Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Reencontro macaense 2012 em Foz de Iguassu

As cataratas de Foz de Iguaçu, lado brasileiro, em Dezembro de 2012

As cataratas de Foz de Iguaçu, lado brasileiro, em Dezembro de 2012

Revisitar esta cidade que tanto gosto, Foz de Iguaçu, no extremo sul do Brasil, fronteira com a Argentina e o Paraguai, resultou num reencontro, digamos, macaense (gente de Macau-hoje China) ou seja, de conterrâneos e amigos, desde a última visita em 2009.

Foi através do meu site Projecto Memória Macaense, fundado em 2003, nos tempos em que não havia Facebook e outras redes sociais, que Arlete Ferreira Chan veio a me contatar, mortinha de saudades da sua terra natal, Macau e da sua gente Macaense.  De um modo, o site conseguia aliviar as saudades.

Quando em 2009 viajamos para Foz de Iguaçu, após a última vez há cerca de 20 anos, pudemos ter um encontro macaense a cerca de 1.100 km de São Paulo.  Quem diria que a nossa imigração chegou a longínqua Foz de Iguaçu, apesar de serem os únicos macaenses desta cidade tão turística.

O nosso encontro, como não podia deixar de ser, foi num restaurante chinês.  Ali, eu, Rogério e a Mia, além do macaense Rigoberto Rosário Jr. “Api” (autor da canção Macau, ex-integrante dos The Thunders) e esposa Margareth, nos encontramos com o casal Arlete Ferreira Chan e Manuel Chan, além da filha Fernanda, candidata a uma brilhante carreira na área de Relações Internacionais.  Aliás a Fernanda já me avisou que quando for fazer um trabalho sobre Macau, onde lá esteve em 2012, espera contar com a minha colaboração, o que para mim será uma enorme honra.

Da esquesda, Margareth Rosário, Mia Luz, Arlete Ferreira Chan, Fernanda, Manuel Chan, Rigoberto Rosário Jr. "Api" e Rogério, autor deste blog

Da esquesda, Margareth Rosário, Mia, Arlete Ferreira Chan, Fernanda, Manuel Chan, Rigoberto Rosário Jr. “Api” e Rogério, autor deste blog. Desculpe o mau jeito da foto tirada após a refeição, quando lembrei de pedir para tirar. Às vezes a gente esquece da função de blogueiro, quando a conversa entre amigos está boa demais.

A comida chinesa, de sabor cantonês, estava simplesmente espetacular.  Poderia dizer que no Brasil, a melhor comida chinesa está em São Paulo e em Foz de Iguaçu.  Mas porque lá? Explica-se que por fazer fronteira com a Ciudad del Este, Paraguai, porto livre de impostos, há uma enorme população chinesa nos dois lados da fronteira, e como não poderia faltar, comida chinesa das boas, já que os produtos alimentícios chineses podem ser importados livremente.  Só basta atravessar a ponte para comprá-los.

Felizardos, o casal e a Fernanda viajaram para Macau em 2012 e lá ficaram por quase um mês.  Mataram toda a saudade possível, só que um detalhe que o Fernando Chan observou: os preços em Macau estão mais caros que no Paraguai.  Fato que também notei em algumas coisas nesta viagem, comparando com os preços de 2010, quando viajei para Macau para o Encontro das Comunidades Macaenses.

Muito obrigado Arlete e Manuel pelo jantar. Foi um enorme prazer reencontra-los em Foz, e ainda mais ter nos levado para o excelente restaurante chinês, que voltamos no dia seguinte para almoçar.  Macaense é assim: nunca dispensa uma boa comida chinesa.

Ah, neste jantar, conhecemos um chinês de Macau, cujo nome não me recordo, que nos foi apresentado pelo Manuel Chan.  Fiquei maravilhado com a sua alegria em conhecer novos conterrâneos.  Achei muito interessante e bem legal esta enorme satisfação demonstrada.  De fato, podemos ter nacionalidade portuguesa e ele chinesa, mas, o chinês preza muito aquele que nasceu na sua terra.  Para ele, os macaenses de língua portuguesa nascidos em Macau são – filhos da terra – e isso é o que importa para o chinês.  Minha reverência por este sentimento, que é mútuo.

Esta foto foi o nosso primeiro encontro em Foz de Iguaçu em 2009

Esta foto foi o nosso primeiro encontro em Foz de Iguaçu em 2009

Para seu conhecimento, Arlete Ferreira nasceu em Macau e emigrou para o Brasil em 1983, tendo trabalhado na PSP e na Administração Civil. É filha de António Virgílio Ferreira, ex-chefe da PMF e falecido em 2006, e de Luísa Howard Viana Ferreira, ex-enfermeira do Hospital São Januário de Macau. Seus tios, Henrique José Ferreira e Maurício Godofredo Ferreira (ex-HSB em HK).

O Manuel Fernando Chan Yuen contou-me do drama de ter deixado Moçambique, após a independência, emigrando para Macau, onde trabalhou na CEM em Coloane.  Apesar da origem chinesa, aprendeu o cantonense com a Arlete, e na sua companhia emigrou para o Brasil, primeiramente em São Paulo e após, para Foz por motivo de emprego.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 09/01/2013 por em Diáspora Macaense, Foz de Iguaçu e marcado .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 707,530 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: