Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

Passeio por Canela, cidade turística da Serra Gaúcha

Canela Igreja de Pedra 03.jpg

Catedral de Pedra – Catedral Nossa Senhora de Lourdes

Distante apenas sete quilômetros de Gramado, fica a cidade de Canela com seus atrativos turísticos, em especial a Igreja de Pedra eleita uma das sete maravilhas do Brasil em 2010. É um município do estado do Rio Grande do Sul, situado na região da Serra Gaúcha

Na nossa breve excursão de 4 dias para esta região, o 2º dia foi dedicado a passeios por Canela e Gramado. Mesmo pelo curto tempo, deu para visitar os principais pontos turísticos de Canela que vou contar nas fotos comentadas a seguir:

CANELA

(Fotografia de/photos by Rogério P.D. Luz – clicar nas fotos menores para ampliar)

Canela Igreja de Pedra 02

A 1ª parada foi na Catedral de Nossa Senhora de Lourdes localizada no centro de Canela. Totalmente revestida de pedra basalto, o motivo de assim ser chamada de Catedral de Pedra, foi eleita em 2010 como uma das sete maravilhas do Brasil. A sua construção teve início em 1953. De estilo gótico inglês, a igreja possui uma torre de 65 metros de altura e um carrilhão de 12 sinos de bronze fabricados na Itália.

Canela Igreja de Pedra 12

Em seu interior destacam-se três painéis que são telas pintadas pelo artista gaúcho Marciano Schmitz, retratando a “Aparição de Nossa Senhora”, a “Alegoria dos Anjos” e a “Anunciação”

Seus vitrais representam a ladainha de Nossa Senhora. O altar, cujo tema é a Santa Ceia, é uma obra de arte esculpida em madeira por Júlio Tixe, escultor uruguaio.

Canela Igreja de Pedra 08

Uma das gratas cenas na praça da Catedral foi a exibição do violinista Jurgen Wentz a tocar o seu raro violino Thomason Eberly de 1776 fabricado em Nápoles, uma herança por gerações.  Parecia algo cinematográfico, de uma combinação perfeita com a Catedral, irradiando um som que parecia um fundo musical para o belo cenário. Vendia cds e dvds de músicas variadas e populares de sua execução a um preço módico. Comprei quatro cds e pude comprovar a excelente qualidade e o seu talento musical. Parecia-me que o Jurgen (com dois pontos em cima do ‘u’) mais amava divulgar o seu talento e trabalho que obter ganhos financeiros com a venda de cds/dvds.

A HISTÓRIA DE CANELA (Wikipedia): A Serra Gaúcha foi habitada, antigamente, pelos índios caingangues. Nos séculos XVIII e XIX, estes foram desalojados violentamente por ação de matadores de indígenas, os chamados “bugreiros”. Estes foram contratados, pelo governo imperial brasileiro, para abrir espaço para a instalação de imigrantes europeus na região, visando a um “embranquecimento” da população brasileira, que, na época, era predominantemente negra ou mestiça . Ao mesmo tempo, a região era desbravada por descendentes de açorianos, os chamados “tropeiros”, que utilizavam a região para o descanso do gado.

Canela Cidade 09

Região central de Canela diante da Catedral

Um dos mais importantes destinos turísticos do Rio Grande do Sul, a cidade de Canela teve seu primeiro núcleo urbano formado em 1903, quando o coronel João Ferreira Corrêa da Silva se instalou no local. Foi sob sua organização que se construiu a estrada para Taquara, de cujo território Canela fazia parte, e se instituíram os principais serviços. A principal praça de Canela recebeu o nome em homenagem a esse desbravador. O clima saudável e as belezas naturais deram sustentação à procura da cidade como centro de veraneio desde os anos 1930 e especialmente a partir dos 1940.

Foi nessa época também que surgiu o movimento emancipacionista liderado por Pedro Sander, Nagibe da Rosa, Danton Corrêa da Silva, Attilio Zugno e Pedro Oscar Selbach. Em 28 de dezembro de 1944, a Lei Estadual 717 criou o município, que foi instalado quatro dias depois em 1º de janeiro de 1945. A estrada de ferro e as usinas de Canastra e Bugres colaboraram para consolidar a importância de Canela (Wikipédia)

O entorno da praça central e a placa (foto abaixo da direita) em homenagem ao desbravador João Ferreira Corrêa da Silva.

O Parque Caracol, distante 6 kms. do centro de Canela, foi o nosso 2º destino. Situado no Parque Estadual de mesmo nome, recebe grande número de turistas que até formou fila de carros para ingresso nele..

Parque Caracol

Parque Caracol

A sua atração, Cascata do Caracol, despenca em queda livre de 131 metros por rochas basálticas em plena mata fechada. Tem serviço de bondinhos que leva os turistas para a sua base, porém no dia não estava funcionando. Além disso, conforme divulgação, pode descer por uma escadaria com 720 degraus.

Canela Parquedo Caracol 02

Cascata do Caracol

Lá tiramos uma foto do grupo de excursão, que para felicidade do fotógrafo profissional, todos compraram uma cópia:

Canela Parque do Caracol 01

Grupo de excursão promovida pela Casa de Macau de São Paulo

Dentro do parque há barracas para comprar souvenirs, incluindo tapetes de couro que uma das nossas excursionistas acabou levando um por preço aceitável. Compramos o nosso também por um bom preço, no portal de Gramado.

Na saída, estava lá um ônibus Bus Tour que você pode contratar para seus passeios o dia todo em Canela e Gramado. Uma boa pedida para quem viaja por conta própria, pois para nos principais pontos turísticos.

Canela Geral 01

A próxima parada, após deixar o parque, foi no Castelinho Caracol que é uma das primeiras casas de Canela construída entre 1913 e 1915, com sistema de encaixes e parafusos, sem o uso de pregos.

Canela Casa Familia Franzen.Casteinho 01

Com pagamento de ingresso, você pode visitar o seu interior que é um museu com móveis e utensílios que pertenciam à família Franzen, e onde você pode apreciar um “Apfelstrudel” que dizem, o melhor da Serra Gaúcha. Se só interessar por ele, então peça na porta de entrada sem precisar entrar no recinto.

Canela Casa Familia Franzen.Castelinho 04

Área de visitação do Castelinho

A última parada em Canela, antes do almoço em Gramado, foi no Mundo a Vapor que é um parque temático que reproduz em miniaturas, em funcionamento, de usinas hidrelétricas, máquinas de ferragem, siderúrgicas, olarias, entre outras, nos tempos em que eram movidas a carvão e a vapor. Além de miniaturas, há algumas máquinas e locomotivas em tamanho real. E como sempre, há também uma loja de souvenir e espaço para degustação.

Canela Mundo a Vapor 01

O seu cartão postal é a fachada do prédio (foto acima) que reproduz em tamanho real o famoso acidente ferroviário acontecido em Paris, em 1895, quando uma locomotiva desgovernada cruzou em alta velocidade a estação de Montparnasse.

Canela Mundo a Vapor 03

Monitor opera e explica o funcionamento de uma metalúrgica na foto acima, e assim acontece em outras maquetes de miniaturas de maquinários, dando uma boa ideia de como operam os centros produtivos. Nas fotos abaixo, uma fábrica de papel à esquerda e um trator a vapor à direita.

Uma usina termoelétrica na foto abaixo à esquerda e uma locomotiva a vapor em tamanho real, à direita.

Canela Mundo a Vapor 02

À noite, fomos jantar na churrascaria Garfo e Bombacha que fica na estrada para o parque Caracol, a cerca de 5 km de Canela, que tem show de danças típicas gaúchas. A estrada vazia e bem escura fazia-me imaginar que pelo local tão isolado, devia ter ‘meia dúzia’ de pessoas, mas para surpresa, estava cheio de ônibus e vans e muita gente. Explica-se que é um destino de excursões e o público é só de turistas.

Na foto acima, ainda de dia, passamos pela churrascaria a caminho do parque Caracol. À direita, assim que você entra na churrascaria, assiste a uma palestra sobre o chimarrão que é uma bebida de origem indígena, ou seja, basicamente é um chá de erva-mate, quase um vício de muitos gaúchos ou naturais do Rio Grande do Sul.

A churrascaria é um galpão adaptado, cabendo centenas de pessoas e estava praticamente lotada. O churrasco é razoável sem nenhuma novidade, e como é preço único, você se serve à vontade com carnes, saladas e sobremesa. O espetáculo dura quase duas horas, até bastante longo, com variedades de danças que lembram os bailados portugueses também, além de exibições acrobáticas e homenagens às caravanas de turistas de todo Brasil, até de lugares longínquos como o Rio Grande do Norte a 4.000 kms de distância. No fundo, gostei, apesar de que, onde estava acomodado, tinha a visão parcialmente obstruída por um poste de suporte do telhado.

Canela Churrascaria Garfo Bombacha 04

Dança gaúcha, que também lembra bailado português

Outras vistas de Canela fotografadas a bordo do ônibus, no trajeto a locais de visita turística:

Fonte de consultas: Wikipédia e Paróquia de Canela

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 724,120 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: