

Logo lembrei-me do comentário de um conterrâneo residente em São Paulo.  Ele, macaense da gema, ao voltar da viagem ao Encontro das Comunidades Macaenses, em conversa, lamentava que seus sobrinhos não sabem falar português.  A comunicação entre eles era só feita em chinês. Devem se enquadrar nesses 70%.

Penso que fatores como a transição da soberania de Macau, de Portugal para a China, além da consequente diminuição da população falante da língua portuguesa e a presença chinesa em todas as atividades públicas e privadas, ou a extinção de escolas portuguesas como a Escola Comercial, o Liceu, Seminário, Dom Bosco, entre outros, tenham contribuído.  Seriam suposições já que daqui do Brasil, do outro lado do mundo, pouco pude acompanhar a evolução da vida em Macau desde a minha partida em 1967. Na época falava-se o chinês sem a fluência que hoje se verifica entre muitos macaenses residentes. Uns diziam que o chinês que falávamos naquela época era de “empregada doméstica“, ou o chinês básico e simples.

A verdade é que o futuro da língua portuguesa em Macau parece-me sombria, e como diz o Miguel, tem fôlego enquanto houver interesses comerciais da China com os países lusófonos.  Caminha-se naturalmente para o mesmo destino de Malaca ou da antiga Índia portuguesa. A língua inglesa, universal, certamente será e já é em muitos casos, como nos cassinos, o substituto desta 2ª língua oficial de Macau.  Afinal, há um conceito que aquele que fala o português também fala o inglês.  Isso deu todas as provas nos Encontros das Comunidades Macaenses que participei, quando por conveniência ou para facilitar as coisas somente se falava o inglês em várias situações, apesar dos esforços de se falar o português também noutras vezes.

Nas minhas viagens a Macau tenho percebido que muitos macaenses, mesmo falantes do português, comunicavam-se com frequência entre si em chinês.  Julgo uma força de costume, já que se vive numa cidade com quase 99% de população de língua chinesa e praticamente o meio de comunicação no dia a dia.

Aliás, enquanto se fala no crescimento da presença de língua portuguesa no mundo, no momento em que irá se realizar no Brasil a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos, e respeitada a participação de Portugal em outras atividades, a língua portuguesa ou a lusofonia é apenas figurativa em certas situações.  Vejamos por exemplo os Jogos da Lusofonia realizados na Índia, por conta das antigas colônias portuguesas de Goa, Damão e Diu.  De Lusofonia era quase só o nome  com a língua inglesa a dominar a comunicação, salvo a presença de atletas portugueses e simbolicamente do Brasil com meia dúzia de participantes.  Neste ponto, os governos do Brasil ao longo do tempo têm-se preocupado pouco com a lusofonia, muitas vezes simbolicamente.  O esforço vem mais de particulares.

Sinceramente não creio que haja futuro para a língua portuguesa em Macau. Sucumbirá com a velha geração e se hoje especula-se que 70% da nova geração macaense residente não fale o português, com certeza este índice subirá para 90% ou mais daqui a 10 anos, ou até em menos tempo. No entanto acredito que mesmo assim, alguns resistentes ainda continuarão na luta pela sua preservação, e uma das coisas que me agrada ver é o bom uso da língua portuguesa de uma forma geral no grupo “Conversa entre a Malta” no Facebook.  Administrado por macaenses residentes em Macau o português é praticamente a sua língua oficial.

A comunidade macaense residente em Portugal e no Brasil têm o seu peso de responsabilidade pela manutenção da língua portuguesa como sua identidade, já que é a língua oficial dos países mesmo com as suas diferenças linguísticas, mas não deixa de ser o português. Disso insisto muito em São Paulo que temos que superar as nossas divergências pessoais, reagrupar a nossa dispersa comunidade, que não é pequena, e para isso oferecer condições desprezando regras e normas que impedem uma renovação e participação de seus membros em muitas situações por conta desta ou aquela qualificação. Temos que refletir para o bem da comunidade em geral sem qualquer espécie de distinção.

Vejamos então o que diz o Miguel nesta reportagem do Jornal Tribuna de Macau na edição de 24/02/2014:

Miguel Senna Fernandes JTM

Foto publicada no Jornal Tribuna de Macau

“Macaenses estão a perder oportunidade de ouro”

A identidade macaense está todos os dias em perigo, alertou Miguel Senna Fernandes em entrevista à Rádio Macau, ao lamentar que cerca de 70% dos jovens da comunidade já não falem português.

Miguel Senna Fernandes lançou um repto à comunidade macaense para que aposte na aprendizagem da língua portuguesa. “Os macaenses estão a perder uma oportunidade de ouro. É uma pena que a comunidade macaense no seu todo não abrace esta causa e volte a apostar no português”, disse em entrevista à Rádio Macau.

Para o presidente da Associação dos Macaenses (ADM), a identidade da comunidade enfrenta riscos constantes. “No dia em que o macaense deixar de querer ser diferente, então ele deixou de ser macaense para se integrar noutras coisas. Todos os dias temos esse perigo”, alertou.

No entanto, Miguel Senna Fernandes manifestou-se convicto de que o futuro da língua portuguesa em Macau está assegurado enquanto Pequim apostar no reforço de laços com os países lusófonos. “Vai sobreviver enquanto durar esta política de aproximação entre a República Popular da China e os países da lusofonia. Não estou a ver como não sobreviver. Macau vai ter de falar português de novo. Os macaenses vão ter de falar português de novo”, argumentou.

O presidente da ADM exortou ainda os portugueses que chegam a Macau a comunicar mais. “A falta de comunicação com os locais faz deles autênticos ilhéus. Isto é muito mau. Há muita gente que vem cá e fala mal de Macau, da comida, das pessoas. Falam mal de tudo. Criticam tudo. Mas não procuram saber o que há de bom nesta terra”, disse.

Na mesma entrevista, Miguel Senna Fernandes enalteceu o apoio do líder da RAEM à comunidade macaense, mas lançou fortes críticas ao Executivo: “O Governo não decide como deve decidir. Eu sempre esperei que o Governo fosse mais corajoso em determinadas matérias. Mas o Governo não faz, e está muito aquém do que eu esperava que o Governo pudesse fazer”.

Considerando que a actuação de Chui Sai On “ficou aquém” das expectativas, o mesmo responsável lamentou a “hesitação” do Executivo em “implementar certas coisas”, como na área da habitação. “É gritante relegar a resposta para a resolução do problema às leis de mercado, isso é tão falacioso como outras coisas mirabolantes que podemos imaginar”, frisou, acusando ainda a Assembleia Legislativa de estar a ser transformada numa “caixa de ressonância”.

* Fonte:  http://jtm.com.mo/local/macaenses-estao-perder-oportunidade-de-ouro/#sthash.Iwq5MIZm.dpuf

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 24/02/2014 por em Língua portuguesa em perigo e marcado , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 662,927 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Viajar ao passado de Macau, dos belos tempos dos anos 60 e 70, é o que nos proporciona o vídeo “Macau 70”, produzido pela RTP Rádio e Televisão Portuguesa. A comemorar 70 anos, a RTP disponibilizou no seu website os arquivos para consulta ‘on-line‘ e Macau está presente numa das suas seções. Na apresentação do […]

%d blogueiros gostam disto: