Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

Jardim Vasco da Gama e Jardim da Vitória, em Macau, segundo o Leal Senado

Estátua no Jardim Vasco da Gama

Estátua no Jardim Vasco da Gama em 1993 (foto Rogério P.D. Luz)

No antigo site do Leal Senado, de Macau, a Divisão de Parques e Zonas Verdes tinha páginas que davam um histórico das áreas de sua responsabilidade.  Assim, antes da transição em 1999, saudosista, comecei a colecioná-las para memória do que logo seriam “os velhos tempos”. Eis então o que descreviam do Jardim Vasco da Gama bem como do Jardim da Vitória, que já foi objeto de uma postagem neste blog:

Jardim Vasco da Gama em 2006

Jardim Vasco da Gama em 2006

DO ANTIGO WEBSITE DO LEAL SENADO – MACAU

Jardim Vasco da Gama / Jardim da Vitória – uma descrição de 1999

Local: Entre a Rua Ferreira do Amaral, a Calçada do Gaio e a Estrada da Vitória /  Entre Av. Sidónio Pais e Estrada da Vitória

Os jardins Vasco da Gama e da Vitória foram criados nos finais do século XIX. Faziam parte de uma grande avenida, a Av. Vasco da Gama, construída em 1898, para comemorar o IV centenário a chegada da frota de Vasco da Gama à Índia, através do caminho marítimo. Esta alameda, de 500m de comprimento e 65m de largura, era ladeada por árvores de S. José (Ficus chloro-carpas) que lhe davam um aspecto campestre. Algumas destas árvores centenárias ainda existem. No entanto, com o crescimento da cidade, a longa Avenida acabou por desaparecer, para dar lugar a escolas, um hotel e à sede da Polícia de Seguraná Pública. Estes dois jardins são o que resta do antigo “passeio público”. O Jardim Vasco da Gama embora pequeno ocupa, actualmente, uma área de cerca de 5.000m2, distribuindo-se por 2 patamares unidos por uma escadaria. Na parte superior do jardim destaca-se o monumento a Vasco da Gama, um busto sobre um obelisco com baixos relevos, da autoria do escultor Tomás da Costa, tendo sido inaugurado a 31 de Janeiro de 1911. Em 1997, este jardim sofreu obras de remodelação sob a responsabilidade do Leal Senado de Macau. Actualmente apresenta, na sua parte inferior, um lago em forma de ondas, com bicas de água, ao longo de um caminho e uma pérgula para repouso dos cidadãos. Na parte superior, o antigo monumento foi rodeado por um sistema de cascatas e repuxos, que lhe dão uma beleza especial.

Jardim da Vitória

Jardim da Vitória

 

O Jardim da Vitória, ocupa uma área de apenas 2.000m2, mas está carregado de significado histórico. Este local foi outrora conhecido por «Campo dos Arrependidos», passando depois a chamar-se «Campo da Vitória» e mais tarde «Praça da Vitória». Foi neste local, segundo reza a história, que todos os cidadãos se unindo ao pequeno número de militares aquartelados em Macau conseguiram vencer e repelir, com pesadas baixas, em 24 de Junho de 1622, a tentativa de invasão por parte dos holandeses. Sendo o dia de S. João, este passou desde então a ser o padroeiro da cidade. O Jardim da Vitória surgiu da adaptação da antiga Praça da Vitória que se situava na parte norte da antiga Av. de Vasco da Gama. Esta praça tinha a forma circular com 58m de diametro, sendo torneada pela Rua Central desta avenida.

Chegada de Vasco da Gama a Calecute, Índia a 20 de Maio de 1498

Chegada de Vasco da Gama a Calecute, Índia a 20 de Maio de 1498

VASCO DA GAMA

(de acordo com a Wikipedia, um histórico resumido)

Vasco da Gama (Sines, ca. 1460 ou 1469 — Cochim, Índia, 24 de Dezembro de 1524) foi um navegador e explorador português. Na Era dos Descobrimentos, destacou-se por ter sido o comandante dos primeiros navios a navegar da Europa para a Índia, na mais longa viagem oceânica até então realizada, superior a uma volta completa ao mundo pelo Equador. No fim da vida foi, por um breve período, Vice-Rei da Índia ..

… Manuel I de Portugal confiou a Vasco da Gama o cargo de capitão-mor da frota que, num sábado 8 de Julho de 1497, zarpou de Belém em demanda da Índia.

Era uma expedição essencialmente exploratória que levava cartas do rei D. Manuel I para os reinos a visitar, padrões para colocar, e que fora equipada por Bartolomeu Dias com alguns produtos que haviam provado ser úteis nas suas viagens, para as trocas com o comércio local. O único testemunho presencial da viagem é consta num diário de bordo anónimo, atribuído a Álvaro Velho.  Contava com cerca de cento e setenta homens, entre marinheiros, soldados e religiosos, distribuídos por quatro embarcações Chegada a Calecute: Em 20 de Maio de 1498, a frota alcançou Kappakadavu, próxima a Calecute, no actual estado indiano de Kerala, ficando estabelecida a Rota do Cabo e aberto o caminho marítimo dos Europeus para a Índia.

No dia seguinte à chegada, entre a multidão reunida na praia, foram saudados por dois mouros de Tunes (Tunísia), um dos quais dirigiu-se em castelhano «Ao diabo que te dou; quem te trouxe cá?». E perguntaram-lhe o que vínhamos buscar tão longe; e ele respondeu: «Vimos buscar cristãos e especiaria.», conforme relatado por Álvaro Velho. Ao ver as imagens de deuses Hindus, Gama e os seus homens pensaram tratar-se de santos cristãos, por contraste com os muçulmanos que não tinham imagens. A crença nos “cristãos da Índia”, como então lhes chamaram, perdurou algum tempo mesmo depois do regresso …

Jardim Vasco da Gama nos anos 60

Jardim Vasco da Gama nos anos 60/70

e ficou assim em 2006

Jardim Vasco da Gama em 2006 com o ginásio de esportes no lugar da antiga escola na foto anterior

Jardim Vasco da Gama em 2006 com o ginásio de esportes no lugar da antiga escola na foto anterior

Macau Vasco Gama antigo sem data.LD

Foto bem antiga sem época conhecida (do grupo de Facebook – Fotos Antigas de Macau, postagem de Luís Dias)

Nos anos 60

Nos anos 60

Jardim VAsco da Gama em 2006

Jardim Vasco da Gama em 2006

Neste link do blog Netotavaiconta vejam imagens do festival, que se seguiu após a inauguração da estátua de Vasco da Gama em 1898.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 771,518 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

No almoço especial do Ano Novo chinês realizado na Casa de Macau de São Paulo em 18 de Fevereiro de 2018, o macaense José Noronha, 83 anos, andava a mostrar uma foto antiga para algumas pessoas que tinham mais ou menos a sua idade. Procurava ele matar as saudades dos velhos tempos em Macau. Macaense […]

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

%d blogueiros gostam disto: