Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Macau: a lenda das escadarias das Ruínas de São Paulo

Igreja de Madre Deus (atual Ruínas de São Paulo). Desenho de George Chinnery

Igreja de Madre Deus (atual Ruínas de São Paulo). Desenho de George Chinnery

A LENDA DAS ESCADAS DE SÃO PAULO

Um texto de João Guedes inserido no artigo – O Património Esquecido – da Revista Macau de Junho 1993

Macau foi, desde os primórdios, uma colónia fundada por comerciantes navegadores e administrada pelos Jesuítas. Não é por acaso que o primeiro bispo local pertenceu à Companhia de Jesus nem que S. Francisco Xavier (um dos fundadores da Companhia) morreu a poucas milhas do Território.

A Companhia de Jesus investiu, nesses séculos da prata e da seda, tudo quanto tinha em Macau na convicção de que poderia converter a China. Nessa esperança ergueu a Igreja e a Universidade de S. Paulo e, também a Fortaleza do Monte. Cobrou 1 por cento sobre a carga bruta das naus que aportavam à cidade e constituiu um tesouro considerável, não só em ouro ou prata mas também em saber e inteligência, erguendo a primeira universidade da Ásia e a sua primeira biblioteca.

Subitamente, os tempos mudaram em Portugal. O Marquês de Pombal subiu ao poder e decidiu acabar com a influência dos Jesuítas, cuidando pouco da sua importância numa longínqua colónia como era Macau, banindo-os de território nacional. A lei de expulsão chegou, no entanto, ao Território bastante tempo depois das notícias que a davam como certa. Isso permitiu que a Companhia se preparasse para o embate, pondo a salvo os seus bens. Quando o governador recebeu o decreto ministerial ordenando a prisão dos padres, estes deixaram-se prender, mas as salas da velha Universidade de S.Paulo encontravam-se vazias sem nada para confiscar. Isso constituiu espanto para os militares que cumpriram a ordem real, habituados a ouvir falar das riquezas de que os jesuítas dispunham, dos cálices em ouro e prata que usavam nas cerimónias litúrgicas de S. Paulo e nas procissões e da famosa biblioteca — de que não viam rasto. Na casa forte, edifício fronteiro às escadarias da Igreja da Madre de Deus, onde tinham a certeza de encontrar grandes riquezas, nada havia que valesse a pena. Os padres foram remetidos a ferros para Goa, mas quanto às lendas e boatos nada ficou a confirmá-los.

Tudo isto deu origem à lenda  sobre o esconderijo secreto do tesouro dos Jesuítas, uma biblioteca imensa, desaparecida em dois segundos, não podia ser…

Ruinas.S.Paulo.apos.incendio

Antigamente

Assim é que, cerca de um século e meio depois da expulsão da Companhia, um inglês que ouviu falar na lenda pediu ao Governo de Macau autorização para levantar as escadas da Igreja de S. Paulo a fim de descobrir as salas secretas que estariam sob elas, onde se encontraria a rara biblioteca e os tesouros dos Jesuítas. Sensatamente, o Governo local recusou a oferta do inglês, mantendo a escadaria em pedra tal como estava quando foi construída.

Mas, afinal, o que foi feito do espólio dos Jesuítas? Permanecerá ainda em salas subterrâneas secretas sob as escadarias de S.Paulo? Não se sabe ao certo. O que se conhece é que três volumosos caixotes contendo documentos e livros da Companhia foram descobertos na Torre do Tombo de Madrid por um investigador na década de 60. Os caixotes tinham sido enviados de Macau, na sequência da expulsão dos Jesuítas ao tempo do Marquês de Pombal, para Manila e, dali, para a capital espanhola. Por outro lado as recentes escavações efectuadas na Igreja de S. Paulo que encontraram algumas salas desconhecidas sob as ruínas, não descobriram qualquer corredor que levasse aos tais compartimentos secretos alegadamente existentes sob as escadarias, os quais (ainda segundo a lenda) comunicariam através de galerias com o antigo cais do Porto Interior. Quanto à galeria que a elas daria acesso a partir do pátio da Mina (junto à Rua de Nossa Senhora do Amparo) há muito que se encontra entaipada, tornando-se difícil e dispendioso desbravá-la. Por isso, a lenda sobre a grande biblioteca da Ásia permanece.

Macau Ruinas de Sao Paulo (03)

Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2010

As escadarias são sempre o palco para fotografia em grupo nos eventos

Membros da Casa de Macau de São Paulo no Encontro de 2010

Membros da Casa de Macau de São Paulo no Encontro de 2010

encontro.ruinas.19

As bandeiras das Casas de Macau no Encontro de 2010

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 664,926 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Viajar ao passado de Macau, dos belos tempos dos anos 60 e 70, é o que nos proporciona o vídeo “Macau 70”, produzido pela RTP Rádio e Televisão Portuguesa. A comemorar 70 anos, a RTP disponibilizou no seu website os arquivos para consulta ‘on-line‘ e Macau está presente numa das suas seções. Na apresentação do […]

%d blogueiros gostam disto: