Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Presença Portuguesa no Japão, no Século XVI, em poucas palavras

Portugal no Japao (01)Num texto curto e explicativo, o folheto impresso pelo Museu Marítimo de Macau, na época em que o território ainda era administrado por Portugal, nos dá uma ideia de como foi a presença portuguesa no Japão, no século XVI, a partir de 1543:

Portugal no Japao (03)

PRESENÇA PORTUGUESA NO JAPÃO

Em 1543, alguns portugueses desembarcaram na ilha de Tanegashima, iniciando-se então os contactos luso-nipónicos.

Os portugueses deram a conhecer aos japoneses o método de utilizar e fabricar a espingarda, arma até essa data desconhecida no Japão, e que rapidamente foi adoptada pelos exércitos dos diversos senhores feudais que se guerreavam com o objectivo de obter o controlo (controle) do país.

O estabelecimento de viagens regulares entre a índia e o Japão foi uma das principais causas do rápido desenvolvimento de Macau desde a sua fundação até às primeiras décadas do século XVII. Com efeito, o Japão era um grande comprador de sedas chinesas e, por outro lado, na China a prata nipónica era muito apreciada. A função de intermediário entre os dois países foi desempenhada pelos mercadores portugueses que graças à localização estratégica de Macau, tinham fácil acesso aos produtos chineses.

As grandes naus utilizadas pelos mercadores nessas viagens, os chamados «navios negros», foram motivo de inspiração para os artistas japoneses, autores dos célebres biombos-namban, que tão expressivamente retratam os marinheiros, os padres e os mercadores portugueses.

Mas não foi apenas na arte que se fez sentir a presença portuguesa no Japão.

A geografia, a cartografia, a astronomia, e a ciência náutica, entre outras, foram áreas que receberam um novo impulso com os conhecimentos levados da Europa pelos portugueses. A religião católica foi igualmente recebida com curiosidade e interesse pelos japoneses. Aos sacerdotes jesuítas se deve a introdução da medicina ocidental no Japão, e a instalação da primeira impressora de tipos móveis, com a qual editaram obras de carácter religioso, gramáticas, etc.

Através de Portugal, também a Europa tomou conhecimento do Japão. Os cartógrafos ocidentais começaram no século XVI a representar o arquipélago e as descrições feitas por Fernão Mendes Pinto no seu livro «Peregrinacão», ajudaram a conhecer o dia a dia do povo nipónico.  As peças de laca, os biombos e outro mobiliário japonês, as baixelas de prata, as porcelanas e tantos outros objectos de origem nipónica passaram desde então a fazer parte do recheio das habitações das classes abastadas da Europa.

Portugal no Japao (02)

 

* As imagens são do folheto do M.M.M.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.426.203 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Hoje, 24 de Junho de 2022, comemora-se 400 anos de “A Maior Derrota dos Holandeses no Oriente” na sua tentativa de tomar Macau dos portugueses. Até a transição de soberania de Macau, de Portugal para a República Popular da China, em 20 de Dezembro de 1999, a data era comemorada como “DIA DE MACAU” ou “DIA DA […]

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

%d blogueiros gostam disto: