Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Hong Kong 1964, memórias do livreto de um Banco

Hong Kong o HSBC livreto (01)

Legenda: da esquerda, o Jardim Botânico, Palácio do Governo e Consulado Americano – Hong Kong nos anos 60.  Em primeiro plano, a Ilha de Hong Kong e ao fundo a península de Kowloon, ambas compõem a antiga colônia britânica de Hong Kong, devolvida para a China em 1997.

“O nome de Hong Kong é derivado de “Heung Kong”(01), que significa “porto perfumado”, que era o nome chinês para um ancoradouro em “Aberdeen” (depois Lord Aberdeen), assim chamado porque os navios coletavam água fresca de uma nascente próxima. O nome de Kowloon, que significa “nove dragões”, é derivado de um acontecimento de há 800 anos atrás, quando o menino imperador Ping fez uma contagem de oito colinas e comentou que devia haver oito dragões, devido à crença antiga de que um dragão habitava em cada montanha. Seu primeiro-ministro disse que havia nove dragões (“Kow-loon”)(02) por causa de outra crença antiga de que um imperador é um dragão. O nome perdurou por séculos.” Legenda: (01) heung ou héong em chinês-cantonense significa algo de bom cheiro, cheiroso ou perfumado. (02) Kow ou kâu é o nº 9.

Com este texto, o livreto promocional do Hong Kong & Shanghai Banking Corporation, hoje mais conhecido mundialmente por HSBC, fazia divulgação das suas atividades em Hong Kong e das particularidades da colônia britânica, como pontos turísticos, hotéis, comércio, produtos etc.

Julgo que muitos macaenses que trabalharam no Banco, devem ter tais livretos guardados de lembrança dos bons e velhos tempos. Herdei um exemplar do meu irmão José da Luz que também foi funcionário do HSBC até o início dos anos 70, quando emigrou para o Brasil.

Nesta postagem publico algumas das suas páginas para saudades daqueles que lá trabalharam, e para que os amigos visitantes possam conhecer um pouco dessa Hong Kong antiga. Espero voltar ao assunto noutras postagens com mais imagens e informações desta antiga colônia (colónia) britânica retornada para a China em 1997, que os ingleses não escondiam ser essa a qualificação, enquanto que em Macau, por suas justificativas da forma de colonização, os portugueses na época a qualificavam de província ultramarina.

Hong Kong o HSBC livreto (02)

(acima) Distrito Central – localizado na ilha de Hong Kong, ao fundo, confrontando com a península de Kowloon em 1º plano, é onde a maiorias das empresas têm os seus escritórios.  Alguns prédios antigos, anteriores ao século 19, ainda resistem, mas a maioria foram construídos poucos anos atrás (dos anos 60).  Acima do Distrito Central, espalhadas pela montanha, estão as residências dos mais ricos.

Hong Kong o HSBC livreto (03)

(acima) Peak Tram ou bonde para chegar ao cume do morro de 1.305 metros acima do nível do mar.  Inaugurado em 1888, nunca sofrera nenhum acidente.  Existem dois bondes com capacidade para 72 pessoas, puxados separadamente por 5.000 metros de cabos de aço.  Enquanto um sobe o morro, outro desce, em trilhos intercalados exceto num cruzamento no meio.

(abaixo) Bancos: Os prédios em destaque na foto são os primeiros a serem vistos quando se chega a Hong Kong de Star Ferry (travessia de balsa de passageiros entre Hong Kong e Kowloon).  O Tribunal de Hong Kong , no canto esquerdo, foi construído antes da virada do século (1900).  Os três edifícios centrais são, da esquerda, Red China Bank, Hong Kong & Shanghai Bank e o Chatered Bank., O Pince’s Building (prédio), no canto direito, está no momentos (anos 60) a ser substituído por uma nova construção.

Hong Kong o HSBC livreto (04)

Hong Kong o HSBC livreto (05)

(acima) Aberdeen (veja a origem do nome de Hong Kong no início): é o principal vilarejo de pescadores e somando com o Abrigo contr Tufão Yaumati, reside por lá uma população flutuante de 150 mil pessoas.  No porto de Aberdeen existem 4.000 embarcações (e quase 6.000 em Yaumati) sem contar outros 21 mil juncos e sampans (lorchas) que navegam pelas águas da colônia inglesa.

Hong Kong o HSBC livreto (06)

(acima) Repulse Bay é a melhor praia de Hong Kong e a origem do nome provém de um navio de guerra britânico (depois, traz detalhes de locação de cabines e tendas de praia e a condução para se chegar lá).

Hong Kong o HSBC livreto (07)

Mapa de Hong Kong vendo-se Macau no canto inferior à esquerda, distante 60 km por via marítima, além da estrada de ferro para Cantão ou Guangzhou. No mapa maior não é mostrada a localização de Macau, aliás como acontece em muitos mapas que se vêm desde aqueles tempos até a atualidade, minimizando a importância do antigo território ou colônia portuguesa.

(abaixo) Uma das sugestões do livreto-guia para sua diversão em Kowloon.  Compare os preços do anúncio com a cotação em US$.  Na época em 1964: US$ 1,00=HK$ 5,70 a 5,80; hoje Nov.2013: US$ 1,00=HK$ 7,80.

Hong Kong o HSBC livreto (09)

(abaixo) Câmeras Voigtlander, muito famosas na época sendo que a marca suiça em ótica existia desde 1756.  Após as fusões com a Zeiss e a Rollei, hoje continua a existir com o nome Cosina Voigtlander, após ter sido adquirida pela Cosina em 1999.

Hong Kong o HSBC livreto (08)

Anúncios

Um comentário em “Hong Kong 1964, memórias do livreto de um Banco

  1. Jorge Robarts
    13/11/2013

    Gostei muito da publicação desta semana, por dois fatores: sobre o GP de Macau eu era quase um fanático, pq. gostava muito de corridas de automóveis e tinha o meu apartamento construido dentro do circuito da Guia (a 30 metros do Hotel Matsuya), de 1969 a 1989 – data em que me fixei definitivamente em Portugal; e sobre Hongkong com as suas velhas fotos e recordações, já que passava lá longas temporadas nas férias escolares, até que a guerra do Pacífico me quebrou essa frequencia. Vivia com minha avó e tio George, na Robinson Rd., Junction, onde apreciei tanta e tanta vez o Victoria Harbour. Por este motivo Hongkong tem ainda uma forte influencia emocional no meu espírito. Giga

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 695,176 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: