Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Ayrton Senna no Grande Prémio de Macau de F3 em 1983

Teddy Yip com o Junior no colo e Ayrton Senna em 1983.  30 ano depois o Junior homenageia o pai.

Teddy Yip e Ayrton Senna em 1983 (foto do livro Colour and Noise)

20 anos sem Ayrton Senna.  O mundo todo recorda nesta data de 1º maio, a morte do excepcional piloto brasileiro no circuito de Ímola, Itália, em 1994.  Farta matéria na televisão, jornais e na internet conta todas as passagens da sua vida.

Para lembrar o Senna neste aniversário de 20 anos da sua morte, vamos falar um pouco da sua participação no Grande Prémio de Macau de Fórmula 3 em 1983, que foi a sua última corrida da categoria antes de ingressar na Fórmula 1 pela equipe Toleman.

Ayrton tinha acabado de ganhar o Campeonato Inglês de Fórmula 3 quando recebeu o convite de Teddy Yip, da Theodore Racing, para participar da GP de Macau de 1983.  Nesse ano, com o fim da Fórmula Atlantic, a Fórmula 3 substituiu a falida categoria na corrida principal de Macau, mantendo-se assim até os dias de hoje.  Como os carros de Fórmula 3 não possuíam tanque de combustível para aguentar mais de 60 milhas (cerca de 97 km) de prova ou 15 voltas, e para não descaracterizar o significado de um “Grande Prémio” com uma prova com tão poucas voltas, a organização decidiu promover a corrida principal em duas baterias (mangas) de 15 voltas cada. O vencedor do GPM seria decidido pela soma de tempo das duas provas.

Teddy Yip que encerrara a sua fracassada participação na Fórmula 1 com a equipe Theodore em 1983, contratou Senna, mais o piloto Roberto Guerrero que não conseguiu marcar nenhum ponto na temporada de 1983 de F1, e o seu arqui-rival Martin Brundle na F3 inglesa.

Guerrero, colombiano de Medellin, pela sua passagem na F1 com 29 corridas no seu currículo, era a estrela da equipe Theodore recebendo o carro com o nº 1. Todas as atenções estavam voltadas para ele. O Brundle ficou com o carro nº 2 e Senna o nº 3.  Até parecia que não confiavam muito nele, por ser sua primeira participação em circuito de rua e por nunca ter corrido em Macau.

No entanto, o piloto brasileiro, já em vias de ingressar na F1, logo mostrou que não veio para brincar e nem foi à toa que ganhou o campeonato de F3 na Inglaterra.  Cravou a pole position com o tempo de 2m 22.02s com o seu Ralt-Toyota RT3 e deixou o Guerrero para largar na 2ª posição, com o Brundle em 3º.  Gerhard Berger que viria futuramente ser o seu companheiro de equipe na McLaren na F1 largava em 5º.

Senna (3) larga na pole e já pula na frente logo no início da prova.

Senna (3) larga na pole (foto do livro Colour and Noise)

Senna não largou bem na 1ª bateria e logo foi superado pelo colombiano.  Mas já no fim da reta, na curva do Hotel Lisboa, saindo do vácuo do Guerrero e por dentro tomou a dianteira da corrida conservando a posição até o fim com uma vantagem de 6 segundos em relação ao segundo. Depois da corrida, o colombiano, o 2º colocado, declarou à imprensa que não esperava que o Senna fosse fazer a manobra com os pneus frios. Brundle foi atingido na traseira por Pierluigi Martini e teve que parar nos boxes para trocar o pneu.

Para a 2ª bateria, o brasileiro ainda teve tempo para correr ao hotel e tirar um cochilo por umas horas, já que morria de sono pelo fuso horário (Macau está 11 horas à frente do Brasil).  Isso foi bom pois ele voltou em forma e ganhou a prova de ponta a ponta, ficando Roberto Guerrero novamente em segundo lugar com Berger em terceiro.

Na soma das duas baterias que teve 15 voltas cada uma, Senna ficou em 1º com o tempo total de 1h 11m 34.96s. R.Guerrero ficou em 2º e Berger em 3º.  A melhor volta foi de Senna com 2m 21.59s, no entanto esta questão foi lembrada pelo Berger numa entrevista anos depois.  A princípio, após a corrida, o austríaco foi avisado por alguém (não identificado) que ele detinha a melhor volta da prova. Ele analisou os mapas e constara que não era verdade, mas ficou por aí.

Mais tarde, numa festa, Ayrton aproximou-se do Berger e disse “você tem o prêmio da melhor volta, mas é meu, pois fiz a melhor volta”.  O austríaco respondeu ao brasileiro “ok então fica para você, eu não ligo”.  A partir daí, nasceu uma grande amizade entre ambos os pilotos, ao ponto dos dois se tornarem companheiros de equipe na McLaren.  Na homenagem prestada ao Senna em Ímola pelos 20 anos da sua morte, Berger foi um dos que discursaram pela sua memória.

Grid de largada do Grande Prémio de Macau de F3 em 1983 (foto Revista Nam Van)

Grid de largada do Grande Prémio de Macau de F3 em 1983 (foto Revista Nam Van)

Senna no pódio com Roberto Guerrero (esq.) e Gerhard Berger (dir.)

Senna no pódio com Roberto Guerrero (esq.) e Gerhard Berger (dir.). Foto do livro Colour and Noise.

Vídeo do GP de Macau de 1983 com entrevista do Senna em inglês – canal de mscheeres

Outro vídeo curto da largada do GPM 1983 – canal de macaurocketman

O F3 Ralt-Toyota RT3 de Ayrton Senna no Museu do Grande Prémio de Macau

(fotografias de/photos by Rogério P.D. Luz)

Macau Museu GPM Senna (01)

Macau Museu GPM Senna (02)

Macau Museu GPM Senna (04)

Macau Museu GPM Senna (03)

Macau Museu GPM Senna (05)

 * Fontes: Wikipedia / livro Colour and Noise / blog Ayrton Senna Co UK

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 01/05/2014 por em Ayrton Senna 1983, BRASIL e marcado , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 695,652 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: