Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Roma: Piazza di Spagna e suas famosas escadarias

Ir a Roma e não sentar nas famosas escadarias da Piazza di Spagna, o seu passeio não foi completo.

Ir a Roma e não sentar nas famosas escadarias da Piazza di Spagna, seu passeio não foi completo.

Roma é cheia de simbolismos.  Não ter jogado uma moeda na Fontana di Trevi, você não foi a Roma. Agora, um outro simbolismo é que se não foi à Piazza di Spagna (Praça da Espanha), no norte da cidade, e sentado nas suas famosas escadarias, sua visita a Roma foi incompleta. Classificada como um dos deslumbrantes lugares de Roma, a Piazza di Spagna é um ponto de encontro diurno e noturno de turistas e romanos.

(fotografias de/phots by Rogério P.D. Luz)

Piazza di Spagna, as escadarias e a chiesa (igreja) Trinità dei Monti no alto

Piazza di Spagna, as escadarias e a chiesa (igreja) Trinità dei Monti no alto.  Em 1º plano a Fontana della Barccacia.

De acordo com a enciclopédia livre Wikipedia: “tem uma escadaria monumental em três seções, seguida na seção central por outras escadas que sobem nas laterais e levam à igreja de Trinità dei Monti. A construção da escadaria se deve ao arquiteto Francesco de Sanctis (de 1723 a 1726) às custas do embaixador da França, Etienne Gueffier.

A fonte no centro da praça, na forma de um barco (Barccacia), é afetuosamente chamada pelos romanos de La Barcaccia, ou velha banheira. É atribuída a Gian Lorenzo Bernini ou a seu pai Pietro Bernini e foi feita em 1627 – 1629,segundo dizem esta foi inspirada pela chegada à praça de um barco durante a inundação do rio Tibre 1598. A anedota serviu para que o Papa Urbano VIII encarregasse a Pietro Bernini a execução da obra, ajudado por seu filho que mais tarde lhe superaria em fama e técnica, Gian Lorenzo.”

Roma.Piazza di Spagna (03)

As escadarias têm o nome em italiano de Scalinata della Trinità dei Monti, também conhecida por Scalinata di Spagna. São três lances de degraus baixos, 138 ao todo.  A Piazza di Spagna foi batizada com este nome em vista de lá ter sido a moradia de um embaixador espanhol.

Roma.Piazza di Spagna (05)

A chiesa (igreja) di Trinità dei Monti

Roma.Piazza di Spagna (06)

o plano intermediário das escadarias

Roma.Piazza di Spagna (07)

vista do último plano das escadarias diante da igreja. Ao fundo, a vista da torre da Basílica de São Pedro e aonde o sol se põe

A construção da Chiesa (igreja) di Trinità dei Monti foi encomendada pelo rei Carlos VIII da França em 1495 a pedido de São Francisco de Paula que viveu no convento vizinho. Foi consagrada pelo Papa Sisto V em 1585 e restaurada por Luís XVIII em 1816 após ter sido saqueada por Napoleão, porém apesar de estar em Roma pertence à França.

O interior da chiesa

O interior da Chiesa Trinità dei Monti, a igreja dos franceses em plena Itália.

Toda igreja de Roma é monumental por dentro, seja pequena ou grande

Toda igreja de Roma é monumental por dentro, seja pequena ou grande.

Roma.Piazza di Spagna (10)

Na frente das escadarias está a famosa Via dei Condotti com as suas lojas de grife como a Gucci, Valentino, Prada etc. A rua se equivale à 5ª Avenida, ou Bond Street.

Roma.Piazza di Spagna (11)

Atrás da Mia, a Fontana della Barccacia que foi projetada para parecer um barco afundado.

Roma.Piazza di Spagna (12)

Vista da Chiesa Trinità dei Monti da Via Dei Condotti. Passava pouco das 5 da tarde no inverno de Roma e já era noite

Roma.Piazza di Spagna (13)

A Via dei Condotti, a famosa rua de grifes e marcas famosas

(clicar nas fotos para aumentar)

Para chegar na Piazza di Spagna descemos num ponto próximo dentro do roteiro dos ônibus/autocarros de turismo circulares, daqueles com o teto aberto.  Pelo mapa que fornecem com a compra das passagens, que o nosso foi com validade de dois dias, identificamos o ponto mais próximo e sem problemas chegamos na praça.  Na volta, andamos tranquilamente até o Pantheon em 40 minutos, parando aqui acolá, e de lá para a Piazza Navona, tudo na escuridão de noite das 6 da tarde.  De lá tomamos um ônibus comum para voltar ao hotel. Uma tristeza, era o último dia e a sensação que precisava ficar lá pelo menos mais uma semana, tinha muita coisa para ver.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 695,172 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: