Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Quadros históricos – Macau

Quadros históricos (06)

Folheto de divulgação do Museu de Arte de Macau – MAM  e do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais, impresso em 2002, já na Macau retornada para a China, fala sobre os quadros históricos do seu acervo.

O texto e as imagens desta postagem são do folheto:

Quadros históricos (09)

QUADROS HISTÓRICOS E A GALERIA

Antigos documentos históricos relatam que o comércio entre a província chinesa de Cantão (Guangdong) e os países da orla do Mediterrâneo remonta aos tempos da dinastia Tang (618-906). Em meados do século dezasseis, os primeiros missionários católicos chegaram a Macau e aqui, cedo difundiram as artes e técnicas da xilogravura e pintura a óleo, divulgando-as mais tarde no seio do Império da China.

As obras dos primeiros pintores ocidentais que tiveram contacto com a China, vindos até aqui em navios comerciais estrangeiros, tinham como principais temas paisagens e habitantes nativos nas suas tradicionais ocupações e mesteres. Estas obras, construídas a partir de anotações ao vivo do meio ambiente e do povo, foram depois reproduzidas para serem vendidas aos cada vez mais freqüentes visitantes estrangeiros da China, que as levavam para os seus países onde eram objecto de grande curiosidade.

Inicialmente, estas pinturas ditas ‘de exportação’ eram, na sua grande maioria, executadas a tinta de óleo, mas durante o século dezoito este tipo de composições começou a ser produzido cada vez mais em outros media, tais como aguarela e guache- tendo como suporte cartão e, mais raramente, vidro. A popularidade deste tipo de obras pictóricas atingiu o seu auge em meados do século dezanove. Entre a última metade do século dezoito e a primeira metade do século dezanove os mais importantes artistas ocidentais que produziram pinturas ditas ‘de exportação’ foram o britânico George Chinnery (1774-1852), o francês Auguste Borget (1809-1877), o médico escocês Thomas Boswall Watson (1815-1860) e, já mais tarde, Marciano António Baptista (1856-1930) – nascido em Macau. Obras destes autores foram largamente copiadas para o mercado estrangeiro, por artistas contemporâneos chineses sediados em Guangzhou.

Sendo uma das características destas pinturas ditas ‘de exportação’ a fiel reprodução dos pormenores integrantes das suas composições- tanto paisagísticas como urbanas-os seus detalhes são valiosos testemunhos históricos da China de então. Este género de pinturas também influenciou as correntes pictóricas mais tradicionalistas e clássicas da China contemporânea.

Quadros históricos (04)

Quadros históricos (05)

Quadros históricos (07)Quadros históricos (08)

Quadros históricos (03)

Quadros históricos (01)Quadros históricos (02)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.461.887 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Hoje, 24 de Junho de 2022, comemora-se 400 anos de “A Maior Derrota dos Holandeses no Oriente” na sua tentativa de tomar Macau dos portugueses. Até a transição de soberania de Macau, de Portugal para a República Popular da China, em 20 de Dezembro de 1999, a data era comemorada como “DIA DE MACAU” ou “DIA DA […]

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

%d blogueiros gostam disto: