Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

20 Anos de silêncio do Patoá do poeta macaense Adé

José dos Santos Ferreira "Adé", poeta macaense

José dos Santos Ferreira “Adé”, poeta macaense (fonte: Macau di Tempo Antigo editado pela Fundação Macau 1996)

Há 20 anos atrás, em 24 de Março de 1993, falecia em Macau (ex-território português na China) o poeta macaense José dos Santos Ferreira, mais conhecido por Adé. Mestre do Patoá da era moderna, o dialecto de Macau da gente macaense de língua portuguesa.

Para recordar o Adé, leia o histórico da sua vida publicada na Revista Macau, e ouça o poema Bote Dragám (Barcos-Dragão) por ele recitado e acompanhe com os versos em patoá e a tradução em português ao lado.

José dos Santos Ferreira “Adé”

sua história pela Revista Macau, edição de Maio 1994 II Série nº 25

Quando José (Adé) dos Santos Ferreira morreu, em 1993, quase se generalizou a ideia de que, com ele, tinha desaparecido de vez. o patoá. Mas não: a sua morte como que sacudiu a letargia em que se encontrava a comunidade de filhos da terra.  E o esforço do Adé – a dedicação de uma vida afinal – não terá sido em vão.

JOSÉ INOCÊNCIO DOS SANTOS FERREIRA nasceu a 28 de Julho de 1919 — o último de 18 filhos de Florentina Maria, viúva e casada, em segundas núpcias, com Francisco dos Santos Ferreira, um beirão de Seia (pai de Adé).

Órfão de pai aos cinco anos, o pequeno Adé conhece uma infância difícil. Depois de aprender as primeiras letras, aos sete anos, com uma velha mestra macaense, frequenta a escola primária num casarão na Calçada do Gamboa e recebe duas refeições diárias da solidariedade social.

Em 1931. matricula-se no Liceu, mas as dificuldades financeiras fazem-no abandonar os estudos ao 5° ano. Aos 17 anos de idade,consegue o seu primeiro emprego, de amanuense nas Obras Públicas, com o salário mensal de 30 patacas.

Depois de ter cumprido o serviço militar (1939-40), volta a ser mobilizado, quando estala a Guerra do Pacifico, e cumpre mais seis meses de tropa.

Em 1956, “regressa” ao Liceu, agora como chefe da secretaria, e faz uma autêntica “cruzada” em defesa dos estudantes de menos posses, conseguindo para muitos deles isenção de propinas (a que ele próprio nunca tinha tido direito, enquanto estudante) e outros benefícios da assistência social.

As preocupações humanitárias e sociais marcariam, depois, a sua passagem pela STDM (SociedadedeTurismo e Diversões de Macau), o seu emprego de sempre depois que se reformou da função pública, em 1964, tendo levado a empresa dirigida por Staniey Ho a instituir bolsas para estudantes.

Remontavam já aos tempos em que era chefe de secretaria do Liceu, as suas colaborações nos jornais de Macau; primeiro, dispersas, e, com o correr do tempos, cada vez mais intensas. Integrou a redacção do Notícias de Macau e foi chefe de redacção de O Clarim, semanário católico, e dos diáriosComunidade e Gazeta Macaense. Foi ainda correspondente de vários periódicos da república (Diário de Notícias, Diário do Norte, Diário Popular, Volante); do China Mail de Hong Kong e da agência norte-americana Associated Press.

No plano desportivo, Adé foi praticante de várias modalidades. Do futebol ao atletismo, passando pelo ténis, Santos Ferreira notabilizou-se particularmente no hóquei em campo, tendo integrado, ao longo de doze anos, a selecção de Macau desta modalidade, bem do agrado da comunidade macaense.

José dos Santos Ferreira foi também a “alma” de uma miríade de actividades desportistas, culturais e recreativas, e esteve à frente, ou na fundação, de diversas associações desportivas de Macau; tudo isto paralelamente à sua profícua produção literária, sobretudo em dialecto macaísta. Além disso, foi, na sua geração, o grande animador das noites de teatro e récitas macaístas do D. Pedro V, como se dá conta noutro artigo desta edição.

Nos anos 80, a TDM (rádio e TV) produziu uma série de programas sobre o patoá e Adé dos Santos Ferreira foi, naturalmente, a sua voz e imagem.

Perfeccionista e obstinado, simples e autêntico, coerente e generoso — adjectivos tirados ao acaso de depoimentos —, Adé mal conseguiu disfarçar a sua amargura com o destino que, em meados da década de oitenta, se desenhou para a sua terra.

José dos Santos Ferreira deixou o mundo dos vivos a 24 de Março do ano da graça de 1993, vítima de um enfisema pulmonar, após prolongado internamento numa clínica de Hong Kong. Ainda não tinha completado 74 anos de idade.

Barcos dragão em Macau

OUÇA O POEMA BOTE-DRAGÁM (BARCOS-DRAGÃO) RECITADO POR ADÉ

extraído do CD – Doci Papiá di Macau (Poetas de Macau) da TRADISOM em co-edição com o Instituto Cultural de Macau

ACOMPANHE ABAIXO COM OS VERSOS DO POEMA EM PATOÁ E EM PORTUGUÊS

(digitalizado do livro Macau di Tempo Antigo editado pela Fundação Macau em 1996 – obs.: os versos não seguem rigorosamente os recitados pelo Adé)

Bote Dragam em patois.portugues de Adé (01)Bote Dragam em patois.portugues de Adé (02)Bote Dragam em patois.portugues de Adé (03)*Agradecimentos à TRADISOM, ao José Moças, o Instituto Cultural de Macau e a Fundação Macau.
A TRADISOM vende CDs on-line principalmente portugueses e também de Macau – visite o site no www.tradisom.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 673,943 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Viajar ao passado de Macau, dos belos tempos dos anos 60 e 70, é o que nos proporciona o vídeo “Macau 70”, produzido pela RTP Rádio e Televisão Portuguesa. A comemorar 70 anos, a RTP disponibilizou no seu website os arquivos para consulta ‘on-line‘ e Macau está presente numa das suas seções. Na apresentação do […]

%d blogueiros gostam disto: