Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Navegações portuguesas, do Atlântico ao Índico

Imagem da publicação do MMM

Imagem da publicação do MMM

Outro folheto do Museu Marítimo de Macau, impresso em 1991, ainda na administração portuguesa da cidade do Nome de Deus, fala sobre as navegações portuguesas – do Atlântico ao Índico – seu título.  Tal como outros dois que publiquei, com texto curto, explica bem o tema da época do Século XV:

Vejamos:

Imagem da publicação do MMM

Imagem da publicação do MMM

DO ATLÃNTICO AO ÍNDICO

Iniciadas no século XV as navegações portuguesas tiveram como principais fontes de inspiração: o conhecimento da costa africana, a localização da Etiópia e do reino de Preste João e a descoberta dum caminho marítimo para o Oriente, circum-navegando o continente africano.

Limite convencional do mundo conhecido pelos Europeus no século XV, o cabo Bojador era para os marinheiros da época uma barreira intransponível.  Superado em 1434 por Gil Eanes, a exploração da costa acidental africana prosseguiu tornando óbvio, à medida que se avançava para sul, que a concepção ptolomaica unindo a África e a Ásia à terra austral, fazendo do Índico um mar interior, estava completamente errada.

Ao dobrar o cabo da Boa Esperança, em 1487-88, Bartolomeu Dias põe em contacto os dois oceanos e abre para Portugal a possibilidade de atingir o Oriente utilizando uma rota exclusivamente portuguesa.

Vasco da Gama será o primeiro a fazer a ligação entre Lisboa e a Índia. Partindo de Lisboa a 8 de Julho de 1497 atingirá Calecut, depois de fazer  escala em vários pontos da costa oriental africana, em 20 de Maio de 1498. De resultados comerciais modestos e registando grandes perdas materiais e humanas a viagem inaugurou uma nova fase nas relações entre os continentes e abre através do Índico a possibilidade de expansão no Pacífico e no Extremo Oriente.

Portugal do atlantico ao indico (02)

Imagem da publicação do MMM

Imagem da publicação do MMM

Imagem da publicação do MMM

Monumento aos Descobrimentos em Lisboa, Portugal (foto Rogério P.D. Luz)

O Monumento aos Descobrimentos, popularmente conhecido como Monumento aos Navegantes ou Padrão dos Descobrimentos, localiza-se na freguesia de Belém, na cidade e Distrito de Lisboa, em Portugal. Em posição destacada na margem direita do rio Tejo, o monumento foi erguido para homenagear os elementos envolvidos no processo dos Descobrimentos portugueses. O monumento tem a forma de uma caravela estilizada, com o escudo de Portugal nos lados e a espada da Casa Real de Avis sobre a entrada. D. Henrique, o Navegador, ergue-se à proa, com uma caravela nas mãos. Em duas filas descendentes, de cada lado do monumento, estão as estátuas de heróis portugueses ligados aos Descobrimentos. Na face ocidental encontram-se o poeta Camões, com um exemplar de Os Lusíadas, o pintor Nuno Gonçalves com uma paleta, bem como famosos navegadores, cartógrafos e reis. (foto Rogério P.D. Luz)

Monumento de Vasco da Gama, em Macau (foto de Rogério P.D. Luz-2006)

Monumento de Vasco da Gama, em Macau (foto de Rogério P.D. Luz-2006)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.282.657 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Foi graças a um dvd distribuído por um dos seus filhos, que possibilitou ao Projecto Memória Macaense – PMM montar diversos vídeos filmados por Hércules António que nos trazem velhas e memoráveis lembranças daquela Macau antiga que mora no coração dos macaenses e daqueles que tiveram vivência no território. Os vídeos publicados no YouTube nos […]

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

No livro “Meio Século em Macau” de J. J. Monteiro (José Joaquim Monteiro) composto por dois volumes, nas últimas páginas do Volume II estão as letras da canção “Macau (linda)”, que infelizmente não temos a gravação e nem se sabe se houve, talvez nos arquivos pessoais de algum macaense ou familiares. Trata-se de uma música […]

Brasão de Armas de Macau

Brasão de Armas de Macau

Os Brasões de Macau portuguesa são todos inspirados nos estilos heráldicos tradicionais da Europa. O primeiro brasão de armas de Macau foi usado até ao final do século XIX. É apenas constituído pelas armas de Portugal cercado pela inscrição Cidade do Nome de Deus, Não Há Outra Mais Leal. O segundo brasão de armas foi […]

%d blogueiros gostam disto: