Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

Poesia moderna chinesa de Zhou Zuo Ruen (1885-1969)

Macau 2010 (04)

De uma série da Revista Nam Van, edição de Fevereiro de 1985, a poesia moderna chinesa de Zhou Zuo Ren (1885-1969) explicada por Dr. W.L. Woo, professor da Universidade da Ásia Oriental, e traduzido do inglês por A.R. do Gabinete de Comunicação Social:

“VASO COM PLANTA SAGITADA”

Poesia Moderna Chinesa  1910-1949

Uma planta em forma de seta num vaso de cor verde, 

As sua folhas, piedosamente viçosas, 

Com a chegada do Outono gélido murcharam.

Apenas a água restou,

Na fria superfície dois ou três nenúfares,

de um verde pálido, flutuavam semelhantes a fitas.

Pintassilgos-verdilhões, visitantes assíduos, 

durante o sol poente,

mergulhavam nas águas banhando-se calmamente.

Zhou Zuo Ren (1885-1969)

ZHOU Zuo Ren é uma figura proeminente da escrita em prosa da literatura moderna chinesa. A sua obra, simultaneamente herdeira da tradição das Dinastias Ming e Quing por um lado, enceta, por outro, o caminho para novas formas de composição na escrita em prosa moderna. Mostra-se particularmente hábil na descrição de pormenores meramente triviais utilizando uma forma a tal ponto volúvel que os transforma em detalhes de grande interesse. Este processo descritivo denota e demarca um estilo muito característico do autor.

Entretanto, na fase inicial do Movimento da Literatura Moderna, o escritor revela-se igualmente como um grande poeta. Especialmente interessante é o emprego das técnicas da escrita em prosa na composição dos seus poemas. Consequentemente, o estilo patente nos poemas de Zhou Ren é extremamente semelhante ao da sua prosa. E evidente que, durante aquele primeiro período, os poetas pioneiros sofreram, numa medida considerável, a influência da poesia clássica, demonstrando uma relativa incapacidade para se libertarem das suas amarras. No entanto, os poemas de Zhou podem considerar-se livres de constrangimentos uma vez que ele emprega a forma coloquial pura na expressão dos pensamentos da época — próprios da mentalidade moderna portanto. É pois deste modo que Zhou Ren constrói o seu estilo típico impregnando os seus poemas de características inteiramente novas.

Para além de escrever os seus próprios versos, Zhou traduz também poemas japoneses. Estes últimos são poemas muito pouco extensos adequados somente à transmissão de sensações e sentimentos momentâneos ou do ‘sentir’ do poeta. O estilo destes pequenos poemas exerce uma influência de tal modo significativa que a imitação da sua escrita se transforma numa moda seguida por muita gente, mas apenas um reduzido número desses trabalhos pode ser considerado válido. Porém, o curto poema de Zhou aqui transcrito sob o título «Vaso com planta sagitada» constitui um desses raros trabalhos que encerram uma distinção estilística.

O que nos se apresenta descrito no poema é algo de muito simples e vulgar, mas que no entanto desprende uma atmosfera de tranquilidade. Apesar da simplicidade do cenário o interesse do leitor é facilmente captado logo numa primeira abordagem.

Os dois versos do início dão-nos apenas a imagem de uma planta em forma de seta contida num vaso de cor verde. Contudo, o quadro transporta para primeiro plano uma mensagem de vida. De facto, observar o crescimento progressivo da pequena e frágil planta constitui um prazer. A duração de vida de uma planta desta espécie é extremamente breve e processa-se num confronto constante com diversos obstáculos. Desenvolve-se gradualmente, mas eis que repentinamente o clima frio se instala. As suas folhas definham, a sua vida desvanece-se; tal como o belo ‘epi-phyllum’, o fulgor súbito num curto instante de uma estrela cadente. Resta apenas a água e a imagem surge agora plena de quietude e placidez.

Os quinto e sexto versos desvendam a ausência da planta sagitada do seu ‘habitat’, o vaso verde. Somente dois ou três nenúfares permanecem flutuando na superfície fria da água. Mas, num vislumbre de esperança, sobressai o potencial de vida que os pequenos nenúfares encerram e assim o quadro torna-se vivido patenteando uma animação latente embora escondida pela quietude. (Dr. W.L.Woo)

Macau 2010 (03)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 724,120 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: