Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Goa: missão impossível

A invasão de Goa pela Índia poderia ter tido um desfecho diferente, ou não teria acontecido em Dezembro de 1961? Pois parece, se tivesse ocorrido uma interferência eficiente da China.  É o que explica o texto abaixo:

GOA: MISSÃO IMPOSSÍVEL

Um texto de RICARDO PINTO inserido no seu artigo – Comunicação Social: Dois Séculos de Expansão – publicado na Revista Macau de Agosto de 1993

Goa missao impossivel (02)

Adriano Moreira: um telex para Macau

7 de Dezembro de 1961. As tropas indianas estão às portas de Goa, prontas para a invasão. A diplomacia portuguesa desdobra-se em contactos junto dos seus aliados, para que sirvam de intermediários e demovam o governo de Nova Deli de uma acção armada. Mas as respostas não são suficientemente tranquilizadoras. Em desespero de causa, o Ministro do Ultramar envia um telex ao Governador de Macau:

É gravíssima a situação de Goa. Haveria vantagem jornais urgente sobretudo afectos China dissessem que acção contra Goa justifica plenamente acção China contra União Indiana e explorarem contradição atitude Governo União. MNE pede Vexa ver pode fazer alguma coisa nesse sentido“.

Recebido o apelo do Ministro Adriano Moreira, o Governador Silvério Marques não perde tempo. Num despacho dirigido ao CIT, Centro de Informação e Turismo,  requer um “estudo urgente e cuidadoso do assunto por forma a ser-me presente hoje uma informação sobre a melhor forma de levar a efeito o que se contém neste pedido“.

Um fac simile deste telex e do posterior despacho é publicado por José Freire Antunes, no livro Kennedy e Salazar, o Leão e a Raposa. Mas dos resultados desta iniciativa, pouco se sabe. Tanto mais que desapareceram já alguns dos principais intervenientes. Adam Lee, o jornalista há mais anos em actividade em Macau, desconhece o assunto: Nessa altura, em 1961, eu ia diariamente ao CIT à procura de notícias — e ninguém me fez qualquer pedido desse género. Aliás, o único episódio que recordo relacionado com Goa foi a expulsão de Macau de um casal de indianos, que motivou explicações pouco convincentes do director do CIT. Mário Isaac, e que na altura criou alguns problemas entre os jornais e o governo.

Adam Lee era então repórter do jornal Si Man Pou, tudo menos próximo de Pequim. Pelo contrário, defendia por regra as teses do regime nacionalista de Taiwan. Mas, ao que parece, também o Ou Mun lat Pou, esse sim ligado às autoridades comunistas da RPC, não se deíxou sensibilizar por eventuais apelos do Governador de Macau. Diz Chan Su-wing, um dos actuais sub-editores:

Não tenho conhecimento de nenhum pedido ao jornal relativamente a essa questão. O que posso dizer é que a invasão de Goa mereceu uma breve referência no Ou Mun — e nada mais.

Contactado pela revista MACAU, o então Ministro do Ultramar, Adriano Moreira, confessou nunca ter sido informado sobre os resultados da iniciativa:

Durante 48 horas, mantiveram-se abertas as linhas da Marconi, numa operação cara e difícil para a época. Mas nunca soube se os jornais de Macau publicaram o que tinha sido pedido.

clicar na imagem para ampliar

clicar na imagem para ampliar

O Governador de Macau, Jaime Silvério Marques, não deixou no entanto de enviar a Pequim um seu representante, para sondar as autoridades chinesas sobre a possibilidade de cooperação mútua face ao inimigo comum — nessa altura, a China estava envolvida em escaramuças com a União Indiana, devido a um contencioso fronteiriço anda hoje não resolvido. Em troca do apoio militar de Pequim, o governo de Lisboa propunha-se ceder facilidades logísticas em Goa às forças amadas da RPC. E Ho Yin, líder da comunidade chinesa de Macau trouxe de Pequim notícias que na altura pareceram encorajadoras:

Embora não tenha dado uma resposta concreta, o primeiro-ministro Chou En Lai mostrou-se interessadíssimo na colaboração que lhe fora proposta. Só que pensava haver muito tempo pela frente, pois Nehru não atacaria Goa tão cedo. Para ser franco, essa era também a nossa opinião, relembra Adriano Moreira.

Puro engano. No dia 18 de Dezembro, as tropas indianas invadiam o enclave de Goa, Damão e Diu, assegurando uma rápida vitória militar sobre o contingente português ali estacionado.

Em Macau, a imprensa portuguesa noticiou o ataque de forma apaixonada. reflectindo a indignação oficial. Quanto aos jornais chineses, breves referências apenas a um tema que rapidamente fariam cair no esquecimento, ignorando assim o S.O. S. emitido pelo Governador da Colónia. Se é que alguma vez esse apelo desesperado chegou aos seus destinatários.

clicar na imagem para ampliar

clicar na imagem para ampliar

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 956.420 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

O ‘Dia do Patuá’ festejado pela Comunidade Macaense dos EUA

O ‘Dia do Patuá’ festejado pela Comunidade Macaense dos EUA

‘A promoção do ‘Dia do Patuá’ é um esforço para preservar o dialecto na Comunidade Macaense da Califórnia, nos Estados Unidos da América do Norte’ é o que define Henrique Manhão da Casa de Macau dos EUA. Diz, conciliando com o pensamento de outros membros da comunidade presente, ‘enquanto houver apoio de Macau, o patuá não […]

Recordação de uma festa na Macau de 1953

Recordação de uma festa na Macau de 1953

Jorge Giga Robarts, macaense residente em Portugal, atendendo ao pedido de um conterrâneo, identifica as pessoas que estão numa fotografia enviada, informando ter sido tirada em Dezembro de 1953 em Macau. A 2ª imagem com legenda e que lista as pessoas da foto, foi editada para apenas mostrar o que escreveu quanto à identificação, excluindo […]

Memórias de Macau de Todos os Tempos (02)

Memórias de Macau de Todos os Tempos (02)

Imagens que trazem saudosas lembranças daquela Macau que não existe mais, mas que permanece viva na nossa memória e nas fotografias a seguir publicadas de forma aleatória, a procurar dar uma descrição a confirmar ou corrigir. O que vale mesmo é o que se diz – recordar é viver! As fotos são dos anos 50 […]

%d blogueiros gostam disto: