Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

A maior árvore de caju do mundo, em Rio Grande do Norte

O tronco principal do maior cajueiro do mundo, na praia de Pirangi do Norte, Parnamirim, Rio Grande do Norte, Brasil

O tronco principal do maior cajueiro do mundo, na praia de Pirangi do Norte, Parnamirim, Rio Grande do Norte, Brasil

Na nossa viagem ao litoral sul de Natal, no Rio Grande do Norte, Brasil, dedicamos um dia somente para viajar pela Rota do Sol, como é conhecida, com inúmeras praias espalhadas pelos seus municípios adjacentes.

Percorrendo pouco mais de 12 quilômetros, no município de Parnamirim, encontra-se a praia de Pirangi do Norte onde se localiza um dos principais pontos turísticos dessa Rota.  Trata-se do maior cajueiro (árvore de caju) do mundo.  É realmente impressionante a extensão da árvore, como bem explica o texto abaixo, que por ser proibida a poda, acaba invadindo as ruas e estrada no seu contorno, que pelo visto, daqui a anos acabará interditando-as obrigando a construção de novas vias.

Leia o que a Wikipedia tem a dizer a respeito, e veja as fotos legendadas que trazem detalhes desta árvore gigante:

Na entrada para o parque do maior cajueiro possui variado comércio de roupas, artesanato e muito cajú para venda.

Na entrada para o parque do maior cajueiro possui variado comércio de roupas, artesanato e muito caju para venda.

(fotografia de/photos by Rogério e Mia Luz)

O  MAIOR CAJUEIRO DO MUNDO

(fonte: Wikipedia)

O maior cajueiro do mundo, também conhecido como cajueiro de Pirangi, é uma árvore gigante localizada na praia de Pirangi do Norte no município de Parnamirim, a doze quilômetros ao sul de Natal, capital do estado brasileiro do Rio Grande do Norte.

A árvore cobre uma área de aproximadamente 8500 m², com um perímetro de aproximadamente 500 m e produz cerca de 70 a 80 mil cajus na safra, o equivalente a 2,5 toneladas. E seu tamanho é o equivalente a 70 cajueiros. O cajueiro teria sido plantado em 1888 por um pescador chamado Luís Inácio de Oliveira; o pescador morreu, com 93 anos de idade, sob as sombras do cajueiro.

Toda esta vegetação pertence ao maior cajueiro do mundo.  Ao fundo a praia de Pirangi do Norte.

Toda esta vegetação pertence ao maior cajueiro do mundo. Ao fundo a praia de Pirangi do Norte.

Crescimento da árvore

O crescimento da árvore é explicado pela conjunção de duas anomalias genéticas. Primeiro, em vez de crescer para cima, os galhos da árvore crescem para os lados; com o tempo, por causa do próprio peso, os galhos tendem a se curvar para baixo, até alcançar o solo. Observa-se, então, a segunda anomalia: ao tocar o solo, os galhos começam a criar raízes, e daí passam a crescer novamente, como se fossem troncos de uma outra árvore. A repetição desse processo causa a impressão de que existem vários cajueiros, mas na realidade trata-se de dois cajueiros. O maior, que sofre da mencionada anomalia, cobre aproximadamente 95% da área do parque; existe também um outro cajueiro, plantado alguns poucos anos antes, que não sofre da anomalia.

Seus galhos se espalham por uma área de cerca de 8.500m2. O seu tamanho é o equivalente a 70 cajueiros

Seus galhos se espalham por uma área de cerca de 8.500m2. O seu tamanho é o equivalente a 70 cajueiros

O tronco

O tronco principal divide-se em cinco galhos; quatro desses galhos sofreram a alteração genética, e criaram raízes e troncos que deram origem ao gigantismo da árvore. Apenas um dos galhos teve comportamento normal, e parou de crescer após alcançar o solo; os habitantes do local apelidaram esse galho de “Salário Mínimo”. As raízes do cajueiro podem chegar a 10m de profundidade.

Em 1955, a histórica revista O Cruzeiro batizou o cajueiro de “O Polvo” e definiu o fenômeno como uma “sinfonia inacabada” de “galhos lançados em progressão geométrica”. À época, a planta tinha 2.000 m² de área. Em 1994, o cajueiro entrou para o Guiness Book.

Existe um mirante no próprio cajueiro que é muito frequentado por turistas. Dele, se tem uma visão panorâmica do cajueiro e da praia de Pirangi do Norte.

Seus galhos já invadem a estrada estreitando-a

Seus galhos já invadem a estrada estreitando-a

Poda

Questão polêmica, a poda do cajueiro divide a opinião da população.

Há os que são a favor, com o principal argumento de que com a poda realizada, o transito da Rota do Sol (um dos acessos ao litoral sul) iria fluir melhor, já que o cajueiro está invadindo a pista e criando congestionamento de transito em horários de pico. Além disso, moradores que tem suas casas próxima ao cajueiro temem que a árvore avance em direção às residências.

Há também os que são contra, pois defendem que se a poda for realizada, o cajueiro poderá ter comportamento inesperado e morrer, causando prejuízos a natureza e ao turismo do estado.

Em 15 de dezembro de 2012, foi inaugurado um caramanchão ao longo da Av. Dep. Márcio Marinho, que irá fazer com que os galhos da árvore fiquem suspensos por cima da avenida. (Wikipedia)

... e também ameaça invadir as casas na sua expansão

… e também ameaça invadir as casas construídas indevidamente no seu contorno

Um guia do parque ocasionalmente reúne as pessoas para contar a história do maior cujueiro do mundo.

Um guia do parque ocasionalmente reúne as pessoas para contar a história do maior cajueiro do mundo.

Passarelas foram construídas para preservar os galhos para não serem pisados

Passarelas foram construídas para preservar os galhos para não serem pisados

Praia Pirangi do Norte, em Parnamirim, vendo-se  dunas ao fundo, uma característica constante do litoral do Rio Grande do Norte

Praia Pirangi do Norte, em Parnamirim, vendo-se dunas ao fundo, uma característica constante do litoral do Rio Grande do Norte

clicar nas fotos para aumentar

Praia do Pirangi do Norte, vendo-se piscinas naturais ao fundo e embarcações que levam as pessoas para lá.

Praia do Pirangi do Norte, vendo-se piscinas naturais ao fundo e embarcações que levam as pessoas para lá.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 853.000 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

No almoço especial do Ano Novo chinês realizado na Casa de Macau de São Paulo em 18 de Fevereiro de 2018, o macaense José Noronha, 83 anos, andava a mostrar uma foto antiga para algumas pessoas que tinham mais ou menos a sua idade. Procurava ele matar as saudades dos velhos tempos em Macau. Macaense […]

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

%d blogueiros gostam disto: