Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Domingo na Paulista sem carros com show do bloco Unidos do Swing, em São Paulo

Sao Paulo Av Paulista.Unidos do Swing 106

bloco Unidos do Swing, e a dança do swing americano Lindy Hop

Deparar com a apresentação do bloco Unidos do Swing no passeio pela Avenida Paulista, em São Paulo, sem carros, na iniciativa chamada “Paulista Aberta” foi uma grata surpresa no domingo após o Carnaval, em 14 de fevereiro de 2016.

Vários artistas de rua, divididos em bandas, grupos de dança, se apresentavam na avenida com um público diverso disperso na sua imensidão, aglomerando-se onde havia música e show. Bicicletas ora circulando na ciclovia, mas também fora dela exigia dos transeuntes alguma cautela, fora dos adeptos dos patins que tinham a pista toda para eles.  No fundo dava uma certa sensação de liberdade poder andar à vontade na via sempre entupida de carros. Mas a inciativa fora de boa aceitação do paulistano, especialmente daqueles que a usufruem, também tem seus inimigos, como comerciantes que reclamam queda de negócios ou de moradores da região que se sentem prejudicados, sem falar nos motoristas metidos na lentidão de trânsito nas ruas paralelas insuficientes para comportar o tráfego desviado da avenida. Se for lá, use o metrô com três estações que dão para a Paulista, a Brigadeiro, MASP e Consolação.

Paulista sem carros aos domingos em São Paulo

Paulista sem carros aos domingos em São Paulo

Normalmente você dá uma parada por algum tempo para ver a apresentação dos artistas, como fizemos de uma boa banda de blues antes de seguir para outro show próximo com maior aglomeração de público. Seguimos adiante e lá estava o bloco Unidos de Swing e o público à volta todo empolgado. Aí estava explicado o porque de tanta gente que não arredava o pé. Não deu para ir embora após alguns números, o show deles era contagiante com grande número de músicos e gente dançando animadamente o swing dance Lindy Hop. Acabamos ficando até o fim da apresentação. Foi ótimo!

(Fotografia de/photos by Rogério P. D. Luz – clicar na foto para aumentar –

veja mais no álbum da FlickR com 90 fotos – clicar aqui)

Avenida Paulista sem carros no domingo

Sao Paulo Av Paulista 04

Merece destaque o improviso da bateria desta boa banda de blues, e o menino parecia querer fazer parte do grupo:

Sao Paulo Av Paulista 15

Bloco Unidos do Swing

O grupo foi criado em 2015 e é considerado o primeiro bloco jazzístico de São Paulo. Seus músicos são artistas de rua adeptos ao jazz, juntando-se dançarinos independentes do swing originário do Harlem, bairro de New York – lindy hop, que vai conquistando muitos adeptos no Brasil. Neste carnaval de 2016, o bloco animou os foliões no centro da cidade, partindo da Praça Roosevelt, com músicas que misturam o jazz típico de Mardi Grass de New Orleans com marchinhas brasileiras. A música cantada por Louis Armstrong: When The Saints Go Marching In é uma das suas preferidas, tocada várias vezes nessa apresentação de domingo. Como bons artistas de rua, não hesitam em passar o chapéu pedindo uma contribuição que o público dá de bom gosto pelo show. Ocasionalmente fazem seus encontros musicais no vão livre do MASP na avenida Paulista.

Sao Paulo Av Paulista.Unidos do Swing 100

Sao Paulo Av Paulista.Unidos do Swing 104

A dança do swing americano: Lindy Hop, foi a grande atração do Unidos do Swing e seus dançarinos motraram toda a sua competência. De acordo com a Wikipédia, “Lindy Hop é uma dança que surgiu entre 1920 e 1930, no Harlem em New York, como uma mistura de outras danças: o breakaway, o Charleston e o sapateado. Ele é dançado ao som principalmente de swing das Big Bands. O nome “lindy hop” surgiu do primeiro vôo solo cruzando o Oceano Atlântico, realizado em 1927 por Charles Lindbergh. O feito teve tanto êxito e repercussão que Lindbergh tornou-se imediatamente herói nacional. Devido à coincidência com o surgimento dos primeiros movimentos da crazy dance, esta foi batizada de lindy (de Lindbergh) e hop (salto, pulo). E foi do lindy hop, de sua enorme riqueza coreográfica, de seus loucos passos aéreos e solos que, mais tarde, a partir dos anos 50, surgiram os mais diferentes estilos de rock and roll e swing dances, como o jive, o rock acrobático e outras variações. Suas origens e vertentes englobam o jazz dance.

Lindy hop é o ritmo que originou as swing dances. É a famosa crazy dance dos anos 30, nascida no Harlem, o mais conhecido bairro negro de Nova York, mais precisamente no Savoy Ballroom, um dos mais famosos salões de baile do mundo. Após os anos 20, totalmente marcados pelo charleston, a década de 30 e suas Big Bands consagraram o swing como um dos ritmos mais fortes e dançantes do século e o Lindy hop como uma das mais fantásticas formas de se dançar já criadas. O fato é comprovado pela sua sobrevivência, pois á dançado em nossos dias tal como era originalmente. Há organizações que o preservam em diferentes programações, festivais e concursos“.

Sao Paulo Av Paulista.Unidos do Swing 135

A dança do swing Lindy Hop:

Sao Paulo Av Paulista.Unidos do Swing 116

Sao Paulo Av Paulista.Unidos do Swing 122

Sao Paulo Av Paulista.Unidos do Swing 121

Sao Paulo Av Paulista.Unidos do Swing 138

Sao Paulo Av Paulista.Unidos do Swing 132

Sao Paulo Av Paulista.Unidos do Swing 133

Anúncios

2 comentários em “Domingo na Paulista sem carros com show do bloco Unidos do Swing, em São Paulo

  1. Rêh Wlaczyga
    01/03/2016

    Que registro INCRÍVEL! Muito obrigada pessoal! Nós do Unidos do Swing estamos super felizes de levar o Jazz pro CArnaval de Sampa e contar com o apoio de pessoas como vocês! 😀

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 642,013 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Viajar ao passado de Macau, dos belos tempos dos anos 60 e 70, é o que nos proporciona o vídeo “Macau 70”, produzido pela RTP Rádio e Televisão Portuguesa. A comemorar 70 anos, a RTP disponibilizou no seu website os arquivos para consulta ‘on-line‘ e Macau está presente numa das suas seções. Na apresentação do […]

As estórias de Margarida Ribeiro ambientadas em Macau e na China

As estórias de Margarida Ribeiro ambientadas em Macau e na China

Acompanhada do macaense Delfino Ribeiro, a escritora madeirense Margarida Ribeiro em 29 de dezembro de 2005  visitou a Casa de Macau de São Paulo no dia da festa de Natal. Na ocasião, quis presentear a comunidade macaense com o seu livro de estórias “A Mui” ambientado na China e em Macau “terra maravilhosa onde a vida tantas vezes confunde […]

%d blogueiros gostam disto: