Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Entenda a cerimônia de Lava-Pés na Quinta-Feira Santa na Páscoa

Pascoa 2016 Igreja Divino Espirito Santo 5a.F Santa 07

A cerimônia de Lava-Pés na Igreja do Divino Espírito Santo, em São Paulo

Em 2016, o Papa Francisco introduziu oficialmente mudanças na cerimônia de Lava-Pés, que é realizada durante a celebração da missa de Quinta-Feira da Semana Santa, passando a permitir a participação de mulheres, jovens, crianças, antes restrito a homens, conforme o rito introduzido em 1955.

O decreto papal acaba confirmando uma prática que já vinha sendo realizada no ano passado. Muda o texto do anterior que refere a “homens escolhidos” para “escolhidos entre o povo de Deus”, abrangendo pessoas de ambos os sexos e idades variadas.

Pascoa 2016 Igreja Divino Espirito Santo 5a.F Santa 09

A cerimônia de Lava-Pés na Igreja do Divino Espírito Santo, em São Paulo

O SIGNIFICADO DE LAVA-PÉS DE ACORDO COM A WIKIPÉDIA

Lava-pés é um rito religioso observado por diversas denominações cristãs e é baseado no relato de João 13:1-17, que menciona Jesus realizando-o durante a Última Ceia. A cerimônia é realizada na Quinta-Feira Santa da Semana Santa

Contexto

A origem da prática pode estar nos costumes referentes à hospitalidade das civilizações antigas, especialmente naquelas onde a sandália (um calçado aberto) era o principal tipo de calçado. O anfitrião, ao receber um hóspede, providencia uma vasilha com água e um servo para lavar-lhe os pés. Este costume aparece em diversos pontos do Antigo Testamento (veja, por exemplo, Gênesis 18:4, Gênesis 19:2, Gênesis 24:32, Gênesis 43:24 e I Samuel 25:41, entre outros), e também em outros documentos históricos e religiosos. Um típico anfitrião da região geralmente se curvava, beijava o hóspede e então oferecia a água e o servo para a lavagem dos pés. O costume também valia quando o hóspede usava sapatos como uma forma de cortesia. No trecho em I Samuel aparece pela primeira vez o ato de alguém realizar a lavagem como prova de humildade. Em João 12, Maria de Betânia ungiu Jesus, presumivelmente para agradecer-lhe por ressuscitar seu irmão Lázaro dos mortos.

A Bíblia relata a lavagem dos pés de Santos sendo praticada pela igreja antiga em I Timóteo 5:10, provavelmente como sinal de piedade, submissão ou humildade.

História

É possível que o ritual do lava-pés já fosse praticado durante a era apostólica, embora as evidências sejam escassas. Tertuliano (145–220), por exemplo, menciona a prática em sua obra “De Corona”, mas não oferece detalhes sobre quem a praticava ou como. O ritual também era praticado na Igreja de Milão (ca. 380), foi mencionado durante o Concílio de Elvira (300) e por Agostinho de Hipona (ca. 400). A observância do lava-pés na época do batismo era mantida na África, Gália, Mediolano, no norte da Itália e na Irlanda. De acordo com a “Enciclopédia Menonita”, a “Regra de São Bento” (529), utilizada pela Ordem dos Beneditinos, prescreve a lavagem dos pés para os hóspedes além da lavagem comunal como forma de humildade. . Aparentemente o costume foi iniciado pela Igreja de Roma, ainda que não relacionado com o batismo, por volta do século VIII. Os albigenses observavam o costume, ligado à Comunhão, e o costume dos valdenses era lavar os pés dos ministros quando em visita. Há evidências que o costume também era observado pelos hussitas.

Prática católica romana

Na Igreja Católica Romana, o ritual da lavagem dos pés é atualmente associada com a Missa da Última Ceia, que celebra de maneira especial a Última Ceia de Jesus, na Quinta-Feira Santa. Evidências da prática neste dia remontam pelo menos o século XII, quando “o papa lavou o pé de doze subdiáconos após sua missa e de treze pessoas pobres após sua ceia.”

De 1570 a 1955, o Missal Romano trazia, após o texto da missa da Quinta-Feira Santa, um rito de lavagem dos pés não relacionado com a missa. A revisão de 1955 pelo papa Pio XII inseriu-o na missa. Desde então, o rito é celebrado após a homilia que segue a leitura do evangelho — com o trecho referente à lavagem realizada por Jesus em João. Alguns homens pré-selecionados (veja acima a mudança introduzida por Papa Francisco em 2016, permitindo a participação de mulheres) — geralmente doze, mas o missal não prescreve um número — são conduzidos até cadeiras preparadas para cerimônia. O sacerdote, com a ajuda de ministros, derrama água sobre os pés de cada um e os enxuga.

No passado, a maior parte dos monarcas da Europa também realizavam o Lava-pés em suas cortes reais durante a Quinta-Feira Santa, uma prática que ainda era realizada pelo imperador do Império Austro-Húngaro e pelo rei da Espanha até o início do século XX.

Imagens da Missa da Quinta-Feira Santa na Igreja do Divino Espírito Santo, em São Paulo, com a cerimônia de Lava-Pés 

(clicar nas fotos menores para ampliar)

Pascoa 2016 Igreja Divino Espirito Santo 5a.F Santa 19

Pascoa Quinta Feira Santa Paroquia Divino Espirito Santo (01)

O novo pároco optou por escolher aleatóriamente as pessoas para participar da cerimônia de Lava-Pés (foto à esquerda abaixo), mudando a prática anterior de escolha prévia.

Pascoa 2016 Igreja Divino Espirito Santo 5a.F Santa 08

Pascoa 2016 Igreja Divino Espirito Santo 5a.F Santa 12

Ao final de celebração da missa, o Santíssimo Sacramento é conduzido em procissão para outro local da igreja para ser feita a vigília e venerado pelos fiéis.

Pascoa 2016 Igreja Divino Espirito Santo 5a.F Santa 13

Pascoa 2016 Igreja Divino Espirito Santo 5a.F Santa 14

Pascoa 2016 Igreja Divino Espirito Santo 5a.F Santa 17

Pascoa 2016 Igreja Divino Espirito Santo 5a.F Santa 18O ritual de tapar as imagens santas da igreja com pano (roxo, vermelho ou outra cor) na Quinta e Sexta-Feira Santa voltou a ser praticado na Igreja do Divino Espírito Santo.

Pascoa 2016 Igreja Divino Espirito Santo 5a.F Santa 01

  • Fotografia de/photos by Rogério P.D. Luz
  • Fonte/consulta: Wikipédia e Agência Ecclesia

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.082.445 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Como já vem acontecendo nos Encontros das Comunidades Macaenses realizadas em Macau, o programa de 2019 incluía uma missa e Te-Deum na Sé Catedral que foi celebrada no dia 26 de Novembro às 18:00 horas pelo Bispo de Macau, D. Stephen Lee Bun-sang. Uma celebração religiosa e ação de graças para agradecer por mais uma […]

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O Hotel Casino (Cassino) Lisboa, de Macau, inaugurado em 3 de Fevereiro de 1970, seis anos após o início das obras em 1964, o primeiro dos tempos modernos do outrora território português na China por cerca de 440 anos, e devolvido para a China em 1999, é por excelência uma galeria de arte com peças […]

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

O macaense Carlos Cordeiro, hoje residente no Canadá, enviou ao autor deste blog, três fotos que espelham bem o convívio dele com dois amigos macaenses: Fernando Placé e José (Zé) Cabral, num período de 52 anos, de 1967 a 2019. Interessante ver o cuidado de fotografar o momento na mesma posição da foto original de […]

%d blogueiros gostam disto: