Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Juncos, tancás, sampanas, textos do escritor Wenceslau de Moraes

Junco (01)

Cartão postal com fotografia de K.P.Yuen

Texto de Wenceslau de Moraes

Juncos de pesca, lorchas de carga e de passagem, para ali estão a monte, lembrando de longe, pelos mastros esguios, florestas cerradas, a que o Inverno houvesse despido a rama. Tancás, sampanas, embarcações miúdas e de cem denominações diferentes, formam densos magotes, amarrando aos bambus enterrados no lodo. E todas aquelas coisas flutuantes, onde não assoma uma única cabeça, encimadas de coberturas de rota, de esteiras, de farrapos, de tudo que possa oferecer resistência à chuva invasora têm um ar lamentável de desamparo, sem dono que lhes queira.

No entanto, lá dentro dos lôbregos cacifos, nas cafuas sem ar nem luz dos barcos, há mais de dois dias que se vive, numa morna expectativa de melhor tempo. Presta-se culto ao Buda; cozinha-se, come-se arroz na tigela comum; expande-se o mau humor nos ralhos íntimos; choram crianças envoltas em roupas encharcadas; até adormecerem finalmente aqueles montes de cabeças, fatigadas da inacção, fazendo travesseiro das pernas dos vizinhos…

Junco (02)

Fotografia de Lee Yuk Tin. Colecção do Museu Marítimo de Macau

Texto de Wenceslau de Moraes

Formigam por toda a parte uns pequenos barcos, conhecidos pela denominação de tancás e sampanas. Estranhos covis: imagine-se uma embarcação da grandeza dos nossos botes, mas mais larga, de fundo chato, abrigada por coberturas semicirculares de verga de bambu; o todo de uma cor escura de madeira apenas aplainada, fazendo lembrar um escaravelho elevado às dimensões de colosso. Aquele espaço, aquelas três tábuas sobre a água constituem o único refúgio de famílias inteiras. Não se conhece outro asilo; ali nascem os filhos, ali morrem os velhos, ali se ri, ali se chora, ali se passa a vida, por não se poder passar melhor.

Há lugar para tudo, no tancá; para dormir, para cozinhar, para guardar as pobres roupas e as provisões, até para erigir aos deuses tutelares um altar, onde bruxuleiam lâmpadas e fumegam pivetes. Movidos geralmente por um remo lateral que manejam as raparigas, as tancareiras, e por outro mais pesado à popa, em esparrela, empunhado pela mãe, os tancás formigam por toda a superfície do Chu-kiang, num afã prodigioso de vermes esfomeados, exercendo todas as indústrias, os mais ínfimos misteres. No tancá se transportam mercadorias e passageiros, de uma margem para a outra, ou ao longo da rede interminável dos canais e canaletes. No tancá se vendem frutas, hortaliça, comida preparada e quente, loiça, lenha, dispensando à população marítima o trabalho de se ir prover nos mercados; e não é por certo a feição menos curiosa do espectáculo o vaivém contínuo daqueles vendilhões de estranha espécie, seguindo de barco em barco como nas cidades de porta em porta, mercadejando a sua fazenda, lançando pregões aos ventos e remando para vante,,,

* Fonte dos textos: livro Macau com fotos de Ana Esquível. Seleção de textos do livro por Eugénio de Andrade. Edição do Governo de Macau (da administração portuguesa).

Junco (03)

“Formigam por toda a parte uns pequenos barcos, conhecidos pela denominação de tancás e sampanas” (Fotografia de Lee Yuk Tin. Colecção do Museu Marítimo de Macau)

Biografia de Wenceslau de Moraes

Monumento de Wenceslau de Moraes em Kobe, Japão (De Wikimedia - fonte: http://opencage.info/pics/large_5599.asp)

Monumento de Wenceslau de Moraes em Kobe, Japão (De Wikimedia – fonte: http://opencage.info/pics/large_5599.asp)

Wenceslau José de Sousa de Moraes (Lisboa, 30 de Maio de 1854 – Tokushima, 1 de Julho de 1929) foi um escritor e militar da Marinha Portuguesa.

Era filho de Venceslau de Morais e de Maria Amélia Figueiredo. Oficial da marinha, completou o curso Escola Naval em 1875, tendo prestado serviço em Moçambique, Macau, Timor Português e no Japão.

Após ter frequentado a Escola Naval serviu a bordo de diversos navios da Marinha de Guerra Portuguesa. Em 1885 viaja pela primeira vez até Macau, onde se estabelece. Foi imediato da capitania do Porto de Macau e professor do Liceu de Macau desde a sua fundação em 1894. Durante a sua estadia em Macau casou com Vong-Io-Chan (Atchan), mulher chinesa de quem teve dois filhos, e estabeleceu laços de amizade com Camilo Pessanha.

Entretanto, em 1889, viajara até ao Japão, país que o encanta, e onde regressará várias vezes nos anos que se seguem no exercício das suas funções. Em 1897 visita o Japão, na companhia do Governador de Macau, sendo recebido pelo Imperador Meiji. No ano seguinte abandona Atchan e os seus dois filhos, e muda-se definitivamente para o Japão, como cônsul em Kobe.

Aí a sua vida é marcada pela sua actividade literária e jornalística, pelas suas relações amorosas com duas japonesas (Ó-Yoné Fukumoto e Ko-Haru) e pela sua crescente “japonização”.

Durante os trinta anos que se seguiram Wenceslau de Moraes tornou-se a grande fonte de informação portuguesa sobre o Oriente, partilhando as suas experiências íntimas do quotidiano japonês com os seus leitores Portugueses, numa actividade paralela à de Lafcádio Hearn, o grande divulgador da cultura nipónica no mundo anglo-saxão, de quem foi contemporâneo.

Amargurado com a morte, por doença, de Ó-Yoné, Venceslau de Morais renunciou ao seu cargo consular em 1913 quando já era graduado em Tenente-coronel/Capitão de fragata, mudou-se para Tokushima, terra natal daquela. Aí viveu com Ko-Haru, sobrinha de Ó-Yoné, que viria também a falecer por doença.

Aí o seu quotidiano tornou-se crescentemente idêntico ao dos japoneses, embora tendo como pano de fundo uma crescente hostilidade destes. Cada vez mais solitário, e com a saúde minada, Wenceslau de Moraes viria a falecer em Tokushima em 1 de Julho de 1929.

Wenceslau de Moraes foi autor de vários livros sobre assuntos ligados ao Oriente, em especial o Japão.

A TAP Portugal homenageou-o ao atribuir o seu nome a uma das suas aeronaves.  (fonte: Wikipedia)

*Associação Wenceslau de Moraes: http://www.wenceslaudemoraes.net/index.html

Juncos, Sampans, Tankás – Embarcações chinesas / Junks, Sampans, Tanka – Chinese boats

Porto Interior de Macau / Macau Inner Harbour

Fotografias de/Photos by Karsten Petersen – site http://global-mariner.com/index.htm

(authorised 01/21/2012 – clicar para aumentar/click to enlarge)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 31/10/2013 por em Tancás/sampanas/lorchas.

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 663,018 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Viajar ao passado de Macau, dos belos tempos dos anos 60 e 70, é o que nos proporciona o vídeo “Macau 70”, produzido pela RTP Rádio e Televisão Portuguesa. A comemorar 70 anos, a RTP disponibilizou no seu website os arquivos para consulta ‘on-line‘ e Macau está presente numa das suas seções. Na apresentação do […]

%d blogueiros gostam disto: