Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

20 anos sem o pintor macaense Herculano Estorninho

Noticiário da Revista Macau na sua edição de Maio de 1994, comunicava o falecimento em 28 de Abril de 1994 do pintor macaense Herculano Estorninho. Este era o texto:

Herculano Estorninho no seu atelier

Herculano Estorninho no seu atelier … pintando

MORREU ESTORNINHO

Revista Macau – Maio de 1994

Herculano Estorninho, o pintor macaense de ascendência timorense, faleceu a 28 de Abril último (1994), em Hong Kong, herculano_estorninho_foto_89pxapós prolongada doença, dias depois de ter completado 73 anos de idade.

Nascido em Macau em 1º de Abril de 1921, Herculano Estorninho começou a pintar aos 15 anos. Naquilo que foi para si, durante muito tempo, um hobby, pois só há escassos anos deixou a actividade profissional do ramo da hotelaria, deixou obra vasta e internacionalmente reconhecida.

As obras de Estorninho, onde avultam as aguarelas, estão espalhadas por inúmeras colecções particulares, da Europa à América, na Austrália e em Timor e no sudeste asiático. Em Portugal, quadros seus fazem parte do património artístico dos palácios de Belém e S. Bento.

Apesar de ter nascido em Macau e de ter sido um dos seus filhos mais devotados e notórios, Herculano Estorninho sentia-se timorense “dos sete costados”, tendo defendido com determinação a causa do povo de Timor-Leste. Em 1975, participou na primeira conferência sobre Timor; foi delegado da UDT no território e era presidente do conselho fiscal da associação Tata Mai Lau.

Ainda no campo político, foi um dos fundadores do Centro Democrático de Macau (CDM), associação cívica da área do Partido Socialista, fundada logo a seguir ao 25 de Abril de 1974.

Estorninho foi ainda o primeiro director do então diário Ponto Final, cargo que abandonou por razões de saúde.

Herculano Estorninho pintura (01)

Sete anos depois, em 2001, o Jornal Tribuna de Macau assim recordava a sua pessoa:

“Herculano Estorninho, uma das maiores expressões do meio artístico macaense, nasceu em 1º de Abril de 1921.  Foi Herculano Estorninho noticia Revista Macau abril 1994 (01)considerado um dos grandes pintores portugueses das últimas décadas.  A sua afeição ao mundo exterior está bem vincada na obra artística que deixou descrita pelo próprio, como “um dom de Deus”.

Os seus trabalhos estão representados nos quatro cantos do mundo.  Em coleções particulares de Macau, França, Itália, Japão, Brasil, Timor Leste, Filipinas, Estados Unidos, Austrália, Suécia, Alemanha, Madeira e Portugal.  Seus quadros estão expostos nos Palácios de Belém e de São Bento, em Portugal, e na Casa de Macau em Lisboa, que foi a primeira sala portuguesa a exibir os seus trabalhos, em Setembro de 1971.

Aos 73 anos de idade, passou para a eternidade.  No entanto, a sua obra perdura no seio da cultura portuguesa.  Fica a memória de uma “árvore” que – tal como as muitas que retratou na suas telas – “morreu de pé”.”

Herculano Estorninho

Na página do Facebook do seu sobrinho José Luís Estorninho, este texto acompanhava a publicação da imagem acima de um catálogo de exposição das suas obras:

Herculano Estorninho foi um homem multi-facetado de grande sensibilidade estética e de bom-senso, aliado da sua frontalidade, sentido de político, de justiça, e humanidade, fizeram dele uma pessoa ímpar, procurado, considerado e estimado!

Nesta exposição “Macau e Timor em Aguarelas – Retrospectiva 1951-1991, promovida pela Associação dos Antigos Alunos do Liceu N.I.D.H. de Macau, foi a penúltima do artista para posteriormente, em ’92, vir a realizar uma outra na Missão de Macau em Lisboa!

Antes expôs “exaustivamente”, com a realização de um total de 7 mostras em ’82; ’83; ’85; (’87 2x) e (’88 2x), desde Macau, Pequim, Xangai, Lisboa, e Porto!

Aliás, outras exposições anteriores que tiveram o seu início nos anos ’60, onde a partir de ’63, Herculano Estorninho se expôs pela primeira vez uma mostra juntamente com Frederick Joss e Tam Tsing Teung, no Leal Senado! Bem como nos 3 anos seguintes, e em 2 consecutivos, Herculano Estorninho expôs em várias galerias de Hong Kong!

Assim como nos anos ’70 as pinturas de Herculano Estorninho percorreram de lés a lés por várias salas de exposições, a começar em ’73, por duas mostras, primeiro em Macau, e depois no Palácio Foz, Portugal Enquanto que em ’76 decorreram no mesmo ano, três exposições, sendo uma vez no Leal Senado, com Kwok Se e Lam Wai Long, e outras duas, individualmente no Museu Luis de Camões, e uma última na capital Díli, Timor!

Algumas da suas aguarelas/aquarelas que retratam Macau:

pintar é viver, é sentir, é amar … Herculano Estorninho

Herculano Estorninho pintura (02)

Herculano Estorninho pintura (03)

Herculano Estorninho pintura (04)

Herculano Estorninho pintura (05)

Herculano Estorninho pintura (06)

Herculano Estorninho pintura (07)

 

Herculano Estorninho pintura (11)

Herculano Estorninho pintura (10)

Anúncios

2 comentários em “20 anos sem o pintor macaense Herculano Estorninho

  1. Manuel gonçalves
    03/03/2015

    Se poder gostaria de saber quanto pode valer uma pintura deste pintor.Muito obrigado

    • Olá Manuel, infelizmente não tenho a mínima ideia. Os seus familiares em Macau talvez soubessem dizer algo a respeito. Abraço

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 682,996 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Viajar ao passado de Macau, dos belos tempos dos anos 60 e 70, é o que nos proporciona o vídeo “Macau 70”, produzido pela RTP Rádio e Televisão Portuguesa. A comemorar 70 anos, a RTP disponibilizou no seu website os arquivos para consulta ‘on-line‘ e Macau está presente numa das suas seções. Na apresentação do […]

%d blogueiros gostam disto: