Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

O primeiro recenseamento toponímico de Macau há 145 anos

Macau toponimia nome placas ruas (05)

João Guedes no seu extenso e explicativo artigo “Pelas Ruas da História” publicado na Revista Macau, edição de Julho de 1994, numa inserção, fala sobre “O Primeiro Recenseamento” da cidade de Macau feito a partir de 1869.

Para os leitores que pouco conhecem Macau, nas fotos, verão o nome da rua escrito em português e em caracteres chineses, uma norma ainda mantida nos dias de hoje, mesmo após a transição de soberania de Portugal para a China ocorrida em 1999. Porém, não pensem que é a tradução literal. Não é! O nome da rua em português não tem nada a ver com o nome em chinês.  Veja o exemplo da principal avenida da região central – Avenida Almeida Ribeiro. Em chinês, o nome é – Sam Má Lou, onde Lou é rua e quanto ao Sam Má, já não arrisco traduzir com o meu pobre chinês-cantonense, mas uma coisa é certa que não significa Almeida Ribeiro. No máximo iriam pronunciar “Ameda Libelo”, no caso, se o cidadão chinês não saiba falar o português, o que é praticamente a maioria ou todos, com exceção daqueles que estão a aprender a língua do Camões, ou já o aprenderam.

Macau toponimia nome placas ruas (03)

O PRIMEIRO RECENSEAMENTO DE MACAU

um texto de autoria de João Guedes – Revista Macau edição de Julho de 1994

(fotografias de/photos by Rogério P.D. Luz)

Se nada se sabe ao certo sobre a data da fundação de Macau, bem como sobre os primeiros passos da cidade portuguesa no extremo asiático, no século XVI, para além de notícias esparsas e controversas, menos se sabe ainda sobre a toponímia. Como mais antigas referências, resta o próprio nome da cidade, que se confunde com a designação dada desde tempos imemoriais ao templo de A-Má, na Barra. Desse nome terá surgido a corruptela A Ma Gao, ou A Ma Kon, que teria finalmente originado “Macau”.

Nesses tempos recuados da história, Macau era apenas um aglomerado de cabanas construídas sobre a praia e encimadas por uma pequena capela dedicada a Santo António. Uma aldeola erguida num sítio conhecido por Patane (topónímo que ainda hoje existe). Desde esses tempos recuados, Macau cresceu erguendo muralhas e circunscrevendo a cidade.

Nesses tempos primitivos, as vielas não tinham nomes, sendo apenas conhecidas as designações dos lugares sobre os quais se abriam. Era assim que o Patane, Santo António, S. Paulo do Monte, ou Praia Pequena, designavam lugares abrangentes através dos quais se abriam inúmeras ruas, escadas, becos e praças que não tinham designação, nem os poderes constituídos entendiam ser necessário marcar com números de polícia.

À medida porém que os séculos decorriam, a cidade ia crescendo e os vizinhos conhecidos, pouco a pouco, iam-se tornando apenas em vizinhos desconhecidos face ao crescimento demográfico. Aos moradores portugueses, que não ultrapassavam as centenas, juntavam-se os chineses, que ascendiam aos milhares, facto que tornava imperativo assinalar diferenças, obrigando a que os cidadãos possuíssem morada certa, a fim de que os correios soubessem ao certo onde entregar as cartas, e os fiscais dos impostos, onde cobrar as taxas determinadas pelo Estado.

Desde a fundação de Macau, porém, que os nomes de ruas foram mudando sem o aval do Estado, criando a mais completa das confusões. Tendo em conta o caos existente, o governador Sérgio de Sousa não teve alternativa senão a de criar, em 1869, uma comissão destinada a refazer a toponímia de Macau.

A comissão encarregada pelo governador, sabendo que alguns nomes antigos haviam sido mudados em diversas épocas e que desse facto tinham resultado vários inconvenientes, achou necessário restituir a essas vias públicas, tanto quanto fosse possível a sua antiga denominação, elaborando o primeiro recenseamento toponímico de Macau.

Macau toponimia nome placas ruas (08)

Macau toponimia nome placas ruas (07)

Macau toponimia nome placas ruas (06)

Macau toponimia nome placas ruas (04)

Macau toponimia nome placas ruas (02)

Macau toponimia nome placas ruas (01)

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 05/05/2014 por em 1º Recenseamento em 1869 e marcado , , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.463.384 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Hoje, 24 de Junho de 2022, comemora-se 400 anos de “A Maior Derrota dos Holandeses no Oriente” na sua tentativa de tomar Macau dos portugueses. Até a transição de soberania de Macau, de Portugal para a República Popular da China, em 20 de Dezembro de 1999, a data era comemorada como “DIA DE MACAU” ou “DIA DA […]

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

%d blogueiros gostam disto: