Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

O livro “Macau na Era Napoleónica” de António Alves Caetano

Antonio Alves Caetano Macau na Era Napoleónica_Capa

António Alves-Caetano, assim conhecido, que, nas suas palavras: ” fui presidente da Companhia de Seguros de Macau, aí trabalhando com o inesquecível amigo Alberto Estima de Oliveira – e a actividade de historiador que tenho desenvolvido desde que me reformei, há 20 anos“, apresenta o seu livro “Macau na Era Napoleónica” nesta postagem.

O livro que foi distribuído por livrarias em Portugal, também pode ser adquirido pela internet. Veja mais abaixo alguns sites localizados em pesquisa via Google. Quanto a Macau, o autor relata que: ” há pedidos para a Fundação Jorge Álvares promover a sua difusão, nomeadamente através da Livraria Portuguesa“.

António Alves-Caetano

António Alves Caetano

Para conhecer melhor o autor, visite a sua página neste link:

https://sites.google.com/site/antonioalvescaetano/biografia

MACAU NA ERA NAPOLEÓNICA
SINOPSE

O livro centra-se na vida de Macau nos primeiros anos do século XIX, período em que Napoleão Bonaparte ameaçou a Europa e o mundo.
Até que a Inglaterra obtivesse em 1842, como troféu da “1.ª guerra do ópio”, a ilha de Hong-Kong, Portugal foi o único país europeu a receber autorização do Imperador Chinês para dispor ali de uma base para realizar comércio marítimo no Extremo Oriente.
Durante séculos, Inglaterra, França, Holanda, disputaram o território de Macau aos portugueses e foram organizadas embaixadas ao Imperador a pedir autorização para obter estabelecimento. Que sempre lhes foi negado.
Em 1808, a pretexto de ajudar os macaenses a defender-se de hipotético ataque napoleónico, a Inglaterra ocupou militarmente a Cidade. Durante os três meses que durou a invasão, os mandarins chineses endureceram a posição face às autoridades nacionais e chegaram a ameaçar expulsar os portugueses de Macau, se fosse provado terem sido coniventes com a Grã-Bretanha para a ocupação.
Liberto o território das tropas invasoras, poucos meses depois, a intervenção de navios da Cidade, em auxílio da marinha imperial, foi decisiva para ser derrotado Cam Pao Sai, o maior pirata chinês de então. A sua rendição, por ordem do Vice-Rei de Cantão, e vontade do pirata, foi feita perante o ouvidor-geral Miguel de Arriaga, figura cimeira da administração do território.
Além de desenvolvida narração de todos os episódios salientes da História de Macau neste período e da caracterização do comércio marítimo que sustentava o território, há a exaltação da figura de Miguel de Arriaga, paradigma do servidor da Coroa de Portugal, bem como um capítulo introdutório. Neste, aborda-se a fundamentação histórica do estabelecimento dos Portugueses em Macau, em 1557, e são referidas as vicissitudes pelas quais passaram nos tempos que antecederam esta data, desde 1513, quando o navegador português Jorge Álvares, atingiu a costa da China, abrindo ao mundo ocidental o conhecimento dessa rota marítima.
O essencial da investigação realizada baseia-se em documentos oficiais existentes no Arquivo Histórico Ultramarino, em Lisboa.

Alguns sites portugueses que comercializam o livro:

http://www.fnac.pt/Macau-na-Era-Napoleonica-Antonio-Alves-Caetano/a968333

http://www.livrarialeitura.pt/livro/ultimo-comboio-para-hiroxima-o-charles-pellegrino/livro/macau-na-era-napoleonico-antonio-alves-caetano/

http://www.bulhosa.pt/livro/macau-na-era-napoleonico-antonio-alves-caetano/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.021.378 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Receitas de camarões e pimentas recheadas da gastronomia de Macau com Bosco Silva e Alex Airosa

Receitas de camarões e pimentas recheadas da gastronomia de Macau com Bosco Silva e Alex Airosa

A relembrar a aula de gastronomia realizada na Casa de Macau de São Paulo em 24/02/2008, ministrada pelos chefs João Bosco Quevedo da Silva e Herculano Alexandre (Alex) Airosa, seguem as fotos e receitas de camarões grandes recheados com ervas à moda de João Bosco Quevedo da Silva e pimenta recheada à moda do Alex Airosa. Na época, a coordenação das aulas e elaboração das […]

Procissão do Corpo de Deus em Macau

Procissão do Corpo de Deus em Macau

PROCISSÃO DO CORPO DE DEUS EM MACAU Texto, fotografias e legendas de Manuel V. Basílio (Macau) As cerimónias do Corpo de Deus, ou Corpus Christi, ou mais precisamente, a Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, decorrem habitualmente na quinta-feira seguinte a Domingo de Pentecostes, 60 dias depois da Páscoa, tendo este ano ocorrido no […]

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

Não há como não se emocionar ao ouvir a bela canção Adeus Macau, seja qual for o/a intérprete. Possivelmente uma lágrima ou outra poderá escorrer no seu rosto. Alguns associam a canção à transição de soberania de Macau para a China, que em 2019 completa 20 anos. Pode até servir, se quisermos considerar o adeus […]

%d blogueiros gostam disto: