Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

Macau na visão de um escolar há 20 anos atrás

Um trabalho escolar dos tempos de pré-transição da soberania de Macau de Portugal para a China, ocorrida em 1999, de um aluno, anônimo, do Centro de Difusão de Línguas, traz um texto que traduz a expectativa de um residente quanto ao futuro da sua terra. Foi escrito para as comemorações do Dia 10 de Junho (Dia de Portugal) de 1995:

Aquarela/aguarela de Georges Smirnoff de 1945. Coleção do Museu de Arte de Macau

Macau. Aquarela/aguarela de Georges Smirnoff de 1945. Coleção do Museu de Arte de Macau

MACAU

(texto de 1995)

Não é um nome de ninguém. Não é um nome surpreendente. Macau é uma cidade pequena situada no sudeste da China. Quatrocentos anos atrás, quando o primeiro comerciante português chegou a Macau para fazer negócios com a China, a História dos portugueses em Macau começou.

Vindo 1999, em Macau, a soberania vai mudar de Portugal para a China. Contudo, a cultura, os negócios e as histórias dos portugueses não vão desaparecer.

Embora Macau fosse colónia dum país ocidental, manteve as tradições próprias. O Ano Novo Chinês, o dia do barco do Dragão, o dia de Finados (Cheng Ming) ainda se festejam todos os anos.

O tipo de vida de portugueses e chineses, é claramente diferente. Macau dá oportunidade para as duas culturas coexistirem, para se falarem simultaneamente as duas línguas e para as duas raças conviverem. Macau é uma cidade multiétnica. Macau é um lugar interessante. Macau é a nossa casa.

*Fonte: Livro “Macau di nôs-sa coraçám” edição patrocinada pela Fundação Macau e oferecida aos participantes do III Encontro das Comunidades Macaenses de 1999.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 867.211 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de Macau de Todos os Tempos (01)

Nesta postagem do que poderia chamar de uma série “Memórias de Macau de Todos os Tempos”, remetendo-me a um vídeo que publiquei no YouTube (vide no final), publico umas fotos antigas recolhidas ao acaso do meu extenso acervo, ora já publicadas no site (inativo) do Projecto Memória Macaense, ou não, e também já republicadas por […]

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

No almoço especial do Ano Novo chinês realizado na Casa de Macau de São Paulo em 18 de Fevereiro de 2018, o macaense José Noronha, 83 anos, andava a mostrar uma foto antiga para algumas pessoas que tinham mais ou menos a sua idade. Procurava ele matar as saudades dos velhos tempos em Macau. Macaense […]

%d blogueiros gostam disto: