Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Macaense colaborou na criação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro no século XIX

Jardim Botânico do Rio de Janeiro (Wikimedia Commons)

Jardim Botânico do Rio de Janeiro (foto deWikimedia Commons)

Quando visitar o Jardim Botânico no Rio de Janeiro, saiba que um macaense contribuiu para a sua criação no século XIX, nos anos de 1809 e 1812.

A publicação ‘Educação em Macau’ editada para o VIII Encontro da Associação das Universiades de Língua Portuguesa AULP, realizado no território ainda sob administração portuguesa em 1998, traz um breve relato a respeito. E, a Wikipédia bem que confirma, embora discretamente, no histórico sobre o parque.

Acrescenta aquela publicação que, nos séculos XVII e XVIII, o fascínio pelas “cousas da China” nos tempos da coroa portuguesa no Brasil, está implicitamente associado ao nome de Macau.

Vejamos:

Imagem da publicação Exposição em Macau.

Imagem da publicação Exposição em Macau.

“Foi por Macau que o Brasil foi conhecendo o longínquo e fascinante Império da China e o fabuloso e desejado Oriente.

E foi um macaense, o Senador Botado de Almeida, quem deu um decisivo contributo ao enriquecimento botânico do Brasil e à criação de seu Jardim Botânico, criado por alvará de 1 de Março de 1811, segundo o Barão do Rio Branco.

Fugido da Ilha de França, o Senador macaense, com mais alguns portugueses, aportava à baía de Guanabara em Junho de 1809, num navio carregado de sementes exóticas,”as primeiras espécies vindas do estrangeiro”.

Eram “vinte caixotes de plantas exóticas, e árvores de especiarias”, que foram de imediato remetidas para a Real Quinta e “para o jardim da Lagoa de Freitas”.

De volta a Macau, Botado de Almeida enviou para o Rio, em 1812. um lote de sementes de arbusto do chá.”

Imagem da publicação Exposição em Macau

Imagem da publicação Exposição em Macau

A referência a esta contribuição macaense na enciclopédia livre Wikipédia está neste trecho do histórico sobre o Jardim Botânico:

“… Em termos administrativos, o alvará de 1 de março de 1811 “Cria a Real Junta de Fazenda dos Arsenais, Fábricas, e Fundição da Capitania do Rio de Janeiro e uma Contadoria dos mesmos Arsenais (…) dirigindo também um estabelecimento de um jardim botânico da cultura em grandes plantas exóticas que mando que se haja de formar na dita fazenda da Lagoa (…).”

No ano seguinte (1812), chegaram, ao Real Horto, as primeiras mudas de chá (Camellia sinensis, planta denominada anteriormente como Tea viridis), enviadas de Macau pelo senador daquela colônia portuguesa no Extremo Oriente, Dom Rafael Botado de Almeida. Visando dinamizar essa cultura, em 1814 o Príncipe-regente faz trazer para trabalhar no jardim um grupo de cerca de 300 chineses.”

Jardim Botânico do Rio de Janeiro (Wikimedia Commons)

Jardim Botânico do Rio de Janeiro (Wikimedia Commons)

Esterografia do Imperial Jardim Botânico do Rio de Janeiro (William Bell, 1882) Wikimedia Commons

Esterografia do Imperial Jardim Botânico do Rio de Janeiro (William Bell, 1882) Wikimedia Commons

Jardim Botânico do Rio de Janeiro (Wikimedia Common

Jardim Botânico do Rio de Janeiro (Wikimedia Common)

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 971.538 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Em Macau, a Procissão da Morte de Cristo é novamente realizada em 2019

Em Macau, a Procissão da Morte de Cristo é novamente realizada em 2019

PROCISSÃO DA MORTE DE CRISTO EM MACAU – 2019 Texto e fotos de Manuel V. Basílio (Macau) Integrado no programa religioso da Semana Santa, realizou-se na sexta-feira do passado dia 19 de Abril, a Procissão da Morte de Cristo, também designada por Procissão do Enterro do Senhor.  Naquele dia, o tempo estava instável, com períodos […]

O ‘Dia do Patuá’ festejado pela Comunidade Macaense dos EUA

O ‘Dia do Patuá’ festejado pela Comunidade Macaense dos EUA

‘A promoção do ‘Dia do Patuá’ é um esforço para preservar o dialecto na Comunidade Macaense da Califórnia, nos Estados Unidos da América do Norte’ é o que define Henrique Manhão da Casa de Macau dos EUA. Diz, conciliando com o pensamento de outros membros da comunidade presente, ‘enquanto houver apoio de Macau, o patuá não […]

Recordação de uma festa na Macau de 1953

Recordação de uma festa na Macau de 1953

Jorge Giga Robarts, macaense residente em Portugal, atendendo ao pedido de um conterrâneo, identifica as pessoas que estão numa fotografia enviada, informando ter sido tirada em Dezembro de 1953 em Macau. A 2ª imagem com legenda e que lista as pessoas da foto, foi editada para apenas mostrar o que escreveu quanto à identificação, excluindo […]

%d blogueiros gostam disto: