Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

O silêncio do bandolin, mas isto ainda é possível

As expressões dos rostos dizem tudo.  Tudo era muito simples.  Adalberto Remédios, expert no bandolin, “toco à moda antiga” sempre ele dizia orgulhoso, a lembrar aqueles velhos tempos de Macau em que participava das tunas, aproveitou a festa de aniversário da associação macaense de São Paulo e levou o seu fiel companheiro, o bandolin, para matar as saudades com os amigos e conterrâneos.

À sua volta, o Acaio D”Assumpção, Francisco “Xico” Rodrigues e seu antigo companheiro de viola, o “Neco” Clemente Badaraco.  Percebam na foto a satisfação dos seus rostos, a ouvir antigas marchas dos carnavais macaenses e das tunas, e também aquelas músicas italianas que tanto amamos.  Era uma volta momentânea do bandolin à associação, pois o bandolin silenciou-se em São Paulo. Nenhum macaense mais toca o bandolin.  A nossa memória, já andando com uma perna, viu a perda de mais um item.

Adalberto aposentou-se de vez e mudou-se para o Interior de São Paulo, ou seja, para uma cidade menor, mas bem menor, a cerca de 400 km da capital paulista.  Levou com o ele o seu famoso bandolin que falava alto nas festas locais, quando fazia parte de um conjunto “à moda antiga”, o Trio Macaense.  O bandolin silenciou-se.  A música dos velhos tempos de Macau silenciou-se em São Paulo.  Não há sucessores.  Ninguém mais se interessa pelo instrumento, muito menos pelas velhas marchas.  Os tempos são outros.  A memória macaense vai morrendo aos poucos.

Inevitável? Pois é!  Inevitável, a gente vai envelhecendo e infelizmente a nossa cultura vai envelhecendo junto, e corre o risco de sucumbir conosco, quando chegar a nossa hora.  Mas, o Adalberto naquele dia, ainda esboçou um esforço, que poderia dizer que “ainda é possível”.  Trouxe com ele, na sua longa viagem de carro, o seu companheiro, o bandolin.  E, após o almoço, tirou-o do estojo e logo alguns saudosistas ficaram à sua volta.  Um tanto emotivo, a relembrar os velhos tempos, ensaiou uma marchina, Dia da África, que logo despertou expressões de satisfação de quem o cercava.  Pena, o seu companheiro de viola, o Badaraco, não sabia que o Adalberto viria à festa com o bandolin, e acabou não trazendo a sua viola.  Afinal, não havia nada na programação que previa uma apresentação ou brincadeira musical.

Sentado na mesa ao lado, percebi a movimentação musical e logo apanhei a minha câmera digital e lá se foi o disparo bem na hora exata.  Captei as expressões de rosto que a própria foto diz tudo.  Na hora não percebi, mas depois em casa é que deu para constatar que fora na hora exata.  Logo a cena em si, deu-me um estalo para pensar que, “isto ainda é possível”, a preservação e exaltação da nossa memória.  Basta cada um de nós fazer a sua parte.  Um pequeno contributo, ou um grande contributo? Tanto faz, o tamanho não tem tanta importância.  O importante é o esforço de cada um, qual seja o resultado, se atinge uma pessoa, cinco pessoas, ou milhares de pessoas.  Tudo é válido, pois tudo contribui, para somar.

Avaliei o meu caso, e fiquei satisfeito ao ver que faço a minha parte há 7 anos.  O Projecto Memória Macaense existe há sete anos.  Gostem ou não gostem, ele está aí para tentar divulgar um pouco de nós.  “Falar de nós”, como o Jorge Rangel diz nas suas publicações. E não só da gente, mas da nossa cultura e da nossa terra.  Assim também, vejo o esforço de muitos da nossa malta a fazer isso, tanto pela parte dos residentes de Macau, como pelos macaenses da diáspora.  Os Encontros, as festas que se realizam em Macau, como aquela no São Lázaro, que bonito de se ver, até gostaria estar lá para documentar com a minha máquina fotográfica ou de filmar.  Percebo nos residentes um esforço, que poderia até dizer, um tanto mais que dos tempos dos portugueses.  Acredito que naquelas épocas, a gente ficava acomodado, pois o governo era da gente e não havia assim tanta preocupação.  Hoje não, tudo é uma questão de sobrevivência e de afirmação da nossa identidade.

Faça você como o Adalberto.  Alegrou 3 conterrâneos como na foto.  Um pequeno número? Sim, mas valeu o esforço, pois mais 100 Adalbertos alegraremos outros 300 conterrâneos e assim por diante.  Não é preciso pensar grande, seu pequeno esforço sempre será grande, pois muitos “pequenos” acabam somando de tal forma que fica “grande”.  O importante é somar, sempre. Faça a sua parte construtiva para preservação da nossa memória, os nossos costumes, a nossa cultura.  Um pequeno esforço tem muito valor.  Some !!!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 10/08/2010 por em Gente, MACAENSES, Músicos, São Paulo e marcado , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 851.899 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

No almoço especial do Ano Novo chinês realizado na Casa de Macau de São Paulo em 18 de Fevereiro de 2018, o macaense José Noronha, 83 anos, andava a mostrar uma foto antiga para algumas pessoas que tinham mais ou menos a sua idade. Procurava ele matar as saudades dos velhos tempos em Macau. Macaense […]

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

%d blogueiros gostam disto: