Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

A ideia da construção de um ‘theatro’ em Macau

Trecho extraído do artigo de Rogério Beltrão Coelho – Teatro D. Pedro V: uma História Atribulada – publicado na Revista Macau, edição de Maio de 1994, nos leva a saber de quem foi a ideia de construí-lo e as dificuldades encontradas para definir um local apropriado.

Macau Teatro D.Pedro V .7

Um teatro para Macau

Texto de autoria de Rogério Beltrão Coelho

A ideia da construção de um teatro em Macau partiu de um grupo de cidadãos reunidos em comissão no ano de 1857:

Não foi desde logo indicado o lugar em que teve efeito a construção do teatro — refere o padre Manuel Teixeira na obra O Teatro D.Pedro V (Clube de Macau, Macau, 1971) —, pois que o primeiro pensamento foi colocá-lo no edifício do hospital de S. Rafael, ideia que em breve se abandonou. Nos fins de Março a comissão pediu ao Governo terreno no campo de S. Francisco, perto da rampa que aí conduz à entrada do quartel, mas foi-lhes indeferida a pretensão, oferecendo-se-lhe a cerca do extinto convento de S. Domingos.

A comissão, não julgando este local apropriado, requereu, em sessão de 2 de Abril, o terreno preciso no largo de S. Agostinho, que por fim obteve. Correndo imediatamente subscrição em Macau e Hong Kong, em Março de 1858 o edifício já podia dizer-se concluído no principal, graças especialmente à diligência do cirurgião-mor da província, António Luís Pereira Crespo, de Pedro Marques (escrivão da Câmara, autor do projecto e responsável pela direcção das obras) e de Francisco Justiniano de Sousa Alvim.

(…) Ao edifício delineado por Pedro Marques foi dado o nome de Teatro D. Pedro V, soberano então reinante.

A “Sociedade do Teatro D. Pedro V”, cujos estatutos foram aprovados pelo gover­nador em 20 de Abri l de 1859, assume a propriedade e a ges­tão do Teatro. Dos corpos gerentes fazem então parte três elementos da comissão constituída dois anos antes (João Damasceno dos Santos, presidente; Francisco Justiniano Alvim, secretá­rio; João Bernardo Goularte, vogal) e António Carlos Brandão, tesoureiro.

A sala funcionou, com maiores ou menores so­bressaltos, até ao princí­pio dos anos 70: teatro, bailes de máscaras e com­panhias estrangeiras de ópera animaram o espa­ço cultural em Santo Agostinho.

Em 30 de Setembro de 1873, após o necessário período de inactividade para obras de restauro, o D. Pedro V reabre com nova fachada (praticamente a que hoje se mantém) de autoria do Barão de Cercai.

A Gazeta de Macau e Timor registou o acontecimento:

Abriu esta noite os seus salões o Theatro de D. Pedro V — restaurado, elegante e perfeitamente armado, obras estas que deve à actual e incan­sável direcção composta dos snrs. barão de Cer­cal, João Eduardo Scarníchia, José Maria  Teixeira Guimarães, Carlos Vicente da Rocha e Jo­aquim das Ne­ves e Sousa que dotou o teatro com uns estatu­tos  razoáveis, necessários e convenientes, tra­balho este em que havia naufragado mais de uma direcção, havendo  desgostos, discussões acaloradas e improdutivas.

O valor venal do edifício é calculado em doze mil patacas, e do registo constava então que o teatro pertencia à “Sociedade do Teatro D. Pedro V”.

  • As imagens antigas e as legendas são do artigo.

Naqueles tempos … pelo palco do Dom Pedro V passaram nomes sonantes da música, do bailado e do teatro, locais e estrangeiros, portugueses e chineses

Macau Teatro D.Pedro V .3

Macau Teatro D.Pedro V .4

Macau Teatro D.Pedro V .01

Um banquete, c.1940

Abaixo: Espectadores ilustres (anos 50) Distinguem-se o Governador Marques Esparteiro e o Dr. Alberto Jorge com as respectivas mulheres:

Macau Teatro D.Pedro V .5

Macau Teatro D.Pedro V .6

Uma récita dos anos 50

Uma récita dos anos 50

Macau Teatro D.Pedro V .9

Macau Teatro D.Pedro V .8

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 04/10/2015 por em Teatro D.Pedro V e marcado , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 954.899 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

O ‘Dia do Patuá’ festejado pela Comunidade Macaense dos EUA

O ‘Dia do Patuá’ festejado pela Comunidade Macaense dos EUA

‘A promoção do ‘Dia do Patuá’ é um esforço para preservar o dialecto na Comunidade Macaense da Califórnia, nos Estados Unidos da América do Norte’ é o que define Henrique Manhão da Casa de Macau dos EUA. Diz, conciliando com o pensamento de outros membros da comunidade presente, ‘enquanto houver apoio de Macau, o patuá não […]

Recordação de uma festa na Macau de 1953

Recordação de uma festa na Macau de 1953

Jorge Giga Robarts, macaense residente em Portugal, atendendo ao pedido de um conterrâneo, identifica as pessoas que estão numa fotografia enviada, informando ter sido tirada em Dezembro de 1953 em Macau. A 2ª imagem com legenda e que lista as pessoas da foto, foi editada para apenas mostrar o que escreveu quanto à identificação, excluindo […]

Memórias de Macau de Todos os Tempos (02)

Memórias de Macau de Todos os Tempos (02)

Imagens que trazem saudosas lembranças daquela Macau que não existe mais, mas que permanece viva na nossa memória e nas fotografias a seguir publicadas de forma aleatória, a procurar dar uma descrição a confirmar ou corrigir. O que vale mesmo é o que se diz – recordar é viver! As fotos são dos anos 50 […]

%d blogueiros gostam disto: