Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Macau de 1635, descrito por António Bocarro

“Uma das mais completas e antigas descrições de Macau feitas por António Bocarro em 1635” assim expõe o livro ‘De Longe à China” – Macau na Historiografia e na Literatura Portuguesas (Tomo I), de autoria de Carlos Pinto Santos e Orlando Neves e editado pelo Instituto Cultural de Macau.  O texto foi parcialmente extraído da seção dedicada ao cosmógrafo e cronista português António Bocarro.  No complemento do texto que deixa de ser publicado nesta postagem, fala sobre as fortalezas de Macau.

ANTÓNIO BOCARRO

António Bocarro nasceu em Abrantes, em 1594, sendo irmão do célebre Manuel Bocarro Francês, um dos mais afamados físicos e  matemáticos do seu tempo. A sua família pertencia à classe denominada cristãos novos.

Cosmógrafo e cronista geral da índia, para que foi nomeado, em 1631, conjuntamente com o cargo de guarda-mor do Arquivo Real de Goa. Foi continuador de Diogo do Couto na investigação histórica da Índia que escreveu em dois tomos e intitulou, como era hábito na época, Décadas.

O texto que se segue, um excerto, é uma das mais completas e antigas descrições de Macau. Data de 1635 e foi extraído do seu relato sobre as possessões portuguesas na Índia que intitulou, largamente, como Livro das Plantas de todas as fortalezas, cidades e povoações do Estado da índia Oriental com as descrições da altura em que estão, etc.. Este texto foi publicado por C. R. Boxer no seu livro Macau na época da Restauração. Mantiveram-se, por se acharem esclarecedoras, as notas de C. R. Boxer.

Macau no séc. XVII. Aguarela de Pedro Barreto de Resende, a primeira representação iconográfica portuguesa de Macau, inserida no Livro das Plantas e todas as Fortalezas , Cidades e Povoaçoens do Estado da Índia Oriental de António Bocarro.

Macau no séc. XVII. Aguarela (Br-aquarela) de Pedro Barreto de Resende, a primeira representação iconográfica portuguesa de Macau, inserida no Livro das Plantas e todas as Fortalezas , Cidades e Povoaçoens do Estado da Índia Oriental de António Bocarro.

DESCRIÇÃO DA CIDADE DO NOME DE DEUS DA CHINA (em 1635)

A cidade do nome de Deus está em altura de vinte e dois graus (1) e muito da banda do norte sita na ponta austral duma península, na costa do reino da China, na fralda do mar, na província de Cantão, uma das quinze em que se divide este grande reino do estado de Nanpan (2); esta ponta da dita península é chamada pelos nossos e pelos naturais Macau(3 ); tem a península uma légua de comprido, e no mais largo quatrocentos passos, a cidade fica tendo meia légua de comprimento e onde mais estreita cinquenta passos e onde mais larga trezentos e cinquenta, fica participando de dois mares do levante e poente, digo ponente, é uma das mais nobres cidades do Oriente por seu rico e nobilíssimo trato, para todas as partes, de toda a sorte de riqueza e coisas preciosas em grande abundância, e de mais número de casados e mais ricos que nenhuns que haja neste estado.

Do ano de mil quinhentos e dezoito, em que os portugueses a primeira vez vieram à China com uma embaixada do Sereníssimo Rei Dom Manuel, contrataram em vários portos deste reino e finalmente no porto e Ilha de Sanchoão esta cidade tomou seu primeiro princípio, e onde no ano de mil quinhentos e cinquenta e dois faleceu São Francisco Xavier, segundo apóstolo da índia e padroeiro desta cidade (4), e no ano de mil quinhentos e cinquenta e cinco se passou o trato à Ilha de Lampacao, e no de mil quinhentos e cinquenta e sete se passou para este porto de Macau, onde com o trato e comércio se foi fazendo uma populosa povoação, e no de mil quinhentos e oitenta e cinco, sendo vice-rei da Índia Dom Francisco Mascarenhas, foi feita cidade por Sua Majestade, com título do nome de Deus, dando-lhe por armas a cruz de Cristo e outras liberdades de que goza com privilégios da cidade de Évora; é porta por onde vejo da Índia para a China por mar o apóstolo São Tome (5) e por onde nestes tempos o Santo Evangelho levado pelos religiosos da Companhia de Jesus entrou nestes reinos e no de Japão e Cochinchina com grande glória sua e aumento de sua Igreja.

Os casados que tem esta cidade são oitocentos e cinquenta portugueses e seus filhos, que são muito mais bem dispostos e robustos, que nenhuns que haja neste Oriente, os quais todos têm uns por outros seis escravos de armas, de que os mais e melhores são cafres e outras nações, com que se considera que assim têm balões que eles remam pequenos em que vão a recrear-se por aquelas ilhas seus amos, poderão também ter manchuas maiores que lhe sirvarão para muitas coisas de sua conservação e serviço de Sua Majestade (6).

Além deste número de casados portugueses tem mais esta cidade outros tantos casados entre naturais da terra, chinas cristãos que chamam jurubassas (7) de quem são os mais, e outras nações todos xipaios e assim os portugueses como estes, tem suas armas muito boas de espingardas, lanças e outras sortes delas, e raro é o português que não tem um cabide de seis ou doze mosquetes pederneiros e outras tantas lanças porque os fazem dourados que juntamente lhes servem de ornamento das casas (8).

Tem além disto esta cidade muitos marinheiros e pilotos e mestres portugueses, os mais deles casados no reino, outros solteiros que andam nas viagens de Japão, Manila, Solor, Macassa, Cochinchina, destes mais de cento e cinquenta, e alguns são de grossos cabedais de mais de cinquenta mil xerafins que por nenhum modo querem passar a Goa por não lançarem mão deles ou as justiças por algum crime, ou os vice-reis para serviço de Sua Majestade, e assim também muitos mercadores solteiros muito ricos em que mulitam as mesmas razões (9).

Tem mais esta cidade capitão geral que governa as coisas de guerra com cento e cinquenta soldados em que entram dois capitães de Infantaria e outros tantos alferes e sargentos e cabos de esquadra, e um ajudante, um ouvidor, um meirinho que administra Justiça; vence o ouvidor cem mil réis de ordenado contratados na Alfândega de Malaca.

E ministros eclesiásticos têm um bispo que hoje é morto e ainda não está provido, que vence dois mil (réis) de ordenado pagos na Alfândega de Malaca. (10).

(1) Latitude 25°-30′ N., conforme a versão de Resende.

(2) Niaynocan, na versão de Resende. Não posso sugerir qualquer identificação a não ser a, aliás pouco provável, de Nankin.

(3) Tradicionalmente explicada como transliteração do chinês A-Ma-Ngao (A-Ma-Baía, ou Baía da Deusa A-Má). O nome usual chinês é Ngao Meng (Porto da Baía).

(4) A cronologia de Bocarro não oferece confiança. O primeiro português que veio à China, que até agora se saiba, foi um certo Jorge Álvares, que erigiu um padrão, ou pilar de pedra, comemorativo da sua visita à Ilha de Lintin (T’un-mên) no delta do rio de Cantão, em  1513 (J. M. Braga, O Tamão dos Pioneiros Portugueses). A embaixada referida por Bocarro é sem dúvida a de Tomé Pires que veio com Fernão Peres de Andrade em  1517.

(5) Tradução interessante que não me lembro ter lido em qualquer outra fonte. Sobre a lenda de S. Tomé, e a sua acção missionária na Índia e na China, veja-se Yule; O Livro de Ser Marco Polo.

(6) Este último parágrafo é altamente confuso e obscuro tanto no manuscrito de Évora como no do Museu Britânico. Dificilmente se lhe encontra sequência lógica desde a observação dos escravos negros e é provável que faltem algumas palavras ou linhas ou se tenham perdido. Para a definição do barco indo-português, conhecido por Balão e Manchua, veja-se Yule e Burnell, Hobson-Jobson (ed. de 1903 p. 53, 549-550 e o Glossário Luso-Asiático, de Dalgado, I. p. 85, II p. 19. A descrição destes pequenos e destros barcos é reproduzida adiante neste livro.

(7) Literalmente intérpretes. «A palavra é de facto malaio-javanesa: «Jurubahasa», mestre da língua, de «Juru» — mestre de ofício — e a palavra sânscrita «bháshá» — discurso. Hobson-Jobson, p. 474.

(8) Ainda é costume em algumas velhas famílias.

(9) Outra razão não mencionada por Bocarro, mas frequentemente citada pelos vice-reis de Goa, era a liberdade das atenções da Inquisição desfrutada pelos habitantes de Macau, onde era impossível realizar autos-de-fé por causa dos chineses. Macau era assim um paraíso de refúgio para muitos suspeitos ou receosos do Santo Ofício.

Macau mapa sec xvii (02)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 07/10/2013 por em Macau 1635-António Bocarro e marcado , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 683,151 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Viajar ao passado de Macau, dos belos tempos dos anos 60 e 70, é o que nos proporciona o vídeo “Macau 70”, produzido pela RTP Rádio e Televisão Portuguesa. A comemorar 70 anos, a RTP disponibilizou no seu website os arquivos para consulta ‘on-line‘ e Macau está presente numa das suas seções. Na apresentação do […]

%d blogueiros gostam disto: