Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Eleições na CM São Paulo – nenhum candidato

6 de Fevereiro de 2011, domingo, data de encerramento das inscrições para Presidência e Diretoria Executiva (5 nomes), e para os Conselhos Consultivos e Fiscais, 3 vagas cada uma.  E lá fui eu, curioso, para ver o que aconteceria, quem seriam os candidatos. Estava despido de qualquer pretensão a cargo eletivo.  Cumpria a minha função de blogueiro e autor do PMM de informar, além de associado.  Pensava, já dei o meu contributo com 6 anos em directorias da Casa e chega!  Melhor dedicar o tempo aos meus sites e blogs, e à fotografia, minha paixão.

Enquanto fazia hora a mostrar a alguns associados os videos e fotos que fiz do Encontro 2010, ficava na expectativa e a ver a movimentação de poucos que compareceram à Casa.  Percebi várias ausências que eram habituais.  No entanto, para minha surpresa, estava tudo extremamente calmo. Ninguém ligava para nada. Perguntei a várias pessoas se sabiam de alguma candidatura, e nada.  Ninguém sabia de nada em concreto, salvo esta ou aquela natural especulação.  Já começava a sentir que não haveria nenhuma candidatura, algo que intimamente e previamente já achava que iria acontecer.  E não é que acertei ???!!!

Ninguém, mas ninguém, apresentou candidatura para nada, nadinha!!!  A Alice até virou a urna ao contrário, e nem farelo de papel caiu dele.  Completamente vazia !!! Nenhum candidato a Presidente, nenhum candidato aos Conselhos. Respirei fundo, e pensei! Rogério, você está vivendo mais um momento histórico da sua Casa de Macau.  Pela primeira vez em toda a sua história, a Casa de Macau não tinha nenhum candidato a nada, nadinha!!!

Mas, credo, o que está acontecendo com a nossa associação?  É a decadência, é o fim??? Associado a isso, via o desinteresse dos associados comparecendo em número reduzido, talvez uns 30 ou menos.  Normalmente é uma data que atrai curiosos, que chegam a somar até 70 ou 80 presenças.  Era uma festa outrora!  Pensei comigo vários motivos e factores que influenciaram a insignificante presença, e pus-me a refletir sobre como a eventual falta de atividades da Casa possa ter afastado os associados.

No fundo, fiquei triste, além de ainda estupefato com tal situação.  Conformei-me, e fez-me a refletir quando, ao indagar um associado brasileiro, esposo de uma macaense, assim na brincadeira, “porque não se candidata?” Ele, para minha surpresa, disse sinceramente, “até me ofereceria para ajudar a administrar a Casa, mas não posso.  Não tenho origem macaense”.  Explico: os estatutos apenas permitem a candidatura a presidente àquele que tem origens de nascidos em Macau.  Noutras ocasiões, em conversas informais, até pude ver a disposição de outros na situação daquele senhor brasileiro.  É um caso para refletir, pois os associados que cumprem as formalidades dos Estatutos nada se interessam em cumprir tão difícil missão de 3 (longos) anos de mandato, salvo um ou outro a quem até pode ser que interessa, mas tem que avaliar o terreno antes de se aventurar a tal tarefa.

Restou então ao vice-presidente anunciar que, diante de tal situação, as inscrições ficam prorrogadas para o próximo domingo, dia 13 de Fevereiro.  Pensei logo comigo, quem sabe, um ou outro, depois que viu que ninguém apresentou a sua chapa/lista, talvez sinta mais segurança para se inscrever.  Pode até ser uma jogada de algum possível candidato?  Mas creio que quem for se candidatar, até pode ser rotulado de “salvador da pátria”.  Mas agora, nenhuma candidatura a conselheiro é que é difícil de entender.

No dia, por acaso, estava de passagem com a sua esposa, o meu sobrinho de 42 anos.  Veio apenas para  passar o dia com os pais, alheio a movimentação de candidaturas.  Olhando para ele, pús-me a pensar.  Gente dessa idade de seus 40, pouco mais ou menos, está ausente da vida da Casa e ninguém pensa em investir neles.  Na pura realidade, quem representa o futuro imediato da Casa de Macau?  Digamos para os próximos 10 anos, período crucial para a sobrevivência da associação?  Seria o jovem de 20 e poucos anos, ou os “ex-jovens amadurecidos”, poderia-se talvez dizer, a Geração Imediata ou a Próxima Geração, ou …, na faixa de idade de 40?  Quem estaria mais preparado para administrar a Casa? Ficam as perguntas! Pús-me a perguntar, o que se investiu nesses ex-jovens para prepará-los e conscientizá-los do importante papel deles para o futuro imediato da Casa e dos próximos 15 ou 20 anos?  O que posso constatar, é a total ausência desses ex-jovens na vida da Casa, que são vários, pois eles estão excluídos dos encontros de jovens, e nem participariam por não se enquadrarem como tal.  E com isso, vão acontecendo coisas como a ausência total de candidaturas, o que põe em risco, de imediato, o futuro da Casa de Macau. Um caso para refletir e avaliar as prioridades, imediatas !!!

Acredito que a Nova Geração, para a qual deve continuar o investimento, deve ser preparada para substuituir esses ex-jovens e não nós, de seus 60 para cima. Um jovem de 20 e poucos anos, no auge da sua carreira profissional e formação escolar, não deve ser sacrificado, de imediato, a dispender o seu tempo a administrar a Casa de Macau, mas sim cuidar do seu emprego, da sua faculdade, dos seus estudos, da formação da sua vida pessoal.

Façam as contas vocês para ver quantos ex-jovens temos, e qual o motivo de não frequentarem a Casa?  Será que as nossas “diferenças eventuais” serviram de exemplo para o seu afastamento? Procuramos um diálogo franco e aberto com eles?

Passado este “trauma do dia 6 de Fevereiro”, vamos ver se surgem candidaturas no próximo domingo, quer aquelas espontâneas, ou aquela no “estrito dever” de salvar a Casa, ou mesmo aquela escondida debaixo da manga e que não foi o momento de apresentar.  Qual seja ela, que apareça!  Depois vamos pensar se devemos reduzir o longo mandato de 3 anos, quem sabe para eventualmente poder estimular novos candidatos noutras eleições.  Li com interesse o artigo do jornal sobre o Lusitano Club (Califórnia) que tem mandato de 1 ano, e numa eleição candidataram-se 5 associados.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 06/02/2011 por em Casa Macau S.Paulo.

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.114.121 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Em Macau, celebração diferente do 13 de Maio Dia de Nossa Senhora de Fátima em 2020 devido à pandemia

Em Macau, celebração diferente do 13 de Maio Dia de Nossa Senhora de Fátima em 2020 devido à pandemia

Por medidas de precaução em função da pandemia do novo coronavírus Covid-19, a celebração do Dia de Nossa Senhora de Fátima, no dia 13 de Maio, foi diferente no mundo todo. Até que em Macau a celebração contou com a participação limitada de fiéis na missa realizada na Igreja de São Domingos, mais que no Santuário […]

Por detrás da foto oficial do Encontro das Comunidades Macaenses Macau 2019

Por detrás da foto oficial do Encontro das Comunidades Macaenses Macau 2019

A sessão fotográfica nas Ruínas de São Paulo é tradição já há vários Encontros das Comunidades Macaenses, e não foi exceção na edição Macau 2019. Aconteceu no dia 26 de Novembro, uma terça-feira, por volta das 16 horas. Ao que parece, uma tradição chinesa em Macau, a foto oficial reuniu os participantes do Encontro de […]

Ruínas de São Paulo e as ruas de acesso à principal atração turística de Macau

Ruínas de São Paulo e as ruas de acesso à principal atração turística de Macau

Após 9 anos de ausência, desde o Encontro das Comunidades Macaenses de 2010, já no segundo dia da chegada a Macau para a edição de 2019, por saudades fomos visitar as Ruínas de São Paulo, mesmo sendo um Sábado quando se espera uma multidão de turistas do Continente da China que costumam congestionar as vias […]

%d blogueiros gostam disto: