Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

“Toque de Silêncio (Taps)”, a sua origem e um momento para meditação

toque-de-silencio

Quem não se emociona ao ouvir o Toque de Silêncio, em inglês “Taps”? O toque daquela corneta solitária dedicado a homenagear os militares mortos, mas que a nós civis também nos faz lembrar os nossos entes e pessoas queridas já falecidas. Sempre uma ou mais lágrimas costumam molhar os nossos rostos.

Pois vamos conhecer a sua história, a sua origem. Veja também dois vídeos do You Tube, um na execução normal de corneta e outro aperfeiçoada pelo excepcional Andre Rieu numa apresentação da garota Melissa Venema acompanhada da sua orquestra,  e que teve mais de três milhões e meio de visualizações.

O histórico tem sido reproduzido em várias línguas e esta encontrada está em português. A autoria fica desconhecida pelas inúmeras reproduções.

O TOQUE DE SILÊNCIO (TAPS)

reprodução de texto localizado na internet em vários blogs

Toque de silêncio

Se alguém já esteve em um funeral militar e ouviu o Toque de Silêncio, agora vai conhecer seu significado.

Chamado Taps, nos dá um nó na garganta e faz muitos lacrimejarem. Mas o que ninguém conhece é a história desta canção.

Em 1862, durante a Guerra Civil Americana, quando o Capitão do Exército da União Robert Elly (o país estava dividido entre a União e os Confederados) estava com seus homens perto de Harrison’s Landing, no Estado da Virginia, e o Exército Confederado estava próximo a eles, do outro lado do terreno. Durante a noite, o Capitão Elly escutou os gemidos de um soldado ferido no campo. Sem saber se este era da União ou da Confederação, o Capitão decidiu arriscar sua vida e trazê-lo para receber cuidados médicos. Arrastando-se através dos disparos, o capitão chegou ao homem ferido e começou a arrastá-lo até seu acampamento. Quando o Capitão chegou finalmente às suas próprias linhas, descobriu que em realidade era um soldado confederado. Mas ele já estava morto.

O Capitão acendeu sua lanterna para, mesmo na penumbra, ver o rosto do soldado. De repente, ficou sem fôlego e paralisado. Tratava-se de seu próprio filho. O menino estava estudando música no Sul quando a guerra se iniciou. Sem dizer nada a seu pai, o rapaz havia se alistado no exército confederado. Na manhã seguinte, com o coração destroçado, o pai pediu permissão a seus superiores para dar a seu filho um enterro com honras militares, apesar de ele ser um soldado inimigo. O Capitão pediu se poderia contar com os membros da banda de músicos para que tocassem no funeral de seu filho. Seu pedido foi parcialmente aprovado.

Por respeito ao pai, disseram-lhe que podiam fornecer um só músico. O Capitão então escolheu um corneteiro para que ele tocasse uma série de notas musicais que encontrou no bolso do uniforme do jovem falecido. Nasceu assim a melodia inesquecível que agora conhecemos como Taps, e que tem até uma letra:

Day is done, gone the sun – O dia terminou, o sol se foi

From the lakes, from the hills, from the sky – Dos lagos, das colinas e do céu.

All is well, safely rest – Tudo está bem, descansa protegido,

God is nigh. – Deus está próximo.

Fading light dims the sight –  A luz tênue obscurece a visão.

And a star gems the sky, gleaming bright –  E uma estrela embeleza o céu, brilhando luminosa. From afar, drawing near – De longe, se aproximando,

Falls the night – cai a noite.

Thanks and praise for our days – Graças e louvores para os nossos dias

Neath the sun, neath the stars, neath the sky –  Debaixo do sol, debaixo das, estrelas, debaixo do céu,

As we go, this we know – enquanto caminhamos, isso nós sabemos,

God is nigh – Deus está próximo.

” Eu, filha de militar, ainda sinto calafrios de emoção cada vez que ouço o Toque de Silêncio (Taps), mas nunca soube que ele tinha uma letra. Nem sequer sabia a história da canção. Quando lembrar, recorde com carinho dos que não voltaram das guerras fratricidas. Faça uma meditação, ou uma oração, para os soldados de todo o mundo que entregam suas vidas inutilmente.

 

VÍDEO DO TOQUE DE SILÊNCIO (TAPS) TRADICIONAL DE CORNETA SOLITÁRIA

VÍDEO DE IL SILENZIO (TAPS) COM MELISSA VENEMA – ORQUESTRA DE ANDRE RIEU

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 28/08/2014 por em Toque de Silêncio/Taps e marcado , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 672,173 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Viajar ao passado de Macau, dos belos tempos dos anos 60 e 70, é o que nos proporciona o vídeo “Macau 70”, produzido pela RTP Rádio e Televisão Portuguesa. A comemorar 70 anos, a RTP disponibilizou no seu website os arquivos para consulta ‘on-line‘ e Macau está presente numa das suas seções. Na apresentação do […]

%d blogueiros gostam disto: