Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Patoá: “Tirá Pum” unga estória di Mariazinha Carvalho

A Mariazinha Carvalho, sempre inspirada para escrever seus textos e histórias em Patoá, mandou-me esta que … bem … alguém que não passou por isto “que atire a primeira pedra”.  Ela jura que a história ou estória é verdadeira.  Salvo umas palavras que exigiram uma consulta no dicionário do Patoá, entendi quase tudo.  Pega-se o raciocínio e similaridade com o português para entender outras, certo?

UNGA ESTÓRIA DI “TIRÁ PUM”

Vosôtro lôgo pensá “Ai qui medónha, qui vegónha, qui vida fêde, contá estória di “Tirá Pum”.  Ante di contá iou já pensá:  Si Adé qui sâm Pai di Patuá já contá acunga estória di “Ôlo-deco”, iou qui sâm unga “humilde seguidora” di Adé   tamêm astrevê contá estória di “Tirá Pum”.  Porque vegónha?  Pum nuncassá asnéra, nuncassá pecado.  Cusa querê fazê?  Querê cizí ôlo-deco pa nádi dessá pum sai fóra?  Sabe cusa pôde acontecê?  Bariga ficá inchado, cara ficá marêlo, ôlo ficá virado,  cabéça ficá vangueado,  pôde até cai estirado na chám ramendá unga morto.

Bom,  hoze iou vêm pa contá  estória di pum di iou-sa nhum Chicoi.  Estunga estória sâm vedade, nuncassá iou-sa inventaçám.

Unga domingo di chuva-frio,  cusa vai fazê? Sâm  chocá na casa olá televisám-ia.  Direpente iou-sa amiga brasiléra telefoná: “Mariazinha, estou preparando um panelão de feijoada brasileira e como sei que gosta, venha junto com o Chicoi para jantar conosco”.  Feijoada brasiléra, iou nádi faltá! Tufám No.10 iou tamêm lôgo sai di  casa.  Assi nôs dôs dále  capa, enrolá cascol na pescoço, azinha azinha corê vai casa di iou-sa amiga comê  feijoada brasiléra.  Nôs rufá qui ravirá. Cavá inchí bariga, anôte-anôte, iscuro-iscuro-ia, sâm ora di voltá pa casa.   Quelóra isperá elevador chegá, estopôr di Chicoi  co cara marêlo qui marêlo virá pa iou falá: “Ai Mariazinha, iou non pôde aguentá más-ia, iou querê tirá pum”. Cusa? Ne bom astrevê fazê seléa asnéra.    Olá, nôs dôs empido chipido nunga coredor pichote, bafado, sim porta nim janela, ispéra estunga elevador antigonso qui nunca más chegá. iou certo lôgo pegá saván co estunga fedor di pum.  Chicoi di cara marêlo agora já virá ficá vérde falá:  “Iou prometê qui nádi tirá pum fêde”.  Cusa,  vôs querê iou acreditá?    Tudo pum sâm fêde, agora pum di fijám ne bom falá-ia, nuncassá somente fêde, sâm podre di fêde.

Acunga ora iou têm qui fai-fai pensá  cusa vai  fazê pa “adiá” estunga pum.   Azinha-azinha unga luz já vêm alumiá iou-sa cabéça, assi iou virá pa Chicoi falá:  “Uví, prestá atençám cusa nôs vai fazê. Quelóra elevador chegá, nôs intrá, elevador decê, faltá unchinho pa tocá chám sâm ora qui vôs têm qui largá pum, porta abri nôs azinha pulá fóra, porta fichá assi trancá vosso pum dentro di elevador, j´ólá?”.  Estunga môno disesperado falá: sâm, sâm, sâm.  Ele sâm uide bom marido, fazê tudo laia-laia di ancusa qui iou mandá.  Aleluia… elevador já chegá e nôs fazê  igual qui igual qui iou planejá.  Perto tocá chám-ia, Chicoi  obidiente qui obidiente soltá acunga   pum travado, cavá nôs azinha pulá fora dessá pum ficá pa tráz.  Qui azar, quelóra nôs pulá fóra já da di cara co unga nhónha chistosa vesti janota qui janota, saia tocá chám, fula na pêto, fula na cabéça,  certo já voltá di unga festa di casamento.  Zás, qui azinha ela já emfiá dentro di elevador, porta fichá, nôs ficá  fóra parado, paralizado, bóca aberto, bêço pendurado, ôlo batê-batê olá  elevador vagar-vagar, gongchông-gomgchông, vai riva-riva-riva co nhónha e pum di Chicoi juntado até pará na 18º andar.  Qui ramêde, tánto tempo assi  onçôm-onçôm fichado co pum fêde di Chicoi  certo estunga nhónha já ficá vangueado-ia.  Iou non  têm culpa si iou-sa plano já falhá, mas uví vosôtro, nuncassá unga “boa idéia”?   Isperimentá, cavá contá pa nosôtro uví!!!

Nota do Editor: A Mariazinha,hoje, contribui simultaneamente seus textos em Patoá para o Crónicas Macaenses e o blog em patoá Como Tá Vái, num esforço para ampliar a divulgação do dialecto macaense.

Mariazinha e Chicói, acima em 2012 e abaixo em 1953eterno amor!!!

Unga estória di Pum di brasiléro

Anúncios

2 comentários em “Patoá: “Tirá Pum” unga estória di Mariazinha Carvalho

  1. Anabela Pedruco Vieira
    14/03/2012

    Adorei!!! Parabéns à D. Mariazinha e toda a equipa deste site, pela rica contribuição e preservação deste dialecto que a nós pertence! Felicidades e muita saúde!

    • Que bom Anabela!!! Muito agradecido pelo teu comentário. É um contributo pela preservação do nosso dialecto. Felicidades e saúde para você também. Abraços!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.021.558 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Receitas de camarões e pimentas recheadas da gastronomia de Macau com Bosco Silva e Alex Airosa

Receitas de camarões e pimentas recheadas da gastronomia de Macau com Bosco Silva e Alex Airosa

A relembrar a aula de gastronomia realizada na Casa de Macau de São Paulo em 24/02/2008, ministrada pelos chefs João Bosco Quevedo da Silva e Herculano Alexandre (Alex) Airosa, seguem as fotos e receitas de camarões grandes recheados com ervas à moda de João Bosco Quevedo da Silva e pimenta recheada à moda do Alex Airosa. Na época, a coordenação das aulas e elaboração das […]

Procissão do Corpo de Deus em Macau

Procissão do Corpo de Deus em Macau

PROCISSÃO DO CORPO DE DEUS EM MACAU Texto, fotografias e legendas de Manuel V. Basílio (Macau) As cerimónias do Corpo de Deus, ou Corpus Christi, ou mais precisamente, a Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, decorrem habitualmente na quinta-feira seguinte a Domingo de Pentecostes, 60 dias depois da Páscoa, tendo este ano ocorrido no […]

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

Não há como não se emocionar ao ouvir a bela canção Adeus Macau, seja qual for o/a intérprete. Possivelmente uma lágrima ou outra poderá escorrer no seu rosto. Alguns associam a canção à transição de soberania de Macau para a China, que em 2019 completa 20 anos. Pode até servir, se quisermos considerar o adeus […]

%d blogueiros gostam disto: