Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

A doce Camalenga, artigo e três receitas de Cecília Jorge

Mais um artigo com receitas da Cecília Jorge da sua série “Tacho do Diabo”, dos anos 90, publicada na Revista Macau:

A DOCE CAMALENGA

Favorita dos chineses para combater os efeitos do calor estival sobre o organismo, a camalenga é utilizada em suculentos caldos mas é num doce – a camalengada – que a comunidade macaense lhe dá aplicação privilegiada.

Artigo e receitas de Cecília Jorge da série Tacho do Diabo da Revista Macau edição de Agosto 1993

Cecilia Jorge Doce Camalenga (01)

UMA das abóboras mais queridas dos chineses e portugueses de Macau, a camalenga (cambalenga ou camolenga), a que os chineses chamam tung-kuá (literalmente, “abóbora oriental”) é aparentada com a que os portugueses chamam de abóbora-gila, ou chila, e também com a abóbora-carneira, sendo ambas usadas em doces e compotas portuguesas. É igualmente usada no Brasil, sendo conhecida por jerimu ou jirimu.

Forte, grande e pesada, a cambalenga é um dos produtos hortícolas que, pelo sentido pragmático dos chineses, vale a pena cultivar, pois a sua venda é rentável. Mas sem exageros. É que cada freguês leva apenas a talhada que lhe convém, uma de cada vez. Levar a abóbora toda só quando de tamanho adequado a uma sopa especial, preferindo, noutro caso, a sua congénere, a “cambalenga pequena”, ou chit-kuá. Da camalenga tudo se aproveita, até a casca e as pevides, como iremos ver.

Da cucurbita pepo maxima, (os ingleses chamam-lhe winter melon ou wax gourd) como diz João M. A. da Silva no seu interessante Repositório de Noções de Botânica Aplicada e Produções Vegetais Mais Usadas na China (Hong Kong, 1904), este fructo enorme é bem conhecido e é usado como vegetal. É refrigerante e demulcente, e considera-se o mais salutifero da sua classe. Os chinas costumam cozer os pedaços cortados com umafolha de mostarda salgada chung-chói para dar-lhe gosto. Usa-se também para fazer doces e conservas.

A dar-nos uma novidade (estava-se em princípios do século XX, claro está), o autor refere que ultimamente os doutores americanos e anglo-indianos recomendaram fortemente para empregar a graínha das sementes (desta abóbora) para expelir a solitária. Duas onças déstas graínhas frescamente tiradas, pisadas e misturadas com mel ou assúcar em forma de emulsão, são administradas pela manhã emjejum, seguidas. depois de uma ou duas horas. por uma dose de azeite castor.

Favorita, portanto, dos chineses em pleno Verão para combater os efeitos do calor estival sobre o organismo humano, a camalenga entra em muitos dos cozinhados macaenses de inspiração chinesa. E precisamente nas receitas mais caseiras, as do dia-a-dia de uma família mediana, com forte influência chinesa.

A abóbora pode, assim, neste campo, aparecer-nos num guisado com camarões secos, pato, com “orelhas de rato” (fungos), “sombrelos” (cogumelos) e ainda vermicelli de feijão mungo, mas é efectivamente em caldos, apoiada na cevadinha, que se acha a melhor maneira de aproveitar as suas potencialidades de mezinha refrigerante contra a detestada “calidez” termo aparentemente só conhecido no português de Macau, porque a existir nos dicionários de língua portuguesa, não traduz exactamente o sentido (medicinal) do termo. Trata-se de uma expressão concebida para designar o conceito de it-hêi (literalmente “ar quente”) que em explicação muito simplificada, corresponde ao estado a que o organismo pode chegar quando a pessoa abusa de frituras, gorduras e outros alimentos com elevado teor de calorias, sem cuidar de o refrescar com vegetais, frutas e chás, emulsões ou caldos de raízes, grãos e ervas. O risco de atingir o limite da “calidez” depende do estado físico de cada pessoa, mas mais ainda do clima e da estação do ano…

Daí ter-se adaptado bem à comunidade macaense a camalenga nos caldos ralos, com que muitos dos grandes apreciadores desta abóbora, suculenta e saborosa (por via dos sabores que concentra de todos os outros ingredientes) adora ensopar o arroz cozido, para comer com peixe ou ovo salgado.

O caldo supremo desta camalenga – presente em quase todos os banquetes da estação estival -,é mesmo o chamado “cabeça de bonzo”, nome mais criativo do que o original em cantonense, que se limita a “terrina de abóbora” (tung-kuá chúng). Quem o “batizou” deve ter-se inspirado na apresentação do caldo, que é cozinhado e servido dentro de uma abóbora inteira, com a sua casca lisa e luzidia a  lembrar a careca rapada dos monges budistas.

Poucos se aventuram a preparar a “cabeça de bonzo” em casa, sendo mais habitual irem comê-la aos muitos e bons restaurantes de comida cantonense em Macau e Ilhas, depois de encomenda prévia, já que leva muitas horas de trabalho esforçado. E é quando destinada a banquetes que comprova a veia artística e paciente dos chineses, porque servindo-se da casca rija e sólida da abóbora como matéria-prima, nela desenham e talham belos desenhos alusivos à ocasião, festivos, auspiciosos e inspirados: dragões, fénixes, sapecas, flores, e os caracteres da felicidade ou alegria.

Mas a gulodice trazida pela costela lusitana dos macaenses (e não é que os melhores doceiros, não desfazendo dos franceses, se encontram em Portugal?) leva-os a privilegiar uma vez mais, a aplicação desta abóbora em compotas e doces.

Assim, num meio termo entre o doce de gila e a compota de abóbora carneira cujas receitas antigas apresentamos para comparação, está a camalengada, (ou cambalengada), que nos enche de boas recordações dos pequenos almoços e lanches devorados em toalha de linho e debaixo de uma ventoinha ruidosa. Aí, as colheradas da docíssima, esfiapada e fresca compota eram empilhadas sobre quadradas bolachas de água e sal, as fininhas soda cream crackers da Jacob’s, cujas latas, outrora de folha de flandres despidas de pintura serviam ainda para as nossas avós guardarem os cartões de boas festas e imagens dos santinhos, arrumarem a costura, ou usando apenas a tampa, colocarem as brasas para chamuscar a bebinca e o celicário.

RECEITAS – Doce, doce camalenga!

Cecilia Jorge Doce Camalenga (02)

CAMALENGADA

Abóbora camalenga (ralada) – 3 kgs

Açúcar em pedra – 1 kg

folhas de figueira – 6

Lava-se e descasca-se a abóbora, ralando-a em fios longos. Envolve-se a polpa ralada num pano limpo e espreme-se bem para retirar todo o líquido.

Branqueia-se a abóbora (i.e. escaldar rapidamente em água a ferver) e volta-se a espremer, guardando o líquido. Junta-se a esse líquido um litro de água e fervem-se as folhas de figueira (previamente lavadas, esfregadas com uma escovinha, limpas de nervuras e partidas em bocados), durante cerca de meia hora. Retiram-se as folhas de figueira e coloca-se o açúcar, que deve ficar em ponto de espadana. Junta-se então a abóbora ralada e coze-se, mexendo sempre, até o doce se soltar do fundo do tacho. Guarda-se de preferência em frascos fechados ou em potes de barro.

COMPOTA DE ABÓBORA CARNEIRA RIPADA

Abóbora carneira – 1 kh

Açúcar pilado – 1 kg

Corta-se a abóbora em talhadas compridas, limpa-se das pevides e tripa e ripa-se com um ripador de folha de Flandres. Põe-se ao lume tanto o açúcar como a abóbora em peso, e a água suficiente para dissolver o açúcar, que regula por quatro decilitros por quilograma. Quando o açúcar está em ponto de espadana, deita-se-lhe a abóbora e prolonga-se a fervura até que a calda fique bem grossa. Este doce pode levar-se a um ponto tão forte que depois seque facilmente; assim, dura muito tempo. Conservado em compota, pode modificar-se rapidamente, deitando-lhe gemas de ovos batidas e levando-o de novo ao lume até cozer os ovos, tendo o cuidado de mexer sempre.

Abóbora carneira, de água ou maçã de Hércules

É uma abóbora muito longa chegando a ter mais de um metro de comprido e cerca de 15 centímetros de diâmetro. Tem a casca de um verde muito claro e a carne muito branca. Tem aplicação usual na cozinha, onde se prepara cozida ou guisada, e na copa, onde se prepara ripada em doce ou cortada em talhadas, dando não só o doce de calda, mas também a abóbora coberta.

(in Carlos Bento da Maia, Tratado Completo de Cozinha e Copa, ed.1926)

COMPOTA DE GILA

Gila em fios (cozida) – 400 gr.

Açúcar pilado – 600 gr.

Toma-se uma abóbora gila bem madura e parte-se atirando com ela ao chão. Separam-se os bocados, aos quais se tira a tripa, empregando directamente as mãos, porque qualquer utensílio de ferro prejudicaria o doce. Deitam-se os bocados numa vasilha de ir ao lume, cobrem-se de água e põem-se a ferver até que, experimentando um bocado, ele largue bem a casca. Tira-se então do lume, separam-se a casca e as pevides e o restante, os fios, deita-se em água com sal durante 24 horas, depois em água sem sal, que se renova algumas vezes. Passadas outras 24 horas, escorre-se a gila, pesa-se e toma-se vez e meia o peso achado de açúcar pilado, com o qual se forma uma calda, dentro da qual se deita a gila até chegar a ponto de espadana. A compota fica pronta e pode deitar-se, depois de resfriar, em covilhetes. Também se guarda em pires que se expõem ao sol, para que o açúcar endureça à superfície. Em vez do açúcar, pode empregar-se vez e meia em peso de xarope simples.

(in Carlos Bento da Maia, Tratado Completo de Cozinha e Copa, ed.1926)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 706,007 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: