Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Macau: o misterioso crânio da Santa Casa de Misericórdia

Eis um mistério em Macau, relatado em 1993, que não sei se persiste até hoje. Para ser sincero, nunca estive no interior da Santa Casa de Misericórdia, o que espero fazer numa próxima viagem de saudades a Macau.  Veja o texto:

Macau Santa Casa cranio.(01)

UM CRÂNIO CONTROVERSO

Texto de JOÃO GUEDES inserido no seu artigo – O Património Esquecido – publicado na Revista Macau de Junho de 1993

A Santa Casa da Misericórdia ostenta hoje (em 1993) na sua sala de sessões, junto à parede oeste, um pequeno relicário em madeira negra contendo no interior um crânio. Atrás do relicário repousa uma cruz encaixilhada. Este conjunto, ao que diz a tradição, pertenceu ao fundador da Misericórdia, do Leal Senado e do Hospital dos Pobres, o bispo D. Melchior Carneiro Leitão.

O mistério gerado em torno desta figura da Renascença mantém-se ainda hoje (em 1993), embora se saiba bem (ou pelo menos com algum pormenor) a sua biografia. Nascido em Coimbra, em 1515, (ou 1516), ingressou na Companhia de Jesus, tendo sido confessor (ao que se diz também) de Santo Inácio de Loyola. Chegou a Macau em Junho de 1568. Sagrado em Goa,  bispo de Niceia, deveria ter seguido para o Japão mas, afinal, acabou a meio caminho como S. Francisco Xavier.

A atentar no erudito José Caetano Soares, o relicário da Misericórdia é “um tanto espúrio”, mesmo quando, em 1905, a mesa da Santa Casa decidiu colocar as relíquias na Sala Nobre e um busto em granito do dito bispo na varanda (cimalha), busto esse da autoria de um ignoto condutor das Obras Públicas de nome Cassuso que ninguém actualmente sabe quem foi (provavelmente, também, poucos saberiam na altura) as dúvidas não se dissiparam.

José Caetano Soares que, à condição de investigador acrescentava a de médico e director clínico do Hospital de S. Rafael, escreveu o seguinte: “Mesmo sem olhar a elementares aspectos antropológicos — ângulo facial muito fechado, largo eixo malar, baixo índice cefálico por exígua capacidade craniana, dados que uma vez colhidos, talvez não deixassem de levantar a dúvida quanto a tal crânio ser sequer de indivíduo europeu, outras razões mais simples haverá ainda para a negativa do que se pretende mostrar”.

Caetano Soares termina o seu relatório médico legal afirmando que 3 séculos e meio decorridos, com 250 anos de sepultura pelo meio, não permitem receber tais ossos como originais.

Seja como for, mesmo que o carbono 14 corrobore as opiniões do Dr. Soares, para a tradição de Macau, os ossos guardados no relicário que guarnece a parede ocidental da sala de sessões da Santa Casa da Misericórdia de Macau (que quase ninguém conhece) hão-de ser sempre os do primeiro bispo de Macau — mesmo que ninguém acredite.

Macau Santa Casa cranio (3)

Buto de D.Melchior, na varanda do edifício de Santa Casa

Macau Santa Casa cranio.(2)

Sala de Santa Casa dominada pelo retrato de D.Melchior Carneiro sobre as relíquias.

Santa Casa de Misericórdia

Santa Casa de Misericórdia

Um comentário em “Macau: o misterioso crânio da Santa Casa de Misericórdia

  1. Pingback: Macau: o misterioso crânio da Santa Casa de Misericórdia | AICL – Ass. Int'l dos Colóquios da Lusofonia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.465.767 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Hoje, 24 de Junho de 2022, comemora-se 400 anos de “A Maior Derrota dos Holandeses no Oriente” na sua tentativa de tomar Macau dos portugueses. Até a transição de soberania de Macau, de Portugal para a República Popular da China, em 20 de Dezembro de 1999, a data era comemorada como “DIA DE MACAU” ou “DIA DA […]

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

%d blogueiros gostam disto: