Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

A ideia da construção de um ‘theatro’ em Macau

Trecho extraído do artigo de Rogério Beltrão Coelho – Teatro D. Pedro V: uma História Atribulada – publicado na Revista Macau, edição de Maio de 1994, nos leva a saber de quem foi a ideia de construí-lo e as dificuldades encontradas para definir um local apropriado.

Macau Teatro D.Pedro V .7

Um teatro para Macau

Texto de autoria de Rogério Beltrão Coelho

A ideia da construção de um teatro em Macau partiu de um grupo de cidadãos reunidos em comissão no ano de 1857:

Não foi desde logo indicado o lugar em que teve efeito a construção do teatro — refere o padre Manuel Teixeira na obra O Teatro D.Pedro V (Clube de Macau, Macau, 1971) —, pois que o primeiro pensamento foi colocá-lo no edifício do hospital de S. Rafael, ideia que em breve se abandonou. Nos fins de Março a comissão pediu ao Governo terreno no campo de S. Francisco, perto da rampa que aí conduz à entrada do quartel, mas foi-lhes indeferida a pretensão, oferecendo-se-lhe a cerca do extinto convento de S. Domingos.

A comissão, não julgando este local apropriado, requereu, em sessão de 2 de Abril, o terreno preciso no largo de S. Agostinho, que por fim obteve. Correndo imediatamente subscrição em Macau e Hong Kong, em Março de 1858 o edifício já podia dizer-se concluído no principal, graças especialmente à diligência do cirurgião-mor da província, António Luís Pereira Crespo, de Pedro Marques (escrivão da Câmara, autor do projecto e responsável pela direcção das obras) e de Francisco Justiniano de Sousa Alvim.

(…) Ao edifício delineado por Pedro Marques foi dado o nome de Teatro D. Pedro V, soberano então reinante.

A “Sociedade do Teatro D. Pedro V”, cujos estatutos foram aprovados pelo gover­nador em 20 de Abri l de 1859, assume a propriedade e a ges­tão do Teatro. Dos corpos gerentes fazem então parte três elementos da comissão constituída dois anos antes (João Damasceno dos Santos, presidente; Francisco Justiniano Alvim, secretá­rio; João Bernardo Goularte, vogal) e António Carlos Brandão, tesoureiro.

A sala funcionou, com maiores ou menores so­bressaltos, até ao princí­pio dos anos 70: teatro, bailes de máscaras e com­panhias estrangeiras de ópera animaram o espa­ço cultural em Santo Agostinho.

Em 30 de Setembro de 1873, após o necessário período de inactividade para obras de restauro, o D. Pedro V reabre com nova fachada (praticamente a que hoje se mantém) de autoria do Barão de Cercai.

A Gazeta de Macau e Timor registou o acontecimento:

Abriu esta noite os seus salões o Theatro de D. Pedro V — restaurado, elegante e perfeitamente armado, obras estas que deve à actual e incan­sável direcção composta dos snrs. barão de Cer­cal, João Eduardo Scarníchia, José Maria  Teixeira Guimarães, Carlos Vicente da Rocha e Jo­aquim das Ne­ves e Sousa que dotou o teatro com uns estatu­tos  razoáveis, necessários e convenientes, tra­balho este em que havia naufragado mais de uma direcção, havendo  desgostos, discussões acaloradas e improdutivas.

O valor venal do edifício é calculado em doze mil patacas, e do registo constava então que o teatro pertencia à “Sociedade do Teatro D. Pedro V”.

  • As imagens antigas e as legendas são do artigo.

Naqueles tempos … pelo palco do Dom Pedro V passaram nomes sonantes da música, do bailado e do teatro, locais e estrangeiros, portugueses e chineses

Macau Teatro D.Pedro V .3

Macau Teatro D.Pedro V .4

Macau Teatro D.Pedro V .01

Um banquete, c.1940

Abaixo: Espectadores ilustres (anos 50) Distinguem-se o Governador Marques Esparteiro e o Dr. Alberto Jorge com as respectivas mulheres:

Macau Teatro D.Pedro V .5

Macau Teatro D.Pedro V .6

Uma récita dos anos 50

Uma récita dos anos 50

Macau Teatro D.Pedro V .9

Macau Teatro D.Pedro V .8

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 04/10/2015 por em Teatro D.Pedro V e marcado , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.082.835 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Como já vem acontecendo nos Encontros das Comunidades Macaenses realizadas em Macau, o programa de 2019 incluía uma missa e Te-Deum na Sé Catedral que foi celebrada no dia 26 de Novembro às 18:00 horas pelo Bispo de Macau, D. Stephen Lee Bun-sang. Uma celebração religiosa e ação de graças para agradecer por mais uma […]

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O Hotel Casino (Cassino) Lisboa, de Macau, inaugurado em 3 de Fevereiro de 1970, seis anos após o início das obras em 1964, o primeiro dos tempos modernos do outrora território português na China por cerca de 440 anos, e devolvido para a China em 1999, é por excelência uma galeria de arte com peças […]

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

O macaense Carlos Cordeiro, hoje residente no Canadá, enviou ao autor deste blog, três fotos que espelham bem o convívio dele com dois amigos macaenses: Fernando Placé e José (Zé) Cabral, num período de 52 anos, de 1967 a 2019. Interessante ver o cuidado de fotografar o momento na mesma posição da foto original de […]

%d blogueiros gostam disto: