Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

“O Tufão”, um texto de obra premiada no IV Concurso de Literatura Colonial de 1932

Em 1932, o tufão em Macau foi objeto de um texto inserido na obra “O Caminho do Oriente”, de autoria de Jaime do Inso, que foi premiada no IV Concurso e Literatura Colonial.

Este texto que foi inserido no artigo “A Ira do Tempo” de Ricardo Pinto publicado na Revista Macau a edição de Setembro de 1994, vai publicado abaixo rigorosamente igual, com algumas palavras que vão estranhar. Para quem é de Macau e viveu esta fase do tufão na cidade naqueles tempos antigos, que até os anos 60, época que ainda lá vivia, vai relembrar esse clima de apreensão:

Tufão em Macau nos anos 30

Tufão em Macau nos anos 30

O TUFÃO

Texto extraído de O Caminho do Oriente, Jaime do Inso, 1932 (obra premiada no IV Concurso de Literatura Colonial) – Revista Macau Setembro 1994

Na fortaleza do Monte, e na Guia, tinha-se içado o último dos sinais de tufão, o peior, o mais terrível, constituído por uma sinistra cruz negra, que significa que o tufão está prestes a passar por cima de nós.

Ao mesmo tempo, ouviram-se os três tiros de prevenção, lúgubres, espaçados, ecoando pela cidade.

Havia muito que as últimas lorchas tinham vindo acolher-se, como gaívotas de asas abertas, ao abrigo do porto interior, e que as pobres tankareiras fugiram aterradas ao grito de «Tai-Fong!» — grande vento! — puxando nervosas ao «Liu-Liu» em busca de uma doca, um recanto, onde pudessem aguardar com mais esperança a fúria da destruição.

A população marítima de Macau é importante, contando mais de cincoenta mil habitantes que, na maior parte, não têm outra habitação além dos seus barcos, alguns dos quais uns pobres esquifes, os «tankás» onde, num prodígio de arrumação, vive uma família completa — mãi, pai e filhos — com a sua cosinha, as suas esteiras, o seu altar,..

Vem um tufão, e os pobresitos, que são aos centos, já sabem que alguns têm de ser sacrificados, pois que só por milagre escaparão todos àquela roleta da morte.

A China, até no furor das tempestades manifesta o seu cunho inconfundível e aterrador.

Um tufão, é qualquer coisa de estupendo, de monstruoso, a desafiar a estabilidade do mundo.

Desaparece a noção de segurança, e toda a Natureza se reveste de uma maldade tétrica e tão profunda que, ao pé dela, a tristeza que, mais ou menos, sempre paira no Oriente, chega a parecer uma alegria de invejar!

Com dias de antecedência, o terrível fenómeno meteorológico que, em geral, se forma muito ao largo, no Pacífico, vai dando sinal de si, por várias formas, ainda a centenares de milhas de distância.

A temperatura subindo e que asfixia, a cor do céu em fogo ao pôr do sol, a convergência das nuvens altas, ou cirros, em forma de penas — os «rabos de galo» — a pressão atmosférica cujas perturbações nas marés se vão acentuando à medida que o tufão avança, a altura das águas e, até, o aparecimento do chamado «bicho tufão» — tudo constitui outros tantos sinais percursores da passagem de tão indesejável fenómeno.

Além disso, a atmosfera, e todo o ambiente, revestem um tal aspecto de quietação sufocante, como que uma pausa ameaçadora da convulsão que se prepara, que o tufão, por assim dizer, se pressente num mal estar que nos aflige.

Içado o último dos sinais, e mesmo antes disso, tomam-se precauções especiais, tanto em terra como no mar.

Portas e janelas são trancadas para evitar que o vento as abra, o que poderia acarretar sérios prejuísos como, por exemplo, fazer saltar os telhados, e chegam a apagar-se todos os fogos, pelo perigo de incêndios a que ninguém poderia acudir.

A vida paralisa, as ruas ficam desertas à espera que o cataclismo passe e, para se fazer idéia da violência com o que o vento sopra, basta citar o facto sucedido uma vez, quando, tendo-se avariado as linhas telefónicas, foi preciso mandar um homem ao Monte, para onde teve de ir subindo de gatas, e onde chegou quási nu, porque o vento lhe tinha arrancado o fato aos pedaços!

No mar, paira sempre uma incerteza, — apesar dos cuidados, das amarras reforçadas e dos abrigos que se procuram — porque os golpes do tufão são traiçoeiros e difíceis de parar.

Com a antecedência possível, arriam-se os mastaréus, ferram-se os toldos, etc., e tudo se fecha e amarra, ficando o navio preparado para receber um dilúvio.

As máquinas prontas, um oficial — quando não é o Comandante—na ponte, e tudo a postos como se fosse a navegar.

A passagem de um tufão que vai sendo assinalado dia a dia, e até hora a hora, pelos observatórios do mar da China, trás sempre uma perturbação considerável em todos os pontos por onde passa, e que é acompanhada de prejuísos de toda a sorte, inclusive nas vidas.

Compreende-se pois, como a época dos tufões na China, de Junho a Outubro, não encontre paralelo nas nossas estações, e imprima mais um «fades» especial àquele clima, a que não faltam certos quadros duma grandiosidade tétrica.

Assim, uma vez, era em Cheong-Ma-Koc, no Rio do Oeste, e em véspera de tufão. O navio estava com os dois ferros, a meio do rio e em frente do pagode.

Veio o pôr do sol e o céu tomou o aspecto mais fantástico que se possa imaginar.

Não era céu, era um brazeiro, o poente a arder— uma loucura de fogo, uma fornalha incandescente, um vermelho de metal fundido ferindo a vista, desconcertando a imaginação!

Macau o tufao

Tenho visto muitos poentes lindos, emocionantes, desde os do Cabo da Boa Esperança, de reflexos típicos, nostálgicos, aos coloridos surpreendentes de Zanzibar, do Mar Vermelho, do Índico, até à delicadeza das cores do céu no Japão e à tristeza indízível de um sol de inverno na Sibéria; tenho visto no céu, maravilhosas pinturas de luz que chego a recordar com saudade, tanto elas me afectam e encantam.

Mas um pôr do sol assim, como aquele de Cheong-Ma-Koc — um quadro que tinha não sei quê de diabólico, de dantesco, línguas de fogo inverosimeis cobrindo três quartos do céu no maior incêndio imaginável, como se fosse o próprio céu a arder, irradiando cores impossíveis de reproduzir, que não há palavras que pintem, nem imaginação que possa fantasiar — um pôr de sol assim, nunca vi nem espero mais tornar a ver.

No dia seguinte, caiu a tempestade sobre aquelas terras da China, com todo o furor, e a velha Pátria, alterosa, sem que se lhe pudesse ter mão, foi garrando a pouco e pouco, e esteve em risco de ficar sepultada numa extensa várzea onde a água subiu tanto, que só restavam visíveis os últimos ramos das árvores.

Com um trabalho insano para toda a guarnição, e com a ajuda das máquinas, lá se foi palmilhando mais para meio do rio, quando o vento permitiu, e sempre com um ferro no fundo.

Só depois de passadas quatorze horas na ponte pude ver o navio, finalmente, em segurança, se bem que já muito a montante do pagode.

* Veja também a postagem “Macau 1874 o maior de todos os tufões”:  https://cronicasmacaenses.com/2014/09/18/macau-1874-o-maior-de-todos-os-tufoes/

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 20/09/2014 por em Tufão visão de 1932 e marcado , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 723,359 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: