Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

A tradicional procissão do Senhor Morto na Semana Santa em Macau

Macau 6a.Feira Santa Procissao Senhor Morto 10

foto M.V. Basílio

Na Sexta-Feira da Semana Santa em Macau, a população pode participar de mais uma das tradições religiosas, que a exemplo de outras, estão sendo mantidas no território que em dezembro deste ano de 2016, completará 17 anos da transição de soberania de Portugal para a China.

Com boa participação de fiéis e a assistência de curiosos, foi realizada a procissão do Senhor Morto pelas cercanias da Sé Catedral, acompanhada pela valorosa banda da PSP-Polícia de Segurança Pública de Macau, algo pouco visto no Brasil, considerado País de maioria católica, embora sendo um Estado laico.

Conforme relata Manuel Basílio (Macau), autor das fotos aqui publicadas, a missa foi presidida pelo novo bispo da Diocese de Macau, D.Stephen Lee, que vindo de Hong Kong por indicação do Vaticano e dominando apenas o espanhol, utilizou-se da língua portuguesa com frequência nas cerimônias religiosas.

Para um filho da terra que emigrou para o Brasil há quase 50 anos, quando Macau ainda era portuguesa, dá-se um grande valor pela manutenção das tradições, mesmo não sendo todas, ainda mais as religiosas.  Como tinha dito noutra postagem, Macau, apesar de hoje ser parte integrante da China, cuja igreja não segue as ordens do Vaticano mas a ditada pelo Estado, a Igreja Católica continua sendo a Apostólica Romana obediente ao Papa. Pelo menos nesse ponto, bem como em vários outros setores, a Macau chinesa continua a seguir a regra de “Um País, Dois Sistemas” gozando de autonomia no território governado pela sua gente.

O belo esforço do novo Bispo no uso da língua portuguesa na missa, uma promessa ao assumir o cargo, mesmo sendo um aprendizado recentissimo, é um claro exemplo da sua importância como principal elemento de composição da discutida Identidade Macaense e amplamente reconhecida pelos filhos da terra residentes no território e fora dele. Às vezes é preciso ter residido no território e participado de diversas atividades, além de fazer uso do português, para valorizá-lo, coisas que nenhum pretenso e discutível “estudo científico” consegue mudar este sentimento que reina no peito de cada macaense que não precisa de títulos catedráticos para o ter. Que Jesus ajude clarear a mente dos que querem mudar a bela história de Macau que durou cerca de 440 anos, pois não encontrarão abrigo neste blog.

(fotografia de/photos by Manuel V. Basílio-Macau / clicar nas fotos para ampliar)

foto M.V. Basílio

foto M.V. Basílio

ENTENDA O SIGNIFICADO DA SEXTA-FEIRA SANTA 

(fonte: site Catolicismo Romano)

A Sexta-feira Santa, ou ‘Sexta-feira da Paixão’, é a Sexta-feira antes do Domingo de Páscoa. É a data em que os cristãos lembram o julgamento, paixão, crucificação, morte e sepultura de Jesus Cristo, através de diversos ritos religiosos.

Segundo a tradição cristã, a ressurreição de Cristo aconteceu no domingo seguinte ao dia 14 de Nisã, no calendário hebraico. A mesma tradição refere ser esse o terceiro dia desde a morte. Assim, contando a partir do domingo, e sabendo que o costume judaico, tal como o romano, contava o primeiro e o último dia, chega-se à sexta-feira como dia da morte de Cristo.

A Sexta-feira Santa é um feriado móvel que serve de referência para outras datas. É calculado como sendo a primeira Sexta-feira de lua cheia após o equinócio de outono no hemisfério sul ou o equinócio de primavera no hemisfério norte, podendo ocorrer entre 22 de março e 25 de abril.

Na Igreja Católica, este dia pertence ao Tríduo pascal, o mais importante período do ano litúrgico. A Igreja celebra e contempla a paixão e morte de Cristo, pelo que é o único dia em que não se celebra, em absoluto, a Eucaristia.

Por ser um dia em que se contempla de modo especial Cristo crucificado, as regras litúrgicas prescrevem que neste dia e no seguinte (Sábado Santo) se venere o crucifixo com o gesto da genuflexão, ou seja, de joelhos.

No entanto, mesmo sem a celebração da missa, tem lugar, no rito romano, uma celebração litúrgica própria deste dia. Tal celebração tem alguma semelhança com a celebração da Eucaristia, na sua estrutura, mas difere essencialmente desta pelo facto de não ter Oração eucarística, a mais importante parte da missa católica.

A celebração da morte do Senhor consiste, resumidamente, na adoração de Cristo crucificado, precedida por uma liturgia da Palavra e seguida pela comunhão eucarística dos participantes. Presidida por um presbítero ou bispo, paramentado como para a missa, de cor vermelha, a celebração segue esta estrutura:

Entrada em silêncio do presidente e dos ministros, que se prostram em adoração diante do altar oração colecta.

Liturgia da Palavra: leitura do livro de Isaías (quarto cântico do servo de Javé, Is 52,13-53,12), salmo 31 (30), leitura da Epístola aos Hebreus (Hebr 4, 14-16; 5, 7-9), aclamação ao Evangelho e leitura do Evangelho da Paixão segundo João (Jo 18,1-19,42, geralmente em forma dialogada).

Homilia e silêncio de reflexão.

Oração Universal, mais longa e solene do que a da missa, seguindo o esquema intenção – silêncio – oração do presidente.

Adoração da Cruz: a cruz é apresentada aos fiéis e adorada ao som de cânticos.

Pai Nosso

Comunhão dos fiéis presentes. Toma-se pão consagrado no dia anterior, Quinta-Feira Santa.

Oração depois da comunhão.

Oração sobre o povo.

— .. —

foto M.V. Basílio

Sé Catedral de Macau – foto M.V. Basílio

Macau 6a.Feira Santa Procissao Senhor Morto 05

foto M.V. Basílio

Macau 6a.Feira Santa Procissao Senhor Morto 11

foto M.V. Basílio

foto M.V. Basílio

foto M.V. Basílio

Macau 6a.Feira Santa Procissao Senhor Morto 13

foto M.V. Basílio

Macau 6a.Feira Santa Procissao Senhor Morto 14

foto M.V. Basílio

foto M.V. Basílio

foto M.V. Basílio

foto M.V. Basílio

foto M.V. Basílio

foto M.V. Basílio

foto M.V. Basílio

Macau 6a.Feira Santa Procissao Senhor Morto 19

foto M.V. Basílio

Macau 6a.Feira Santa Procissao Senhor Morto 20

foto M.V. Basílio

foto M.V. Basílio

foto M.V. Basílio

Macau 6a.Feira Santa Procissao Senhor Morto 22

foto M.V. Basílio

foto M.V. Basílio

foto M.V. Basílio

foto M.V. Basílio

foto M.V. Basílio

  • Agradecimentos ao contributo de M.V. Basílio
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 722,675 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: