Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

Pirapora do Bom Jesus, destino de romarias e fé

Pirapora do Bom Jesus

Próximo de São Paulo, a 56 kms, e de vários municípios, a cidade que respira a fé e devoção por Jesus Cristo é um dos principais destinos de romarias no Estado de São Paulo, que se diz, o segundo após o Santuário de Nossa Senhora Aparecida. E, foi uma das localidades visitadas no feriado de Corpus Christi, aproveitando a ida à vizinha Santana de Parnaíba para ver os famosos tapetes multicoloridos, e que dela emancipou-se em 1959.

Na composição do seu nome, Pirapora tem origem tupi e significa “pulo do peixe”, através da junção dos termos pirá (“peixe”) e pora (“pulo”). O nome é uma referência ao fato de, no período da desova dos peixes, eles saltarem sobre a água para vencer as corredeiras do rio e, desse modo, poderem alcançar a cabeceira dos rios, que são locais mais propícios à desova[1]. Quanto a Bom Jesus se deve pela imagem de Cristo encontrada numa corredeira do Rio Tietê em 1725, hoje está exposta na atual igreja terminada em 1885 que substituiu capelas anteriores construídas no local.

Nos fins de semana e feriados religiosos, chegam à cidade comitivas de romarias provenientes de municípios próximos, tais como de São Roque, Vargem Grande, a cavalo, bicicletas, charretes, veículos motorizados diversos e até a pé, cuja chegada é bem celebrada com fogos, alegria e fé. Costumam lá passar a noite e iniciar a viagem de volta no dia seguinte. Autoridades locais estimam que cerca de 600 mil pessoas visitam a cidade anualmente.

A lamentar o poluído Rio Tietê que corta a cidade, muitas vezes com tapetes de espuma provenientes da contaminação da água por dejetos domésticos principalmente de detergentes. Mesmo com este espetáculo triste, pode até se virar numa curiosidade para os turistas que visitam a cidade para a lamentável constatação.

Pela proximidade a São Paulo para um passeio bate-volta, é um destino que se recomenda, especialmente se você tem fé e religiosidade, aproveitando para fazer suas orações e preces. Vá e faça a sua romaria!

[1] Fonte: Wikipédia

O poluído Rio Tietê corta a cidade

A cidade decorada no dia de Corpus Christi

Santuário do Senhor Bom Jesus

A atual igreja foi concluída em 1887. A capela inicialmente construída no local deu lugar a outra feita de madeira.

Conta o site do Santuário que: “a tradição popular e oral conta que José de Almeida Naves, morador de Parnaíba, encontrou, no seu sítio, situado no bairro chamado Pirapora, por volta de 1725, encostada numa pedra no rio Anhembi, uma imagem do Bom Jesus, que levou para sua casa, onde colocou num altar doméstico para que o povo pudesse fazer aí suas rezas. Veja o histórico completo neste link – http://sbj6.com.br/historia/ 

A escultura original do Senhor Bom Jesus, com cabelos naturais, é o que está exposto no altar-mor do Santuário dentro de uma redoma de vidro a prova de bala.

 

Alguns aspectos da cidade

(Wikipédia) Pirapora do Bom Jesus situa-se a uma altitude média de setecentos metros. A cidade fica num vale encravada entre grandes montanhas da serra do Ivoturuna, a beira do Rio Tietê, bastante poluído neste trecho. Fica a 53 km da cidade de São Paulo, próxima à Rodovia Castello Branco. No início do povoamento, o rio serviu como via de transporte, comunicação, energia, subsistência, irrigação e lazer.

A Serra do Ivoturuna, que cerca a cidade, é tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico. Seu nome é de origem tupi e significa “Montanha Negra”, através da junção dos termos ybytyra (“montanha”) e un (“negro”)[9]. O nome é uma referência à cobertura de vegetação de tonalidade escura, que, em determinadas épocas do ano, chega a escurecer a paisagem do entorno da cidade. Possui nascentes de água e cachoeiras, inclusive vertentes que abastecem o município.

A população estimada em 2009 era de 15 706 habitantes e a área é de 108 km², o que resulta numa densidade demográfica de 127,43 habitantes por quilômetro quadrado.

Tapetes de espumas no Rio Tietê

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 867.211 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de Macau de Todos os Tempos (01)

Nesta postagem do que poderia chamar de uma série “Memórias de Macau de Todos os Tempos”, remetendo-me a um vídeo que publiquei no YouTube (vide no final), publico umas fotos antigas recolhidas ao acaso do meu extenso acervo, ora já publicadas no site (inativo) do Projecto Memória Macaense, ou não, e também já republicadas por […]

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

No almoço especial do Ano Novo chinês realizado na Casa de Macau de São Paulo em 18 de Fevereiro de 2018, o macaense José Noronha, 83 anos, andava a mostrar uma foto antiga para algumas pessoas que tinham mais ou menos a sua idade. Procurava ele matar as saudades dos velhos tempos em Macau. Macaense […]

%d blogueiros gostam disto: