Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Na 32ª Bienal de São Paulo de 2016, a arte sob o título “Incerteza Viva”

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-46

Dois pesos, duas medidas, de Lais Myrrha

Realizada entre 10 de setembro a 12 de dezembro de 2016, a Bienal de São Paulo na sua 32ª edição teve como título “Incerteza Viva (Live Uncertainty)” que, de acordo com o site oficial“busca refletir sobre as atuais condições da vida e as estratégias oferecidas pela arte contemporânea para acolher ou habitar incertezas“. Acrescenta ainda a fonte que houve “uma seleção de participantes de 33 países marcada pela forte presença de artistas nascidos após 1970; de mulheres – são mais da metade dos artistas convidados”.

Como noutras edições e desde 1957, a exposição foi realizada no Pavilhão Ciccillo Matarazzo, no Parque Ibirapuera, que foi projetado por Oscar Niemeyer, que por si é uma autêntica obra de arte, um ícone da arquitetura modernista brasileira, tombado pelo Patrimônio Histórico.

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-36

Fotografia de/photos by Rogério P. D. Luz (clicar nas fotos para ampliar)

 * A fotografia procurou estabelecer uma relação do visitante com a arte e o recinto da exposição que por si só é uma autêntica criação artística 

* Parte das fotos estão legendadas. Para informação mais completa dos artistas, veja no http://www.32bienal.org.br/pt/participants/o/2610 de onde foram extraídas as legendas.

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-57

Instalação TURBA, TURBO de Iza Tarasewicz

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-56

TabomBass, de Vivian Caccuri

Abaixo: esquerda-Ágora: OcaTaperaTerreiro de Bené Fonteles / direita:  instalação Enciclopédia Visual Brasileira, 1970-2016 de Wlademir Dias-Pino

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-49

Instalação de Rosa Barba

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-47

Abaixo: esq.-de Frans Krajcberg, “floresta” de esculturas feitas de restos de árvores.

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-43

Vista da Instalação TRUE TO SIZE – Fire Scene [FIEL AO TAMANHO – Cena de fogo] de Heather Phillipson

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-44

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-42

“Espelho do Som” do argentino Eduardo Navarro

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-39

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-05

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-34

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-32

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-29

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-23

Abaixo: direita-Ana Mazzei, a instalação mostra um espaço teatral sem protagonistas.

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-21

“Chão” piso de tacos que se torna pula-pula em zonas instáveis. Obra de José Bento.

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-18

Abaixo: direita-Hipótese de uma árvore, de Mariana Castillo Deball

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-12

 

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-13

Instalação Hell Yeah We Fuck Die de Hito Steyerl

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-10

Abaixo: direita-Da série A Dream Deferred (Mandela Balls) [Um sonho adiado (Bolas de Mandela)], 4/95, 2013 de Tracey Rose

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-19

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-09

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-08-pb

Abaixo: direita- instalação de Sandra Kranich / direita: Restos materiales, obstáculos y herramientas [Restos materiais, obstáculos e ferramentas] de Xabier Salaberria

 

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-30

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-26

bienal-de-arte-de-sao-paulo-2016-37

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 12/12/2016 por em Bienal S.Paulo 2016 e marcado , , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.022.889 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Receitas de camarões e pimentas recheadas da gastronomia de Macau com Bosco Silva e Alex Airosa

Receitas de camarões e pimentas recheadas da gastronomia de Macau com Bosco Silva e Alex Airosa

A relembrar a aula de gastronomia realizada na Casa de Macau de São Paulo em 24/02/2008, ministrada pelos chefs João Bosco Quevedo da Silva e Herculano Alexandre (Alex) Airosa, seguem as fotos e receitas de camarões grandes recheados com ervas à moda de João Bosco Quevedo da Silva e pimenta recheada à moda do Alex Airosa. Na época, a coordenação das aulas e elaboração das […]

Procissão do Corpo de Deus em Macau

Procissão do Corpo de Deus em Macau

PROCISSÃO DO CORPO DE DEUS EM MACAU Texto, fotografias e legendas de Manuel V. Basílio (Macau) As cerimónias do Corpo de Deus, ou Corpus Christi, ou mais precisamente, a Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, decorrem habitualmente na quinta-feira seguinte a Domingo de Pentecostes, 60 dias depois da Páscoa, tendo este ano ocorrido no […]

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

Não há como não se emocionar ao ouvir a bela canção Adeus Macau, seja qual for o/a intérprete. Possivelmente uma lágrima ou outra poderá escorrer no seu rosto. Alguns associam a canção à transição de soberania de Macau para a China, que em 2019 completa 20 anos. Pode até servir, se quisermos considerar o adeus […]

%d blogueiros gostam disto: