Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

Operários chineses na Primeira Guerra Mundial

Cem anos se passaram desde que eclodiu a Primeira Guerra Mundial em 28 de Julho de 1914. Contando as baixas militares e civis de ambos os lados, cerca de 19 milhões de pessoas morreram neste conflito que é considerado o sexto mais mortal na história da humanidade.

A China ficou neutra na guerra, mas indiretamente participou dela ao enviar 320 mil operários para servir as forças aliadas no Ocidente. Sobre isso, veja o texto do PPS editado por Herbert K. Lau que recebi por e-mail:

Operários chineses na Primeira Guerra Mundial

tradução do inglês do texto de Herbert K. Lau – fotografias do seu PPS

A Primeira Guerra Mundial atraiu pessoas de todo o mundo, e a história pouco conhecida dos 320 mil trabalhadores chineses que serviam com as forças aliadas na frente ocidental durante 1ª Guerra Mundial atraiu novo interesse nos últimos anos. Muitos dos trabalhadores chineses foram recrutados a partir dos portos de concessão britânica e francesa na província de Shandong, na China e de Hong Kong, apesar do fato de que a China estava envolta em sua própria turbulência interna.

Os trabalhadores chineses enterravam os mortos, cavavam trincheiras, trabalharam em fábricas de munições e limpavam as bombas, granadas e balas, após o armistício de 11 de Novembro de 1918. Centenas de estudantes chineses serviram como tradutores.

Para os trabalhadores, a guerra era uma maneira de ganhar muito mais dinheiro do que poderiam na sua terra. Mas o seu sacrifício tornou-se um ponto crucial na história chinesa. Após o armistício, o Tratado de Versalhes de 1919, verificou-se que os portos cedidos por concessão à Alemanha na China passaram para as mãos do Japão, apesar de objeção da China. O descontentamento com  o tratado levou ao movimento de protesto  de 4 de Maio, que se julga ter contribuído para a eventual ascensão do Partido Comunista, que governa a China desde 1949.

O envio de trabalhadores chineses para a frente foi uma brilhante estratégia para vincular a China ao Ocidente, criando a ligação entre a guerra e a fundação do Partido Comunista da China. Durante a guerra, os jovens intérpretes elaboraram planos de educação nos momentos de folga longe do perigo dos campos de batalha. Como resultado, quase dois terços dos trabalhadores voltaram para casa alfabetizados. Esse esforço inspirou os homens que passaram a liderar o Partido Comunista.

O embarque para a França. 175.000 chineses foram enviados para a França, para o trabalho por trás das linhas.  Isso começou a partir de Tsingtao, antigamente uma fortaleza alemã na China

O embarque para a França. 175.000 chineses foram enviados para a França, para o trabalho por trás das linhas.
Isso começou a partir de Tsingtao, antigamente uma fortaleza alemã na China

Nove integrantes da Corporação de Trabalhadores Chineses em uma casa em ruínas. Entre eles dois gangers e um intérprete.  (In Flanders Fields Museum, Ypres)

Nove integrantes da Corporação de Trabalhadores Chineses em uma casa em ruínas. Entre eles dois gangers e um intérprete.
(In Flanders Fields Museum, Ypres)

Trabalhadores chineses a caminho da França. (Kautz Family YMCA Archives, University of Minnesota)

Trabalhadores chineses a caminho da França. (Kautz Family YMCA Archives, University of Minnesota)

A entrada para o Campo dos Operários chineses 'perto da fábrica de munições de Vonges, França.  (In Flanders Fields Museum, Ypres)

Operários chineses perfilados para a chamada nominal

A entrada para o Campo dos Operários chineses 'perto da fábrica de munições de Vonges, França.  (In Flanders Fields Museum, Ypres)

A entrada para o Campo dos Operários chineses ‘perto da fábrica de munições de Vonges, França.
(In Flanders Fields Museum, Ypres)

British Captain Louis Sebert and a Chinese interpreter sharing a meal, 1917.  (David Livingstone)

Capitão inglês Louis Sebert e um intérprete chinês almoçando, 1917.
(David Livingstone)

Movimentando sacos de carga de aveia Onto um caminhão em Boulogne

Carregando sacos de aveia num caminhão em Boulogne supervisionados por um oficial britânico (12 de agosto de 1917)

Trabalhando numa fabrica de tanques das Forças Britânicas

Trabalhando numa fabrica de tanques das Forças Britânicas

Llavando um tanque Mark V

Lavando um tanque Mark V em Erin, França, em fevereiro de 1918 (Museu do Tanque)

Carregando munição e bombas para um trem/comboio (Kautz Family YMCA Arquivos da Universidade de Minnesota)

Carregando munição e bombas para um trem/comboio (Kautz Family YMCA Arquivos da Universidade de Minnesota)

Manipulando arame farpado (Kautz Family YMCA Arquivos da Universidade de Minnesota)

Manipulando arame farpado (Kautz Family YMCA Arquivos da Universidade de Minnesota)

Na construção de ferrovias, liberando os operários europeus para a guerra

Na construção de ferrovias, liberando os operários europeus para a guerra

Pessoal da cozinha e funcionários de um hospital chinês  (Kautz Family YMCA Arquivos da Universidade de Minnesota)

Pessoal da cozinha e funcionários de um hospital chinês
(Kautz Family YMCA Arquivos da Universidade de Minnesota)

Entretendo topas inglesas. (National Library of Scotland)

Entretendo topas inglesas. (National Library of Scotland)

Operários chineses comemorando o ano novo chinês

Operários chineses comemorando o ano novo chinês

Trabalhadores chineses deixar a vila em ruínas de Vlamertinghe em seu caminho para o trabalho.  (Copyright: In Flanders Fields Museum.

Trabalhadores chineses deixam a vila em ruínas de Vlamertinghe a caminho para o trabalho.
(Copyright: In Flanders Fields Museum)

Operários chineses carregam seus equipamentos na retirada inglesa da França em 24 de Março de 1918. (Australian War Memorial Collection)

Operários chineses carregam seus equipamentos na retirada inglesa da França em 24 de Março de 1918. (Australian War Memorial Collection)

Túmulos no Cemitério Nolette chinês, o lugar do enterro de cerca de 850 trabalhadores chineses  que morreu durante a Primeira Guerra Mundial, em Noyelles-sur-Mer, no norte da França

Túmulos no Cemitério Nolette chinês, onde estão enterrados cerca de 850 trabalhadores chineses
que morreram durante a Primeira Guerra Mundial, em Noyelles-sur-Mer, no norte da França

- St Etienne Cemitério na França - Memorial inscrição em chinês, francês e Inglês:  À memória dos Trabalhadores CHINESAS

St Etienne Cemitério na França – Memorial com inscrição em chinês, francês e inglês:
“À memória dos Trabalhadores Chineses”

 

 

Anúncios

Um comentário em “Operários chineses na Primeira Guerra Mundial

  1. Pingback: A Primeira Guerra Mundial | Blog do Toni

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 806,322 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

No almoço especial do Ano Novo chinês realizado na Casa de Macau de São Paulo em 18 de Fevereiro de 2018, o macaense José Noronha, 83 anos, andava a mostrar uma foto antiga para algumas pessoas que tinham mais ou menos a sua idade. Procurava ele matar as saudades dos velhos tempos em Macau. Macaense […]

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

%d blogueiros gostam disto: