Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Palácio de Justiça de São Paulo, de 1933

Tribunal Justica S.Paulo IMG_3715 (02)

Bem no centro histórico de São Paulo, na Praça Clóvis encontra-se o imponente prédio do Palácio de Justiça de São Paulo, que muitos provavelmente  não tenham se detido para melhor observá-lo, em parte por estar ao lado da Catedral da Sé que de um modo tira o seu brilho, como também pela região um tanto mal frequentada que exige certa cautela ao transitar por ela. Como a parte de trás do prédio dá para a Praça João Mendes, esta face da construção deve ser a mais conhecida por ser um local de maior trânsito.

Fui fazer um trabalho fotográfico por encomenda, e acabei conhecendo melhor o Palácio. Assim, mostro as imagens não selecionadas com um histórico extraído da Wikipédia, e espero um dia fazer uma visita ao seu interior.

* Conheça também o Museu do Tribunal de Justiça de São Paulo, também conhecido por Castelinho da Liberdade, objeto de postagem no blog neste link:

https://cronicasmacaenses.com/2012/11/27/sao-paulo-museu-do-tribunal-de-justica-ou-o-castelinho-da-liberdade/

Tribunal Justica S.Paulo IMG_3715 (08)

(fotografia de/photos by Rogério P.D. Luz)

PALÁCIO DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

O Palácio de Justiça é a sede do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Localiza-se no centro antigo de São Paulo, entre a Praça da Sé, a Praça João Mendes Jr. e a Praça Clóvis Bevilácqua, próximo à Catedral da Sé, ao Palácio Anchieta (sede da Câmara Municipal de São Paulo) e ao Edifício Matarazzo (sede da Prefeitura Municipal de São Paulo). Em suas proximidades também se encontram as sedes da seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil e do Ministério Público do Estado de São Paulo, além da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo.

À Proclamação da República no Brasil, em 1889, seguiu-se a estruturação federativa do País, atribuindo-se, em 1891, a competência judiciária às antigas Províncias do Império, ora Estados. Com a crescente demanda decorrente do crescimento econômico de São Paulo nas primeiras décadas do Século XX, fez-se necessária a construção de uma sede para o poder judiciário paulista. Em 1911 foi contratado o escritório do famoso arquiteto Ramos de Azevedo, que, inspirado no Palácio da Justiça de Roma, realizou projeto que foi acolhido pelo Tribunal.

Tribunal Justica S.Paulo IMG_3715 (05)

O edifício, construído em estilo neoclássico com cunho barroco, foi finalmente inaugurado em 1933 e reinaugurado em 1942, recebendo tombamento do CONDEPHAAT em 1981. As obras sofreram alguns percalços, tendo-se verificado o maior de todos por ocasião da Revolta Paulista de 1924, agravado pelo falecimento do arquiteto Ramos de Azevedo em 1928, que obrigou o Tribunal a negociar novo contrato em 1929 com sucessores de seu escritório – Ricardo Severo e Arnaldo Dumont Vilares – através da Diretoria de Obras Públicas do Estado, sob a fiscalização do Dr. H. Forense, igualmente prorrogado em 26 de abril de 1931.

Atualmente funcionam no palácio as salas de julgamento da segunda instância paulista, além de toda a estrutura administrativa de cúpula do judiciário paulista.

* Fonte: Wikipedia

Tribunal Justica S.Paulo IMG_3715 (03)

Tribunal Justica S.Paulo IMG_3715 (04)

Tribunal Justica S.Paulo IMG_3715 (06)

Tribunal Justica S.Paulo IMG_3715 (10)

Tribunal Justica S.Paulo IMG_3715 (09)

Tribunal Justica S.Paulo IMG_3715 (07)

Na década de 50 (foto do fotoblog de Eli Mendes)

Na década de 50 (foto do fotoblog de Eli Mendes)

* As fotos encomendadas foram ampliadas com excelente resultado pelo labotatório Instancolor em jato de tinta e padrão fine art. Recomendo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.075.954 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Como já vem acontecendo nos Encontros das Comunidades Macaenses realizadas em Macau, o programa de 2019 incluía uma missa e Te-Deum na Sé Catedral que foi celebrada no dia 26 de Novembro às 18:00 horas pelo Bispo de Macau, D. Stephen Lee Bun-sang. Uma celebração religiosa e ação de graças para agradecer por mais uma […]

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O Hotel Casino (Cassino) Lisboa, de Macau, inaugurado em 3 de Fevereiro de 1970, seis anos após o início das obras em 1964, o primeiro dos tempos modernos do outrora território português na China por cerca de 440 anos, e devolvido para a China em 1999, é por excelência uma galeria de arte com peças […]

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

O macaense Carlos Cordeiro, hoje residente no Canadá, enviou ao autor deste blog, três fotos que espelham bem o convívio dele com dois amigos macaenses: Fernando Placé e José (Zé) Cabral, num período de 52 anos, de 1967 a 2019. Interessante ver o cuidado de fotografar o momento na mesma posição da foto original de […]

%d blogueiros gostam disto: