Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Colonização de Macau pelos portugueses, numa narrativa de Leonel Barros

O saudoso Leonel Barros costumava escrever suas crônicas no Jornal Tribuna de Macau aos sábados.  Em 5 de Julho de 2005, escreveu a respeito da chegada dos portugueses a Macau onde se estabeleceram e administraram o território até 20 de Dezembro de 1999.

Com uma linguagem clara, fez um relato resumido da colonização até 1935, época em que ocorreu o incêndio da Igreja São Paulo, hoje conhecida como Ruínas de São Paulo. Tem especial finalidade para os amigos que pouco conhecem a história de Macau.

Esta é a minha terra natal que deixei em 1967:

Mapas antigas de Macau (11)

MACAU E O SEU PORTO

Artigo de Leonel Barros publicado no Jornal Tribuna de Macau em 05/Julho/2005

Leonel Barros

Leonel Barros

Muito antes da chegada dos portugueses — os homens do oceano ocidental, como eram conhecidos pelos chineses — Macau era apenas um pequeno porto que servia de abrigo dos pescadores na época dos tufões e também local de esconderijo de piratas do mar da China e japoneses. O nome porque era conhecida e ainda hoje se conhece “Ou Mun”, significa “porta da baía”.

Na ponta da Barra e no templo que ali existe ainda se venera a deusa “A-Má”, padroeira dos “homens do mar”. Este templo chinês parece que foi edificado antes da dinastia Ming, que durou de 1368 a 1644.

Descoberto o caminho marítimo para a índia após dobrado o Cabo da Boa Esperança por Vasco da Gama em 1498, os portugueses espalharam-se por todo o Oriente.

Parece que foi em 1516, sob a dinastia dos Ming que as primeiras naus portuguesas fundearam no pequeno porto de Macau após terem sofrido alguns danos com a passagem de um violento tufão que atingiu o Mar da China.

Os portugueses estabeleceram-se definitivamente em terra aí pelo ano de 1557, organizando uma feitoria, como tantas outras semeadas no Oriente pela mão lusitana, de entre as quais a ilha de D João, próxima de Macau, célebre por ter sido o local onde foi sepultado S Francisco Xavier, o Apóstolo das Índias. O consentimento para se fixarem em Macau foi o prémio dado aos portugueses por terem livrado a zona dos piratas.

Foi assim que Macau nasceu e logo depressa cresceu, chegando a tornar-se o maior empório do comércio na China, vindo mais tarde a ser designada como “Pérola do Oriente”. Os navios que iam ao Japão buscavam no florescente porto, poiso seguro, enquanto aguardavam ventos de monção que os levasse até Nagasaki. Entretanto com os marcantes portugueses chegavam também os missionários que entraram pela China pregando o Cristianismo.

Por volta do ano 1644 acabava a dinastia Ming, triunfando a dos manchus e para esta se inclinaram os portugueses, seguindo o mesmo rumo político que o grande Albuquerque tinha traçado ao dominar toda a costa desde Ormuz até Malaca, uma das “chaves” do Oceano Índico.

As primeiras casas foram construídas no local onde hoje fica o Patane. Sobranceira à nascente povoação erguia-se a pequena igreja de Santo António, junto da colina, onde a tradição diz que – a “Bíblia” da Pátria Portuguesa.

O casario estendia-se cada vez mais para as bandas da Colina do Monte, em cujo sopé foi edificada em 1755 a igreja chamada de São Paulo, dedicada à Mãe de Deus. A fachada monumental, trabalhada por artistas vindos do Japão foi adaptada a igreja, em 1602 e a sua traça é atribuída ao apóstolo e mártir Bento Carlos Spínola.

Este templo, bem como o colégio anexo, foram destruídos, quase na sua totalidade, por um incêndio em 1935, ficando apenas de pé a fachada, vigorosa e dominadora, e a grandiosa escadaria em pedra que lhe dá acesso. Deste recinto sagrado seguiram os primeiros missionários a evangelizar a China e o Japão.

Mapas antigas de Macau (10)

 

Ruinas.S.Paulo.apos.incendio

A Igreja de São Paulo após o incêndio, tornando-se em ponto turístico e conhecido hoje como Ruínas de São Paulo

A Igreja de Santo António em 1920 (foto do livro Álbum Macau 1844-1974)

A Igreja de Santo António em 1920 (foto do livro Álbum Macau 1844-1974)

Macau Gruta de Camões postais gravuras (05)

Camões compôs  em Macau alguns cantos dos Lusíadas. Gruta de Camões

 

 

Anúncios

Um comentário em “Colonização de Macau pelos portugueses, numa narrativa de Leonel Barros

  1. Obrigado.es muito bonito conocer a historia de minha Terra.saudades

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 18/08/2014 por em Colonização/Leonel Barros, Macau e o porto.

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 707,399 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: