Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

São Paulo: Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte

Na região da Praça João Mendes, Praça da Sé e Praça Clóvis, e tendo como referência a Rua Tabatinguera, localizados no centro velho e histórico de São Paulo, já fiz postagens, recentemente sobre o Museu de Justiça de São Paulo e uma mais antiga da Igreja de Santa Luzia, que tem sido bastante pesquisada conforme mostram os números internos do provedor.

Vou acrescentar à lista a Igreja de Nossa Senhora de Boa Morte que fica na Rua do Carmo com entrada também pela Rua Tabatinguesa.  Sempre que passo por lá, nunca deixo de dar uma parada na igreja e pedir para Nossa Senhora o que desejamos quando chegar a nossa vez de partir.  A sua restauração foi excelente, pois a conhecia há tempos quando estava quase em ruínas, especialmente no fim dos anos 60 e início de 70.  Na época era passagem quase que obrigatória por residir em S.Bernardo do Campo e apanhava o ônibus/autocarro no Parque Dom Pedro, precisamente no saudoso Parque Shanghai, isso nos também saudosos tempos da minha recente imigração para o Brasil em 1967.

Vamos conhecê-la com as fotos que fiz, sua história inclusive a origem da devoção à Nossa Senhora de Boa Morte, conforme pesquisa na internet:

Igreja de Nossa Senhora de Boa Morte, São Paulo/SP

Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte, São Paulo/SP

Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte

A Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte data de 1810 e foi construída num terreno que foi comprado pela Irmandade de Homens Pardos de Nossa Senhora de Boa Morte quando São Paulo ainda era uma aldeia. É uma das poucas remanescentes na cidade do estilo barroco colonial paulista. O nome “Boa Morte” deriva do pedido que os escravos que iram ser enforcados no Largo da Forca, no bairro de Liberdade, faziam a Nossa Senhora e a Igreja ficava no caminho do trajeto deles para a morte..

Dentro das imagens, pode-se ver a do Cristo, por volta do século XVI, que foi trazida do Pátio do Colégio ( foto abaixo).

Igreja.N.Sra.Boa.Morte.16.169

Sofreu uma reforma em 1984, mas devido aos problemas com cupins e o mofo, foi fechada em 2005 e a restauração durou 3 anos, iniciando-se em 2006, e reaberta em 2009. Hoje é tombada como patrimônio histórico.

A Igreja também é conhecida como a primeira de São Paulo em que brancos e negros sentavam-se juntos. A sua reforma foi bancada pela iniciativa privada e o Estado e o seu espaço também passou a ter atividades culturais, como apresentação de corais.

Fica localizada na Rua do Carmo, esquina com a Rua Tabatinguera, no centro de São Paulo, próximo à Praça da Sé.

a Igreja também é utilizada para concertos musicais

a Igreja também é utilizada para concertos musicais

a entrada ao fundo

a entrada ao fundo

A origem da devoção a Nossa Senhora da Boa Morte

A devoção à Nossa Senhora da Boa Morte chegou aos cristãos do Ocidente, através da tradição cristã do Oriente, sob o título de “Dormição da Assunta”. Talvez, esse seja o culto mariano mais antigo, iniciado logo nos primeiros séculos do cristianismo. A última metade do século V foi marcada pela propagação de uma literatura apócrifa, isto é, escrita na época dos fatos, mas não incluída na Bíblia, sobre a morte e assunção da Virgem; e a construção de uma Basílica para venerar o túmulo da Mãe de Deus, por ordem da imperatriz Eudóxia. Isso acabou provocando a mudança do conteúdo temático do culto de 15 de agosto, para a “Dormição da Assunta”, já no início do século VI.

Os escritos apócrifos revelavam que, a Virgem Maria teria entrado em “Dormição”, isto é, entrado no sono da morte rodeada pelos apóstolos. O seu corpo imaculado foi levado por eles a um sepulcro novo no Getsêmani. Três dias depois, eles voltaram ao local e o encontraram vazio e com odor de flores. A Mãe fôra “Assunta”, isto é, subira ao céu em corpo e alma. No século VII, o imperador Maurício prescreveu que essa festa mariana fosse celebrada em todos os seus domínios, como uma das mais importantes. E finalmente, o Papa Sérgio I a introduziu na liturgia de Roma. Desse modo, o culto “Dormição da Assunta” ou “Dormição da Mãe de Deus” alcançou toda a Igreja, do Oriente e do Ocidente.

A imagem de Nossa Senhora da Boa Morte no topo do altar-mor

Altar-mor

A Igreja do Oriente, se dedicou ao culto da devoção da Mãe de Deus, até por ser a mais primitiva. Muitas igrejas cobertas de ícones sagrados foram erguidas em todos as regiões, nesse período bizantino. Os lugares sagrados, marcados pelos acontecimentos da Revelação do Mistério de Deus, foram guardados dentro de magníficos templos cobertos de ícones. Os ícones não foram feitos para adornar o templo, são pinturas que representam os símbolos sagrados da Igreja e descrevem o Evangelho. Assim, uma grande profusão de ícones invadiu a Igreja do Ocidente, especialmente os da Mãe de Deus. A Virgem Santíssima, além de ser invocada e representada em “Dormição”, foi chamada de “Assunta”, como seu filho foi elevada ao céu, pelo mérito de Cristo, obtendo a Redenção corpórea.

Igreja.N.Sra.Boa.Morte.14.165

Venerar a Boa Morte de Nossa Senhora sempre foi uma grande festa, para os cristãos. Ela é a primissa da glorificação do corpo e da alma, assegurada por Cristo no final dos tempos. Antigamente o culto iniciava na véspera, com a deposição da imagem da Virgem “dormente”, num esquife e ficava exposta à visita dos fiéis até a manhã da festa, quando era retirada e colocada a imagem triunfal de Nossa Senhora da Assunção. Em algumas localidades essa tradição se manteve, inclusive nas Américas que herdou o culto dos missionários espanhóis e portugueses.

O dogma da Assunção de Maria só foi proclamado pelo Papa Pio XII em 1950, como conseqüência lógica de intensos estudos históricos e teológicos patrocinados pela Igreja ao longo desses séculos. Ele só fez coroar uma fé sempre professada universalmente por todo o Povo de Deus. Nossa Senhora da Boa Morte

Fonte: http://www.igreja-catolica.com/nossa-senhora/nossa-senhora-da-boa-morte.php

Igreja.N.Sra.Boa.Morte.13.164

Uma grande surpresa foi encontrada durante o restauro, uma pintura barroca representando o Coroamento da Virgem Maria, encontrada sob camadas de tinta cinza, em tábuas do forro de madeira sobre o altar. O antigo forro, anteriormente desmontado no chão da igreja, foi restaurado e recolocado no local. (fonte: Viva O Centro)

Igreja.N.Sra.Boa.Morte.15.167

Também foram restauradas 13 imagens sacras, uma delas a do Cristo prisioneiro, que fica na lateral do altar, embaixo de uma das 12 tribunas da igreja, local em que as pessoas mais importantes da sociedade assistiam às celebrações (fonte: Viva o Centro)

Igreja.N.Sra.Boa.Morte.09.158Igreja.N.Sra.Boa.Morte.11.161

Igreja.N.Sra.Boa.Morte.12.162

Igreja.N.Sra.Boa.Morte.10.160

Igreja.N.Sra.Boa.Morte.02.185

Igreja.N.Sra.Boa.Morte.03.148

Anúncios

3 comentários em “São Paulo: Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte

  1. ENTREI NA PÁGINA, A FIM DE VER AS IMAGENS DESSA IGREJA QUE NO ANO DE 1941, ABRIGOU O SENHOR DO BONFIM QUE A BAHIA OFERECEU A SÃO PAULO, E QUE HOJE SE ENCONTRA EM SANTO ANDRÉ, NA IGREJA SENHOR DO BONFIM.ACHOU ESTRANHO A MINHA
    CURIOSIDADE? MAS É PARTE DO TEMA DA MINHA PESQUISA SOBRE A VIDA DESSE ESCULTOR QUE SE CHAMA PEDRO FERREIRA. A IMAGEM É RÉPLICA DO SENHOR DO BONFIM DE SALVADOR. NO ANO DE 1938, SÃO PAULO OFERECEU A BAHIA A RÉPLICA DA NOSSA SENHORA APARECIDA. NO ANO DE 40 A BAHIA RESOLVEU RETRIBUIR COM A RÉPLICA DO SENHOR DO BONFIM,E O ESCULTOR ESCOLHIDO FOI PEDRO FERREIRA. A IMAGEM CHEGOU AÍ NO ANO DE 1941.TENHO MUITOS ARTIGOS DE JARNAL. SERÁ QUE A IGREJA TEM ALGUM REGISTRO ESCRITO OU FOTOGRÁFICO DO FATO? ESPERO QUE ENTREM EM CONTATO COMIGO ATRAVÉS DO MEU E_MAIL.
    MUITÍSSIMO GRATA
    LUCILA FERREIRA DE PINHO

  2. Maria Lucila Ferreira de Pinho
    16/03/2016

    Pretendo ir até maio a Igreja Nossa Senhora da Boa Morte, mas até hoje aguardo resposta da minha pergunta..A IGREJA TEM REGISTRO DO PERÍODO EM QUE AÍ PERMANECEU O SENHOR DO BONFIM QUE A BAHIA OFERECEU A SÃO PAULO EM 1941?

    FOTOS OU REGISTRO EM LIVROS.
    Aguardo resposta.

    • Infelizmente Maria Lucila não tenho a informação que quer. Apenas tirei as fotos da igreja e coletei os dados na internet para publicação na postagem. Não sou um catedrático,pesquisador ou historiador do assunto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 723,128 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: